"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

21/06/09

A cor do Verão!



No poema uma criança é da cor do verão

A cor do verão quando o vento sopra nos abetos,
e a sombra do mar entre a brancura das casas.
Uma criança sozinha com os seus olhos secretos
canta e ergue os braços como se fossem asas.

Sempre a caminho de um íntimo segredo,
irmã das fontes, a criança com o sorriso de água,
de lira ao peito, a sua voz de nada tem medo,
e no pequeno coração de âmbar nunca guarda mágoa.

O odor das flores, essa criança sabe-o só de o imaginar,
quando o pólen lhe atravessa a pele como se um rio fosse.
É seu o nome da primavera e todo o seu destino é cantar!
Não sabe outro caminho, nada seria se não cantasse.

E o poema depois de escrito, os seus olhos confirma
o seu rosto de rosácea, a sua pele de rio se canta.
E, se canta, a criança é toda erguida a voz que ama
tudo aquilo que ela com todo o seu dom encanta.

José Pereira

3 comentários:

Alegria disse...

Cara Isabel, só faço te agradecer, mas na vida existem infelizmente esses venenos, e escrevi por que já me intoxiquei, perdi meus pais aos 17 anos de idade e sempre touxe comigo o que de bom me ensinaram, sou imperfeita, tenhos grandes defeitos, mas escrever descobri que pode ser minha maior virtude e assim vou fazê-lo até o fim de meus dias. Te considero já uma amiga mas te respeito muito pelo seu trabalho e intelecto. Beijinhos e muito me honra tua presença em meu blog.

Alegria disse...

desculpe touxe (trouxe).

Carla Pimentel disse...

Muito bonito o poema... delícia!
Bjs

Enviar um comentário

Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"