"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

27/02/11

O sonho de Carla...

Vou contar-vos um segredo...Existe um campo, o campo dos sonhos, que algumas crianças conhecem. Aí, se pedirem com fé, os sonhos tornam-se realidade.
Carla ia muitas vezes a esse campo, para concretizar alguns sonhos, mas nunca conseguira realizar um bem simples: o sonho de ter amigos.
Onde ela vivia, não havia crianças e, po isso, passava os dias a brincar sozinha.
Pedira um bebé a sua mãe, mas esta dissera-lhe que não podia sustentar outra filha.
Carla voltou à estaca zero! Mas não quis desistir do seu sonho. Então, voltou à terra dos sonhos, decidida a pedir com todo o seu coração...
Adormeceu no meio do campo e sonhou que um casal vindo de longe, se aproximava do local onde morava.
-Mãe, mãe, vem ver...um carro, lá ao longe.
Quando o carro se aproximou, saiu de lá um senhor muito bem vestido:
-Olá, chamo-me Paulo, esta é a minha mulher, a Alexandra.
-Olá!-cumprimentou minha mãe, meio envergonhada.
-Sabem, temos uma menina da tua idade-acrescentou o senhor Paulo. É a Beatriz.
Carla nem queria acreditar. Desde esse dia, tornaram-se as melhores amigas.
Diana, 6ºG

Sotar quis queimar a terra!

Era uma vez uma menina chamada Melissa, que tinha super-poderes.
Com os poderes da terra, ar, água e fogo ajudava as pessoas.
Na escola, ninguém sabia dos seus poderes...Só a Catarina, que era a sua ajudante.
Um dia quente de verão, Melissa e Catarina estavam de férias e nem queriam acreditar que os vilões também tinham férias!
No espaço, um dos vilões, Sotar, estava a pôr o sol mais quente, cada vez mais quente!
Melissa estranhou, pois o calor era quase insuportável e faltava um vilão na sua contagem!
Com o seu super-poder deu volta ao mundo, mas nada do Sotar! Depois de muito pensar, decidiu que só poderia estar no espaço. assim, compreendeu tudo, aquele calor infernal!
O sol não parava de crescer e ficar mais quente! Melissa tinha de agir, antes que tudo ardesse!
Com os super-poderes da água, Melissa arrefeceu o sol, que ficou do tamanho normal e com a temperatura certa.
Sotar nada podia fazer, pois Melissa era a mais poderosa.

Melissa, 5ºD

Onde estão os brinquedos?

Nestes dias, em que o sol convida a longos passeios...inventámos um jogo na areia: os brinquedos eram camuflados com areia e tínhamos de os encontrar! O que a Sofia se divertiu! Eu também, claro!



26/02/11

Fado à desgarrada!

Sonhar, mesmo quando é difícil...

Eu queria ser astronauta,
O meu país não deixou,
Depois quis ir jogar à bola,
A minha mãe não deixou.

Tive vontade de voltar à escola,
Mas o doutor não deixou,
Fechei os olhos e tentei dormir,
Aquela dor não deixou...

Ó meu anjo da guarda,
Faz-me voltar a sonhar,
Faz-me ser astronauta,
E voar...

O meu quarto é o meu mundo,
O ecran é a janela,
Não choro em frente à minha mãe,
Eu que gosto tanto dela.

Mas esta dor não quer desaparecer
Vai-me levar com ela...

Ó meu anjo da guarda,
Faz-me voltar a sonhar,
Faz-me ser astronauta,
E voar...

Acordar meter os pés no chão,
Levantar, pegar no que tens mais à mão,
Voltar a rir, voltar a andar, voltar, voltar...
Voltarei... (8x)

Acordar, meter os pés no chão,
Levantar, pegar no que tens mais à mão,
Voltar a rir, voltar a andar, voltarei...

Letra e Música: Tim, Voar

25/02/11

Fundo do Mar!

No fundo do mar há brancos pavores,
Onde as plantas são animais
E os animais são flores.

Mundo silencioso que não atinge
A agitação das ondas.
Abrem-se rindo conchas redondas,
Baloiça o cavalo-marinho.
Um polvo avança
No desalinho
Dos seus mil braços,
Uma flor dança,
Sem ruído vibram os espaços.

