"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

28/05/10

O meu poeta principal...

Era uma vez um homem,
Que toda a sua vida tinha sonhado
Que iria ser inventor,
Mas nunca nada tinha inventado.

Pediu ajuda a um amigo,
Mas apenas o deixou mais desolado.
Disse que para inventar
Tinha de ser amado.

Muito entristecido,
Foi para o jardim descansar.
Mas o Sol brilhava de tal forma,
Que o fazia acordar.

Decidiu então,
As suas flores espreitar.
Tinham tal beleza,
Que o faziam falar.

“Esta flor tão branca,
Toda a gente ma quer.
Ela também não me deseja,
Por isso chamo-lhe malmequer.”

“Esta flor tão vermelha,
Toda a gente me diz que é cheirosa.
Os seus espinhos fazem-me sangrar,
Mas eu chamo-lhe rosa.”

“Esta flor tão azulada,
Encanta o meu recinto.
Como ninguém ma elogia,
Dou-lhe o nome de jacinto.”


“Esta flor tão amarelada,
Dizem que não tem juízo.
Talvez por estar tão alta,
E por tal chamo-lhe narciso.”

Pasmados com tais nomes,
Tão belos e graciosos.
Disseram os vizinhos,
Que estavam muito invejosos.

“Nunca vi tal beleza,
Nos nomes das suas flores.
Parece-me um inventor,
Que vai ter muitos amores.”


A princesa com ele se casou,
Pois sempre o admirou.
A rainha aceitou,
Pois o inventor a sua filha amou.


André Ferreira

Sem comentários:

Enviar um comentário

Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"