"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

17/02/09

Um Cavaleiro, dono do Tempo!

Era uma vez um cavaleiro muito poderoso, que possuía um objecto mágico: um relógio do tempo. Com isso, ele fazia o que queria, pois parava o tempo, quando queria!
Certo dia, encontrou um rato gigante, que ouviu todos os planos do cavaleiro, com muita sabedoria...o rato também queria lutar pelo relógio!
Propôs um duelo e o cavaleiro, não querendo dar parte de fraco, aceitou. Encontraram-se numa gruta escura, para lutar, mas o cavaleiro, senhor de muitas artimanhas, conseguiu levar a melhor e continuar "dono do tempo".
Rodrigo, 6ºD
Este foi mais um dos textos escrito, a partir do Jogo levado para a aula...Há muito tempo que não me sentia tão feliz!
E agora outra versão, escrita a partir das mesmas cartas:
O Concurso
muito, muito tempo, viveu um cavaleiro importante, numa gruta com o seu amigo rato.
O cavaleiro ambicionava ser famoso e como estava a decorrer um concurso de sabedoria, resolveu inscrever-se. Ora o prémio era um relógio mágico!
O cavaleiro não queria nem por nada, perder o concurso, mesmo desconhecendo que o relógio tinha poderes! Só lhe importava ser famoso, ficar célebre.
Estava a ficar furioso com os adversários, mas acabou por vencer e ficou muito feliz. Dali em diante, graças aos poderes do relógio, passava o tempo a viajar, pois o maior poder era mesmo levar o dono, onde quisesse.
Fábio, 6ºD
Pois é, o melhor deste jogo é que conseguimos um "infindável" desfiar de histórias, ao sabor da imaginação!
E cá fica também um outro, feito em grupo:
Uma Porta muito estranha
Era uma vez um lobo que vivia na floresta.
Certo dia, encontrou um chapéu mágico, mas a princípio achava que era um brinquedo.
Do nada, surgiu duma porta um anão e o lobo, quando o viu soltou um grito:
-Auuuuuuuuuuuu....Auuuuuuuuuuu::.
O anão perguntou-lhe se queria entrar nessa porta, de onde ele surgira. Como concordasse, por curiosidade, o anão deitou-lhe uns pozinhos, que o encolheram!
E convidou-o a entrar, realmente com muita vontade!
Do outro lado, o lobo foi descobrir os primos todos do anão"Anozeus prelimpeus", o nome da família!
O mundo deles tinha muitas cores, era super colorido, tinha todas as cores possíveis e imaginárias!
Mal entrou foi apresentado ao rei Socralpilim, que o presenteou com um suculento lanche e ainda lhe ofereceu o cargo de professor daquele reino encantado!
A escola chamava-se:" tens de saber, para aprender". O lobo foi para a escola dar aulas, aos alunos chamados choco-pickles. E foi um bom professor...
Passados três anos, teve filhos de lobos anões, de origem "lobeza" e "minimeza", depois teve netos, bisnetos e "trinetos", que criaram as pastilhas tridentes!
Pripipim, minimi, lobomi e é o fim!
Bem, com muitas palavras inventadas, imaginação não faltou neste grupo...até alguma crítica...ao que parece!
Pedro, Inês, Jessica, Yara e Patrícia, 6ºD
Quem será esse rei Socralpilim? A mim, parece-me familiar:))))))))

Sem comentários:

Enviar um comentário

Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"