Sobre a areia o tempo poisa
Leve como um lenço.

Mas por mais bela que seja cada coisa
Tem um monstro em si suspenso.

Tróia!

Menina do Mar!

24/02/11

Uma imensidão de palavras!

Escrever sobre o mar tem vários sabores, para uns doce, para outros amargo...
Para mim, o mar tem sabor a férias, lembra-me mergulhos no Verão, frescura nos pés, quando me deito na areia, esquecida do tempo!
O mar, azul e calmo, convida à tranquilidade, ao sossego, fazendo-me sonhar e imaginar.
Deitada na areia, contemplando o mar, faço mil viagens, sem sair do lugar.
Para os pescadores, o mar tem sabor a pão e, outras vezes, a solidão e dor.
O mar é uma imensidão de palavras: saudades de quem parte, alegria dos que regressam; barcos; peixes e gaivotas, ondas calmas ou revoltas… O mar é um enorme ponto de interrogação, pois é um mundo a descobrir.
O mar é um mundo a navegar!

Escrever a mentir!

Ouçam bem com atenção
Uma história de encantar
Com a borracha escrevi
Um texto de pasmar!

Com o lápis apaguei
Mas a borracha teimosa
Voltou a escrever
Olhem bem, que manhosa!

Andei à volta com os números
Na aula de Português
As letras, na Matemática
Namoraram com um chinês!

No quadro escrevo com lápis
No caderno com giz
Ai, valha-me Deus
Que parti o nariz!

Que grande rio...
Que alegria!
As pessoas a navegar
E os barco a saltar!

Os amigos são meus irmãos
Estudam sempre a cantar
Mas quando querem pensar...
Fazem-no sempre a brincar!




Os militares usam fraldas!

A Cantiga das mentiras
É um pote de vigarices
E quem as vai contar
É o meu amigo Ulisses!

O Sol cai na terra
A Lua sobe no mar
E a cantiga das mentiras
Serve para embalar!

Os bebés estão em guerra
Os militares usam fralda
Só o cão da vizinha
É que se chama...MAFALDA!

João Mateus, 5ºD

Romance cantado

Lá vem a Nau Catrineta
que tem muito que contar!
ouvide agora, senhores,
uma história de pasmar.

Passava mais de ano e dia
que iam na volta do mar
já não tinham que comer,
já não tinham que manjar.

Deitaram sola de molho
para o outro dia jantar;
mas a sola era tão rija,
que a não puderam tragar.

Deitam sortes à ventura
qual se havia de matar;
logo foi cair a sorte
no capitão-general.

– "Sobe, sobe, marujinho,
àquele mastro real,
vê se vês terras de Espanha,
as praias de Portugal!"

–"não vejo terras de Espanha,
nem praias de Portugal;
vejo sete espadas nuas
que estão para te matar."

–"acima, acima, gajeiro,
acima ao tope real!
olha se enxergas Espanha,
areias de Portugal!"

–"Alvíssaras Capitão,
meu capitão-general!
já vejo terras de Espanha,
areias de Portugal.
Mas enxergo três meninas
debaixo de um laranjal:
uma sentada a coser,
outra na roca a fiar,
a mais formosa de todas
está no meio a chorar."

–"Todas três são minhas filhas.
Oh! quem mas dera abraçar
a mais formosa de todas
contigo a hei-de casar."
–"A vossa filha não quero,
que vos custou a criar."

– "Dar-te-ei tanto dinheiro
que o não possas contar."
– "Não quero o vosso dinheiro
pois vos custou a ganhar."

–"Dou-te o meu cavalo branco
que nunca houve outro igual."
– "Guardai o vosso cavalo,
que vos custou a ensinar."

– "Que queres tu meu gajeiro
que alvíssaras te hei-de eu dar?"
–"Eu quero a Nau Catrineta,
para nela navegar."

– "A Nau Catrineta amigo,
é d' el-rei de Portugal
pede-a tu a el-rei, gajeiro,
que ta não pode negar."

Nau Catrineta!

Nau Catrineta!

22/02/11

Pensamento...

"O que fazemos por nós, morre connosco...
O que fazemos pelos outros, permanece e é imortal!"

Será que é possível?

