"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

28/01/10

Um mundo de doçuras!

Um dia estava a ajudar o meu avô, a limpar o sótão. Estava tudo sujo e velho, mas vi um baú a dizer: "Felicidades sem fim!"(...) Com curiosidade, abri o baú e, de repente, saiu uma luz às cores, que me sugou para dentro!
Quando acordei, vi o céu cor-de-rosa e nuvens feitas de algodão doce! Um rio de chocolate, relva feita de gomas, árvores e carros de bolachas, animais de rebuçado!!!
Comecei a comer, deliciado! Mas depressa me senti mal, por abusar de tanta guloseima!
Mal vi o baú, fui a correr para junto dele e abri-o, na esperança de voltar ao meu mundo e...foi o que aconteceu.
Gonçalo Brás, 6ºF

Livro misterioso!

Num belo dia de Verão, fui à praia. Fui a correr para a água, mas tropecei e, quando olhei para a areia, vi um livro enterrado na areia, apanhei-o e levei-o para casa, para ler.
Sabem qual era o título? "Não leias esta livro!"
Fiquei ainda mais curioso, talvez fosse a brincar, ou um livro de terror, por isso, comecei a lê-lo rapidamente...Sem saber como, entrei dentro do livro!
O mundo lá era a preto e branco e é claro que eu também fiquei sem cor! Ao princípio, fiquei aborrecido, por não ter cor, mas depois gritei:
-Ei, maltaaaaaaaaaaaa!
Ninguém respondeu, pois ali ninguém falava! Faziam tudo, sem falar!
Como eu gritei, apareceu logo um polícia, que me passou uma multa! Por lá não havia livros, logo fiquei sem saber como voltar ao meu mundo...Então, como eu viera parar ali por causa de um livro, tive a ideia de escrever um. Demorei algum tempo a escrevê-lo e já sentia saudades da minha família...Só faltava o título...Inventei logo um, esperando que ao ler esse livro, regressasse para a minha casinha a cores, com boa comida, para o meu quarto...mas estava a demorar!
Finalmente, ao acabar de ler o livro, regressei a casa e fui a correr para a minha mãe, que abracei, depois abracei o meu pai e o meu irmão...Que bom, estava de volta!

Pedro Carriço, 6ºF

Um mundo diferente!

Desde pequeno que queria entrar num mundo diferente do nosso e um dia isso aconteceu!
Estava a olhar para um espelho e de repente entrei dentro dele, entrei num mundo ao contrário!
Tudo era diferente: as folhas das árvores eram cor-de-rosa, roxas e amarelas; as flores, eram pretas...Vi um cão a voar e os pássaros a ladrar. Vi um gato a passear uma senhora e os peixes a chilrear.
Reparei que os carros passavam no sinal verde e avançavam no vermelho!
Os cães viviam nos prédios e as pessoas, nas casotas!
Assim, eu percebi que não gostava de estar lá e quis voltar para o meu mundo, onde tudo era mais normal.
Serhiy, 6ºF

Dentro do computador!

Filipe era um rapaz inteligente, que adorava jogar no computador, como aliás todos os rapazes da sua idade.
Estando a jogar, viu o computador ficar todo azul e Filipe vê-se a entrar dentro do computador! Foi reaparecer num mundo muito diferente, onde as pessoas andavam para trás. Isso, a princípio, causou-lhe muita confusão, mas começou a imitá-los e até não se estava a sair nada mal, mas não era vida para ele.
Afinal de contas, tudo não passou de um sonho, pois ele adormecera em frente do computador!
Filipe, 6ºF

Um jogo de computador!

Um dia, estava a jogar computador, um jogo chamado war rock, de guerra e, quando disparei pela primeira vez, vi uma luz intensa, que vinha do computador!
Quando fechei os olhos, dei por mim dentro do jogo! Tinha trocado de posição com o boneco e comecei a ganhar. Sempre que via pessoas, matava-as com um headshot e atingi o máximo da pontuação!
Fiquei à frente, com zero deaths (mortes) e tornei-me no melhor jogador do mundo!
Esse mundo era muito melhor que a realidade, pois aí eu era um vencedor.
Bernardo, 6ºF

O espelho mágico!

Entrei no sótão da minha avó.
E que coisas antigas lá encontrei,
Tapetes, malas e mobílias...
Tão antigas, que nem sei!

Olhei para um espelho
Que tinha um mundo do outro lado,
Entrei com receio
Pois estava tudo trocado!

