"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

28/03/10

A ferradura e as cerejas!

Viveu em tempos um camponês, que gostava de passar os dias de domingo com o filho a fazer coisas diferentes, pois passava a semana inteira a trabalhar no campo.
Queria que o rapazinho aprendesse sempre mais e, para isso, não há nada melhor do que a experiência.
E foi assim que numa bonita manhã de Verão, decidiu viajar até à cidade, que ficava mais próxima da aldeia.
O pequeno Miguel ficou muito contente, quando o pai lhe disse que iam passear, pois ainda não tinha tido muitas oportunidades para sair e conhecer outros lugares. Mas ao fim de algum tempo, começou a ficar para trás, pois era muito preguiçoso e não lhe apetecia andar.
-Depressa...Temos ainda uma longa caminhada pela frente!-lembrou o pai-Sabes, na tua idade, era muito mais curioso que tu.
Naquele dia, fazia muito calor e a estrada estava coberta de poeira. No entanto, viram uma coisa a brilhar ao longe e repararam que se tratava de uma ferradura.
-Então? De que estás à espera? Vamos apanha-a.
-Não vale a pena inclinar-me para a apanhar. É uma coisa sem valor-respondeu o rapazinho, que tinha sempre a resposta na ponta da língua.
Sem dizer uma palavra, o pai apanhou a ferradura e guardou-a no bolso das calças.
Pararam na primeira aldeia que encontraram, para descansar um pouco. Como conhecia bem aquele lugar, o pai procurou uma loja pequena e depois de trocar algumas palavras com o vendedor, que era seu amigo, conseguiu vender a ferradura em troca de algumas moedas.
Depois, aproximou-se de uma banca de fruta e comprou umas cerejas.
Quando chegou a altura de continuar a viagem, o pai colocou o seu plano em prática, apressou ainda mais o passo e foi deixando as cerejas, uma a uma, enquanto caminhava.
Como era guloso e estava com muita sede, Miguel parava para apanhá-las e comê-las.
-Valeu a pena apanhar aquela ferradura, não foi?-perguntou o pai, em tom de brincadeira.
-É verdade...
O pai sorriu pois tinha a certeza que o rapazinho não iria esquecer-se nunca daquela experiência de vida.
Naquele dia, Miguel aprendeu uma lição valiosa. Não devia desprezar nada, nem mesmo uma ferradura, que estivesse perdida no caminho!
Igor, 6ºF

1 comentário:

Anónimo disse...

moral da historia seria melhor vergar se uma vez na vida do que varias

Enviar um comentário

Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"