Ontem no parque
Vi uma pessoa a voar
Será que é possível
Um peixe poder andar?

Já vi uma pessoa
Dar mil cambalhotas
E um elefante
Com as trombas tortas!

O sol vive na noite
A lua vive de dia,
Mas como é que a tristeza
Vivia em alegria?

O meu amigo André
Está sempre a falar!
Será que um dia
Ele se vai calar?

Patrick, 5ºD

É tudo mentira!

Agora que tenho vagar
vou contar umas mentiras:
Vi o corrector a brincar
com um marcador a falar

Vi o estojo a cantar
com a borracha a namorar
Vi a janela a dançar
e a porta a ensinar

A cadeira está a fugir
com os alunos a perseguir
A caneta esta a apagar
e o quadro a reclamar

Com tanto para contar
já nos estamos a cansar
e agora para acabar
esta a seguir, vai rimar!

Eu vi um chocolate
que mais parecia um tomate,
depois fui fazer um biscate
e acabei sem o tubo de escape!

João Caeiro e Pedro Ferreira, 5ºD

Virava o mundo ao contrário!

Se tivesse super-poderes, virava o mundo ao contrário! Arranjava as paredes riscadas, acabava com as guerras, construía mais escolas para que todos pudessem aprender a ler e escrever.
Se eu tivesse super-poderes, sentia-me muito bem, por ajudar as pessoas.
Mas o que eu gostava mesmo era de dar a volta ao mundo, para ver de perto todas as pessoas dos outros países.
Francisco, 5ºA

O meu Maior Super-Poder!

Se eu tivesse de escolher um super-poder, escolheria o da bondade.
Esse poder ajudar-me-ía a salvar os necessitados, como os mendigos.. Dava-lhes uma casa, comida e uma vida melhor.
Mesmo as pessoas que já tivessem esse conforto, mas precisassem de outras coisas, cá estaria eu para ajudar.
Se tivesse super-poderes, dava apoio a todos os que estivessem em apuros....

Cleofas, 5ºA

21/02/11

A Kitty está a ficar tão crescida!


E se a deixarem, "cola-se" ao aquecedor!

Com pacotes de leite e caixa de ovos...




...cá está um comboio, em fase de pintura, para a disciplina de História. Mas estas ideias, só a minha grande amiga Sofia Lampreia é que tem.
Ainda bem que temos amigos, que nos ajudam.
Eu sou uma sortuda, pois além dos amigos, tenho alunos fantásticos, que me mimam todos os dias...Assim, não há tristezas, que perdurem, pois esqueço tudo no sorriso deles.

O melhor Super-Poder de todos...

Sei o que estão a pensar, por causa do título...qual seria o meu super-poder?
Bem, quando nasci, a minha mãe queria dar-me só um super-poder, mas o meu pai queria todos os poderes num só...
Por isso, ainda hoje estamos a decidir qual o meu super-poder.
Mas eu já decidi...é o poder de concretizar.
Como funciona?
Peço uma coisa e ela concretiza-se. Por exemplo, quero uma mansão...e ela aparece! É o melhor super-poder, porque também posso ajudar os outros.
Vou contar-vos um episódio, em que pude pôr em prática o meu poder especial.
Reparei num pobre mendigo, perto da minha casa e pensei:"Que pena, coitado!"
Mas logo sorri. E se eu o ajudasse com o meu poder? E foi o que fiz.
Conversei com ele e ele disse-me que nunca conseguira um emprego, porque não tinha as competências necessárias.
Devem estar a pensar que eu lhe ofereci uma escola ou inteligência, mas dei-lhe o poder de pedir um desejo. Ele pediu para poder aprender e, mais tarde, ser feliz, tendo um emprego.
Agora já percebem como o meu poder é vantajoso? Ajuda as pessoas!
Joana, 5ºD

18/02/11

A fábula da Leila!

Ainda se lembram?

Cantiga das mentiras!

Agora tenho vagar
vou contar umas mentiras:
já pelo mar andei às lebres,
e pelos campos às enguias.

Eu sou um triste ninguém
sempre a saltar pelo caminho
nas garrafas levo pão
nos alforges trago vinho.

Botei com os bois às costas
pus o arado a pastar
sentei-me para correr
deitei-me para os agarrar.