O céu era verde,
E os rios eram amarelos.
Com peixinhos de várias cores,
A saltarem de chinelos!

Os pássaros falavam,
Como pessoas normais.
Até o gatito me disse:
-Olá, como estais?

Fábio Silva, nº11, 6ºF

27/01/10

O mundo novo da Maria!

Era uma vez uma menina chamada Maria.Um dia quis ir a uma loja de espelhos.Qual não foi a sua surpresa, quando estava a olhar para o seu reflexo, de repente, deu por si num mundo que se chamava Lagutrop.
Lagutrop era um país completamente ao contrário do da Maria.
Não havia carros, preocupações e as coisas que estavam à venda não eram muito caras, tudo à sua volta era colorido.
A Maria gostava muito de Lagutrop, mas gostava ainda mais de Portugal, pois, foi onde nasceu e tem sempre outras memórias.
Em Lagutrop as pessoas andavam de pernas para o ar, os cães faziam chichi na caixa de areia e os gatos iam à rua, a bandeira em vez de ser vermelha e verde era verde e vermelha. As pessoas nasciam idosas e começavam a ficar bebés, o calendário começava em Dezembro e acabava em Janeiro.
As pessoas eram muito esquisitas, pois trabalhavam e comiam à noite e dormiam de dia.
A Maria já estava farta e então decidiu ir à procura do espelho que a levou para Lagutrop. Finalmente encontrou-o, o espelho estava deitado no chão, então a Maria inclinou-se sobre ele.
Quando abriu os olhos viu que já tinha regressado ao seu País.
Muito contente a Maria foi contar aos pais.
Os pais impressionados abraçaram a filha e viveram felizes para sempre.
Beatriz, 6ºE

Um sonho muito estranho!

Eu estava no Centro Comercial a olhar-me ao espelho e de repente sou engolido!
De repente, fui parar a um mundo mágico muito estranho! Se as crianças sorriam, é porque estavam tristes e quando choravam, era porque estavam contentes e a cidade Amora, chamava-se Aroma, os carros andavam ao contrário, os computadores eram televisões, as televisões eram computadores!
Eu falei com uma pessoa e a conversa foi assim:
-Como te chamas?
-Oãoj. E ut?
-André. Como estás?
-Meb e ut?
-Também!
Depois fui ver o resto da cidade, descobrindo como era, mas achei tudo um bocado estranho!
Mas sabem a melhor? Subitamente, reparei que era um sonho!
André, 6ºE

26/01/10

Um mundo ao contrário!

Numa tarde muito quente, a Jovineibersowil estava a transpirar de calor, quando decidiu ir refrescar-se à casa de banho.
De repente olhou para o espelho, que pareceu ganhar vida e a agarrou, levando-a para um mundo diferente daquele que ela conhecia.
Nesse mundo era tudo ao contrário! Viu um fruto vermelho numa árvore e quis comê-lo, mas o fruto não estava maduro, afinal estava verde!
Avistou umas pessoas muito diferentes, que falavam de forma estranha: diziam sim , quando queriam dizer não, diziam feia, quando queriam dizer bonita...e assim por diante! Mal viram a Jovineibersowil, exclamaram:
-Que menina tão feia! Já te vi por aqui muitas vezes!
A rapariga ficou triste ao princípio, por lhe chamarem feia, mas logo percebeu que alguma coisa estava errado, pois nunca tinha estado ali!
Ela estava apavorada, pois aquele mundo começava a assustá-la e logo percebeu que não conseguiria viver ali!
De súbito viu um rapaz muito lindo e ficou logo apaixonada! O rapaz explicou-lhe que lhe acontecera o mesmo, estava desesperado e preocupado por não conseguir sair daquele mundo... Ela percebeu que ele era diferente dos outros habitantes da cidade! Aliás, era diferente de todos os rapazes! Era o mais lindo e fofo de todos!
Mas como sairiam dali? Se foi um espelho que os engoliu, talvez fosse o espelho a solução! Pegaram nele e mexeram e remexeram, a ver se descobriam algo, mas...nada! Sem querer, deixaram cair o espelho ao chão! Pensavam estar perdidos para sempre, quando de repente sentiram tudo a girar e regressaram à cidade onde viviam.
Que felicidade, poder regressar a casa! Ainda por cima, ambos tinham feito uma viagem incrível e descobriram o AMOR!
Alunos de PLNM
Nota: O nome da rapariga surgiu da imaginação dos alunos, que misturaram as sílabas dos vários elementos presentes na aula.

