"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

29/07/09

Gostaria de começar com uma pergunta
ou então com o simples facto
das rosas que daqui se vêem
entrarem no poema.


O que é então o poema?
um tecido de orifícios por onde entra o corpo
sentado à mesa e o modo
como as rosas me espreitam da janela?


Lá fora um jardineiro trabalha,
uma criança corre, uma gota de orvalho
acaba de evaporar-se e a humidade do ar
não entra no poema.


Amanhã estará murcha aquela rosa:
poderá escolher o epitáfio, a mão que a sepulte
e depois entrar num canteiro do poema,
enquanto um botão abre em verso livre
lá fora onde pulsa o rumor do dia.


O que são as rosas dentro e fora
do poema? Onde estou eu no verso em que
a criança se atirou ao chão cansada de correr?
E são horas do almoço do jardineiro!
Como se fosse indiferente a gota de orvalho
ter ou não entrado no poema!
Rosa Alice Branco, in Soletrar o Dia

3 comentários:

Alegria disse...

Que lindo poema, e obrigada por ter vindo visitar-me, mas gostaria que você e tuas princesas fossem ao blog que está nascendo Anjos da Guarda, gostaria muito de compartilhar contigo que ama crianças este novo espaço. Basta entrar no meu blog Alegria e clicar em anjos da guarda.
Beijinhos

Renata

P.S já entrou uma pessoa mas não conheço, mas espero que você minha amiga e sua fadinhas como gosto de chamar tuas princesas vejam. =D

Alegria disse...

obrigada, pelo comentário você é muito carinhosa, mas se queres aprender eu ensino, é muito bom para desestressar.

muito obrigada. por ter aparecido em minha vida.
Renata

Luz disse...

Lindo!!!
Obrigado.
Luz

Enviar um comentário

Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"