Fui ao figueiral às pêras
todo me enchi de pinhões.
Veio o dono das castanhas:
-Ó ladrão, larga os feijões.

Eu vi dois ratos lavrando
a puxar pelo arado
um grilo muito engraçado
ia atrás deles piando.

Com um cão um corridinho
eu vi uma cabra dançando.
Vi um lobo beber vinho
com uma ovelha namorando.

Vi um coelho fadista
a tocar numa guitarra.
Ouvi uma grande artista
que se chamava cigarra.

Vi um morcego com pernas
vi uma lebre fardada
vi as rolas no cinema
vi um tordo na tourada.

Com uma grande barriga
vi um leão bater sola.
Nas costas de uma formiga
já vi um jogo da bola.

Tenho catarro nas unhas
dor de estômago nas orelhas
já me doem os joelhos
de coçar as sobrancelhas.


Recolha de Beatriz Calado, 5ºD

Super-poderes!

Se eu pudesse escolher um super-poder, seria poder ajudar todas as pessoas, que eu visse que não viviam bem, porque não tinham dinheiro ou saúde.
Assim, todos os dias, quando visse uma pessoa a pedir esmola ou comida na rua, ajudava-a a ter uma vida melhor.
Mas como todos nós sabemos, não é só em Portugal que existem pessoas que vivem na rua ou que não têm dinheiro sequer para comer. Em todos os Países há, todos os dias, pessoas a morrer à fome e com doenças, por não terem possibilidade de comprar comida, medicamentos e ir ao médico...
Temos todos de ajudar estas pessoas, porque mesmo que eu tivesse super-poderes não chegava para ajudar o mundo inteiro, pois existem milhões de pessoas nessas condições.
Todas as pessoas deviam sempre pensar na sorte que têm antes de deitarem comida para o lixo ou estragarem tudo o que lhes dão. Se todos ajudarmos um pouco, conseguimos tornar o mundo melhor.
Artur, 6ºG

17/02/11

Dois desenhos importantes...







A fada dos dentes da Sofia, que fez o desenho para enviar à avó. Tem a cara castanha porque andou "a comer chocolate e as bolinhas é porque estava a chover"...O outro desenho é do meu aluno autista...diz que é ele a comer uma maçã e fez o desenho para a Isabel...Vou guardá-lo...foi um gesto de carinho.
Em tempos existiram três leitõezinhos que viviam com a mãe.
Como já eram crescidos, a mãe disse-lhes que chegara a hora de serem independentes.
Assim resolveram fazer as casas onde iriam habitar. O mais calão fez a casa dele com palha! Foi o mais rápido e assim pôde ir brincar.
O irmão do meio fez a casa com paus, também foi rápido até terminar. E foi logo ter com o irmão.
O terceiro mais prestável e inteligente fez a casa com tijolos.
Chegada a noite, ficaram nas casas que tinham feito. O LOBO terrível andara todo o dia a observá-los e estava faminto! Por isso, foi bater à porta do primeiro leitãozinho.
-Toc, toc.
-Sim?- disse o leitãozinho apavorado.
-É o lobo e pretendo entrar. SE não abrires, sopro até a casinha voar.
E assim fez! A casa rapidamentese desfez!
O pobre, coitado, foge para casa do irmão, mas o lobo fez o mesmo...
-Toc, toc.
-sim!? – disseram os leitõezinhos apavorados.
- É o lobo e exijo entrar, se não abrirem, soprarei, soprarei e farei a casinha voar!
ASSIM foi! A casa levanta voo novamente e ambos fogem para casa do irmão, para a casa de tijolos e o LOBO vai atrás deles.
-Toc, toc- Aí está O LOBO A BATER CADA VEZ MAIS ESFOMEADO!!!
-Ora diga?- disse O leitãozinho mais velho.
-É o lobo e exijo entrar, se não abrires, sopro até a casinha voar!
Assim fez, mas a casinha nem se mexe! O lobo olha para a chaminé e pensa que seria por ali que poderia entrar... Sobe ao telhado, mas o leitão, que era bastante esperto, tem o grande caldeirão com sopa a ferver...O lobo cai directamente dentro do caldeirão! Assim que sai, em pânico, foge para o meio da floresta e até hoje os três irmãos vivem felizes, sem serem incomodados pelo lobo!
Pedro, 6ºG

Criei o Mar!