25/01/10

Ilustrar Poemas!

O Diogo do 6ºF também ilustrou o mesmo poema, com o jeitinho que só ele tem.

Ilustrar Poemas!

A Ana do 6ºJ fez este lindo desenho, após a audição do Poema: "A casa e o seu dono".

18/01/10

Um mundo diferente!

Hoje a Sara participou no corta-mato escolar e ficou em nono lugar! não sai nada à mãe, que nisso do desporto sempre fui uma nulidade...Ela é uma atleta, uma campeã!
Também no 6ºJ-turma de Percursos alternativos- reinou a alegria, pois o Nuno e a Sandra ganharam medalhas. em breve, participarão no corta-mato Concelhio.
Mas a manhã reservava outras surpresas, fizemos um texto e os resultados foram muito positivos.
Deixo-vos aqui o texto do Amilton, que escreve com dificuldades, sobretudo ao nível da ortografia, mas as ideias são interessantes. Quem nos dera que esse mundo existisse mesmo!
Certa noite, estava eu no meu quarto, quando adormeci com um livro na mão. Esse livro devia ser mágico, porque me levou para outro mundo bem diferente do nosso!
Lá era tudo ao contrário e não existia maldade, nem pessoas más! Também ninguém precisava de trabalhar, por isso, a vida era uma eterna festa!
Receberam-me de forma gentil e trataram-me como se fosse um rei. Senti-me tão bem ali, onde as pessoas eram de todas as cores, mas respeitavam-se todas, de igual forma. Ser vermelho, amarelo ou azul, não fazia qualquer diferença!
Era um mundo fantástico, porém um dia um homem mau entrou nele. Ora, ninguém conhecia a maldade e receberam bem o senhor vilão.
Esse vilão era um prisioneiro, a quem quiseram dar uma segunda oportunidade, mas ele não a queria aproveitar! O livro mágico devolveu-lhe portanto o mundo real, cheio de problemas e dor.
Foi nesse instante que o senhor vilão compreendeu tudo e implorou perdão.
Então, o livro mágico deixou voltar ao mundo dos sonhos, onde ele podia ser feliz e deixar a maldade no outro mundo.
Podem crer que, desta vez, ele iria aproveitar essa última oportunidade, pois não é todos os dias que podemos encontrar a felicidade.

14/01/10

O tempo passa,mas...

Há quem diga,que o tempo passa a correr,e de facto é verdade.Mas,para algumas crianças da minha idade,não é bem assim,ou pelo menos não parece.Algumas,talvez gostassem que ele corresse ainda mais depressa,até não ter mais fôlego.Mas sabem...eu até compreendo.É a «eterna pressa de ser adulto».Ainda são «mini-pessoas» e já querem ser adultos!!!Estamos na fase da transição,a mudar tanto a nível físico como psicológico e nesta fase da vida existem crianças que estão ansiosas por chegar a uma «nova vida»,onde serão independentes.Eu estou dividida.Por um lado,tenho curiosidade de sentir na pele o que é ser adulta,mas,por outro lado,estou farta de ouvir o mesmo da parte dos adultos.Todos,ou quase todos os adultos dizem sempre:
«-Que saudades que eu tenho de ser criança,aproveita enquanto és pequena,pois,à medida que fores crescendo,as responsabilidades vão ser acrescidas.Quem me dera a mim, voltar a ser criança!»
No fundo os adultos querem que o tempo volte atrás e existem crianças,que querem que o tempo ande mais rápido do que anda!
Por isso,a única conclusão,é que devemos viver um dia de cada vez,sem pressa de chegar ao amanhã.
Rita Carmo, 6ºE

A Casa e o seu Dono!

ESSA CASA É DE CACO
QUEM MORA NELA É O MACACO.
ESSA CASA TÃO BONITA

QUEM MORA NELA É A CABRITA.
ESSA CASA DE CIMENTO

QUEM MORA NELA É O JUMENTO.
ESSA CASA É DE TELHA

QUEM MORA NELA É A ABELHA.
ESSA CASA É DE LATA

QUEM MORA NELA É A BARATA.
ESSA CASA É ELEGANTE

QUEM MORA NELA É O ELEFANTE.
E DESCOBRI DE REPENTE

QUE NÃO FALEI EM CASA DE GENTE.

ELIAS JOSÉ

Uma casa sem pés nem cabeça!