Um dia fiz um mundo...
O nome dele era Mar
Pois eu não sabia
Que nome lhe dar!

No Mar viviam peixes
Que faziam ginástica
A isso chamei nadar...
Eles não conseguiam parar!

Todos os peixes que lá estavam
Eram muito coloridos
Mas havia três que às escondidas brincavam
Esses três eram cinzentinhos!

Adorava esses peixes
Pois eram muito brincalhões
Quando comigo brincavam
Parece que voavam!

Miguel, 5ºA

Peixinho dourado!

Vivia num rio...
E era dourado
Mas veio um dia
Que foi apanhado!

Mesmo preso na rede
Teve muita sorte
Pois com os amigos
Escapou da morte!

Daí em diante
Vive de outra maneira...
Cresceu, Brincou, nadou...
E não cometeu a mesma asneira!

Diogo, 5ºA

Os peixes não dormem nas camas!

Os peixes têm escamas...
Por isso, não dormem nas camas!
São pescados pelas redes
E pelas canas.

Há peixes nos rios,
Nos mares e oceanários...
Os peixes respiram ar
E o meu signo é aquário!

Sardinha que é minha
Carapau que não é mau!
Xareu que não tem chapéu
O Golfinho é tão fofinho...
O tubarão não tem juba de leão...
Cação que canta uma canção
E a baleia, que a todos dá boleia.

Bruna, 5ºA

16/02/11

Caiu o segundo dente à Sofia...



"Quero ser, num sonho infinito
uma duquesa, até mesmo uma princesa,
morar numa casa de encantar,
de chocolate, ou até mesmo algodão.
Ter alegria e fazer magia
com a minha varinha de condão.

Quero por fim ser criança
Hoje, amanhã e sempre,
Numa alegria constante
d'um sonho atordoante."

Patrícia Pereira
Lembrei-me deste poema, por causa das minhas filhas, que adoçam a minha vida e me dão força para suportar tudo.
Ontem, lá conseguimos fazer cair o segundo dentito da Sofia, que quis deixar uma chávena de brincar com leitinho para a fada e um bocadinho de bolacha, pois a fada é pequenina.
Acreditam que a fadinha deixou a marca da sua pequeníssima boca na chávena?
Agora a Sofia não a quer lavar mais, para ver a boca da fada dos dentes! Disse que sonhou com ela. Trazia um vestido amarelo, com brilhantes cor-de-rosa, uma varinha com as mesmas cores e tinha uns sapatinhos tão brilhantes!
Agradeço a Deus, por me ter dado a alegria de ser Mãe.
No dia dos namorados, a Sara também quis "arrancar-me" um sorriso e deu-me uma linda rosa...
É por isso, que olho em frente e não me deixo ir abaixo jamais.
Aliás, apesar dos pesadelos que teimam em pairar por cima de mim, vão acontecendo coisas maravilhosas...que me fazem acreditar que vale a pena.

O Pé de Feijão!


No campo viviam João e a mãe. Não tinham dinheiro, mas viviam felizes a tratar do campo e dos animais deles. Porém, a mãe ficara doente e, por isso, disse a João para vender o boi deles, para comprar os medicamentos...

A caminho do mercado, João tinha à frente o velho interessado no boi e em troca, João teve o feijão do velho. João não teve em conta os medicamentos!

Chegando a casa, a mãe, ao ver o feijão em vez de dinheiro, ficara zangada! Então,pôs o feijão lá fora, atirando-o bem alto no ar.

Ao acordar João depara-se com o feijoeiro gigante do velho! Impressionante! Crescera tanto!

Portanto, João vestira-se rapidamente e fora lá fora.

Decidido a desvendar o mistério, João sobe até meio e vê a fada mais linda de sempre!

Esta oferece-lhe o saco dela.

- Obrigado. - afirmara João, extasiado com a beleza e bondade da fada, ainda sem compreender...

João decide ir até ao fim. Lá em cima estava o gigante a ordenar à galinha preta:

-Põe os ovos de oiro, já!

João, aproveitando a distração do gigante, pôs a galinha no saco. Foi lá para baixo. O gigante foi tirar a galinha ao João, mas ele já tinha cortado o feijão.