Essa casa é de caco,
Quem mora nela é o Marco.
Essa casa é tão bonita,
quem mora nela é a Rita.
Essa casa é de cimento...
Quem mora nela é tão ciumento!
Essa casa é de telha,
Quem mora nela é uma grelha!
Essa casa é de lata...
Quem mora nela é a pata!
Essa casa é elegante...
Quem mora nela é o Gigante!

Texto criado a partir do Poema:"A casa e o seu dono", de Elias José, pela Fatoumata Binta, 5ºH

12/01/10

Crescer ou não Crescer?

É eterna a espera de ser adulto
Pois 12 anos ainda tenho
Mas sou muito sortudo
Saúde, Amor são tamanhos!

Quero ir ao cinema, não posso...
Diz o pai: "idade não tens!"
Quero ser grande depressa,
Aproveitar o que a vida tem.

Calcei os sapatos do meu pai,
E que grandes que eles são!
Pezinho que cresce, cresce ...
Não cresças muito, não!

Fábio Silva, 6ºF

11/01/10

Diálogo entre duas velhotas!

Ainda se lembram do conto da velha e da cabaça? Pois bem, os alunos do PLNM "arregaçaram as mangas" e voltaram ao trabalho, recontando a história num diálogo humorístico.

(...) Passados alguns dias, dona Benedita foi ao mercado e encontrou a sua amiga Zita.
-Oh, Zita! Mas há quanto tempo! Tudo bem, consigo?
-Pois é, há que tempos que a gente não se via. Vou indo, Graças a Deus-exclamou contente, pois há muito que não via a amiga.
-Nem sabe o que me aconteceu outro dia! Estava mortinha por a encontrar, para lhe contar...
-Oh, mulher, conte, conte, que até já estou a ficar arrepiada! As suas histórias são sempre emocionantes.
-Então...outro dia deram-me cá umas saudades dos meus netinhos...que nem pensei duas vezes, meti-me pela serra, por ser mais perto.
-Oh mulher, tu és doida?!Tu não sabes que pela serra é muito perigoso por causa dos lobos?
-Eu só queria chegar lá depressa,nem pensei nisso!Os lobos eram estúpidos!
-Com que então, os lobos eram estúpidos!!!Conta lá como é que os enganaste...
-Oh, foi muito fácil! Disse-lhes que estava muito magrinha, que no regresso viria mais gordinha, por isso era muito melhor se me comessem só na volta. Também prometi trazer arroz-doce, para a sobremesa.
-Muito bem pensado,sim senhor, mas até custa a acreditar que os lobos caíram nessa história!!!
-E tu nem sabes a melhor...Para voltar, meti-me dentro de uma cabaça e os parvos dos lobos nem perceberam!
-Mas mesmo assim, tiveste muita sorte, nunca mais voltes pela serra, não vão os lobos ficar espertos! Eles não são assim tão estúpidos, como tu pensas!
-Tens razão, mais vale não arriscar...Gostei muito de te ver e não vou esquecer o teu conselho.
-Eu cá adorei a tua história! Já tinha saudades das nossas conversinhas.

José Moscavide!

No tempo de Jesus Cristo, havia um homem chamado José Moscavide.
Certo dia, quando José estava a "apanhar banhos de sol" na praia, uns adolescentes aproximaram-se dele e entregando-lhe um frasco, exclamaram:
-Isto é para ti, são moscas, ouviste Zé das Moscas?- afirmaram, rindo às gargalhadas.
Mas o José nem se importou, pois gostava de todas as criaturas da terra. Pensou logo guardar as moscas consigo.
De Moscavide, passou a ser conhecido por Zé das Moscas.
No dia seguinte, no Templo as pessoas gritaram:
-Vem aí o Zé das Moscas! Cuidado com as suas terríveis amigas, as moscas!
Ele nem ligou. Entrou no Templo, onde todos gozaram com ele.
Contudo deu um conselho às pessoas:
-Estão a gozar comigo, porquê?Não vos tratei mal e se não querem ser meus amigos, pelo menos deixem-me em paz!
Todos começaram a ter mais respeito por ele, pois perceberam que não tinham o direito de gozar com alguém que nada lhes fizera.

Filipe, 6ºF

07/01/10

" Vem aí o Zé das Moscas!"

Numa aldeia muito pobre vivia um rapazito chamado José. Todos os dias ele ia a uma cascata no coração, a mais fantástica de todas!
Certo dia, nessa cascata, José viu um panda magnífico! Muito admirado, foi ter com ele.
-Olá!- cumprimentou o José todo contente- Estás aqui sozinho?
-Não!-respondeu o Panda- Porquê?
-Aiiiiiiiii!-admirou-se José que não estava nada à espera de ouvir uma resposta-Tu...tu...tu falas? Vou já contar a toda a gente.
Quando chega perto da mãe para lhe contar, só fazia uns ruídos estranhos.
- O que é que estás para aí a dizer?- berrou a mãe muito zangada- Se não falas como deve ser, começo a chamar-te Zé das Moscas.
-ZZhumzzzhummzz-repetia o Zé-ZZZZhuummmzzz.
- Ai é assim? Vais ficar mesmo Zé das Moscas. Vou espalhar isso pela vila toda, para aprenderes a não brincar com coisas sérias.
A mãe saiu de casa e começou a dizer tudo às pessoas. Zé dirigiu-se para a janela e viu a vila ganhar uma vida especial: as crianças brincavam e riam, os adultos sentavam-se nos bancos das ruas a conversar alegremente, as velhotas espiavam tudo...
Quando o Zé saiu à rua, tentou falar e conseguiu. O feitiço tinha passado.
-Foi a alegria da vila que te tirou o feitiço "Zé das Moscas"-disse um velho, que se sentara ao lado do Zé.
Ficou conhecido daí em diante por essa alcunha, mas ele não se importou pois recordaria eternamente esse dia em que a vila ganhou alegria.
Eva Nunes, 6ºF

05/01/10

Vem aí o Zé das Moscas!

Era uma vez, num dia cheio de sol em Fiora, um homem! Era uma vez um homem, o Zé das moscas, famoso pelo seu circo de moscas.
E era uma vez um dia especial! Zé das Moscas ia a caminho, para abrir o seu circo de moscas. As pessoas nas filas gritavam:
-Vem aí o Zé das moscas!! Vem aí o Zé das moscas!!
E ele passava por entre aquela multidão rodeado de luz!
Bem...mas voltemos ao nosso dia especial...hoje o Rei de Fiora vinha ver o circo! Zé decidiu fazer o seu melhor com as moscas.
Após o espectáculo, o rei ficou muito agradado e disse:
- Gostei muito do seu circo, especialmente do número com as moscas. Nunca vi nada igual, por isso, dou-te a mão da minha filha em casamento.
O Zé não cabia em si de contente e casou com a Princesa, com quem viveu muito feliz.
Gonçalo Brás, 6ºF

02/01/10

Linda, a minha princesa!



Feliz Aniversário, princesinha!



Há cinco anos atrás, Deus deu-me outra filha, a minha Sofia. Cada vez que me sinto triste, basta-me olhar para ela ou para a Sara e a tristeza desaparece, pois ambas são a minha razão de viver.
Não há nada maior que o amor dos filhos! Elas dão-me sempre motivos para sorrir, para lutar, para ir em frente...
A Sofia é outro dos milagres, que aconteceu na minha vida. Ela é linda, linda e perfeitinha! Ela faz-me lembrar que devo agradecer a Deus todos os dias. Ser mãe é maravilhoso, olhar para o rosto das minhas filhas, todas as manhãs...é o meu melhor presente...receber os seus beijos, faz-me sentir especial e única...é a maior felicidade do mundo.
Obrigada, minha pequenina Sofia, meu tesouro.

01/01/10

Letra e Música: uma bela combinação.


I've been living with a shadow overhead
I've been sleeping with a cloud above my bed
I've been lonely for so long
Trapped in the past, I just can't seem to move on

I've been hiding all my hopes and dreams away
Just in case I ever need em again someday
I've been setting aside time
To clear a little space in the corners of my mind

All I want to do is find a way back into love
I can't make it through without a way back into love
Oh oh oh

I've been watching but the stars refuse to shine
I've been searching but I just don't see the signs
I know that it's out there
There's got to be something for my soul somewhere

I've been looking for someone to shed some light
Not somebody just to get me through the night
I could use some direction
And I'm open to your suggestions

All I want to do is find a way back into love
I can't make it through without a way back into love
And if I open my heart again
I guess I'm hoping you'll be there for me in the end
oh, oh, oh

There are moments when I don't know if it's real
Or if anybody feels the way I feel
I need inspiration
Not just another negotiation

All I want to do is find a way back into love
I can't make it through without a way back into love
And if I open my heart to you
I'm hoping you'll show me what to do
And if you help me to start again
You know that I'll be there for you in the end
oh, oh, oh

Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"