Desde então, não passaram mais fome na vida e foram felizes: o João com a mãe.


Rúben, 6ºG

15/02/11

A raposa e o galo!


Empoleirado na árvore, o galo cantava e nisso passa perto dele a raposa!

-Grande novidade, compadre galo- grita a raposa, alegremente- Já foi decretada a lei do governo, mandando acabar com a competição entre os animais e estabelecer a paz geral. Mas ficaria mais contentíssima, se descesses da árvore para te dar milho e abracinhos!

-Esse decreto-lei sobre a paz geral já é conhecido de todos os animais?-interroga o galo.

- Mas é claro! Se não fosse, não estaria a olhar para ti! Está desconfiado compadre galo?

-Nada disso, longe de mim pensar mal da comadre! Mas informo, na mesma! Vêm além dois caçadores, com vários cães! Mas a comadre pode ficar descansada. Com esse decreto, não corre perigo!

A raposa, porém, nem tenta disfarçar e corre a sete pés!

Então o galo grita:

- Anda cá matreira! Mostra-lhes a lei, se és capaz!


Leila, 6ºG

Sentimentos e...Preposições!

De amor
Para o terror,
Por dedicação
Perante a solidão!


Antes amar
Do que odiar

Com amor
Sem temor

Sobre as tuas mãos
Coloco meu coração

Após a destruição
Vem a compaixão!

Selma, 6ºG

A raposa e a cegonha


A raposa e a cegonha tinham boas relações e pareciam ser boas amigas. Certo dia, a raposa convida a cegonha para jantar e, por brincadeira, coloca na mesa a sopa, no prato mais raso de todos!

A cegonha sai de casa da raposa com tanta fome! Decide, por isso, vingar-se. E então convida a raposa para jantar e ela aceita.

Ao sentarem-se à mesa, o jantar estava dentro de dois jarros altos, de pescoço comprido e boca estreita! Neles, a raposa não podia colocar o focinho! Só se safava a lamber a parte externa da jarra! E a cegonha disse:

-Não me arrependo de nada! assim sentiste no próprio estômago, exactamente como me senti ontem!


Mariana, 6ºG

O anel dos desejos...

Um casal de lenhadores vivia com muitas dificuldades. O pobre homem saía de manhã cedo e regressava à noite, farto de trabalhar. O dinheiro nunca lhes chegava para nada!
Certo dia, na floresta, enquanto rachava lenha ouviu uma voz misteriosa que dizia:
-Tenho visto a tua luta, acredita que tudo vai mudar!
O lenhador, incrédulo, tentou descobrir de onde vinha a voz, mas apenas descobriu um anel brilhante no chão... Apanhou-o e voltou a ouvir:
-Sou um anel mágico...Pede três desejos.
O homem pediu riqueza e beleza.
-Agora vai para casa e oferece o anel à tua mulher. Atenção que só te falta um desejo!
O lenhador assim fez e, mal colocou o anel no dedo da mulher, tornou-se mais bonito!
A mulher nem queria acreditar! O marido explicou-lhe tudo e disse-lhe que iam ficar ricos. Então, a esposa aconselhou:
-De que serve a beleza e o dinheiro sem saúde?
O marido acalmou-a, pois ainda podiam pedir isso. Olharam para um baú no canto da cozinha, cheio de moedas e ouviram novamente a voz:
-Como prometi, a vossa vida nunca mais será a mesma e terão sempre saúde.
Jocelina 7ºC, Melissa 5ºF e Sara 6ºF, PLNM

13/02/11

Aniversário do Martim!


Ao menos que as meninas tenham conseguido esvaziar a mente de preocupações! Depois das pinturas faciais, levei-as a passear junto ao Seixal...É que não está fácil, ultimamente!
E para ajudar...o meu 5ºA não se portou nada bem no teste!
Eu adoro a minha Mãe
Ela muito me ensinou...
Tem uns lindos olhos cor de terra

Brilhantes e lindos como o Sol!


Tem o cabelo encaracolado
Castanho e maravilhoso...
Eu adoro a minha Mãe
Tão linda e tão formosa!


O meu pai
Que tanto faz por mim...
Tem olhos cor da noite
É o meu aconchego.

Meu irmão
Muito me mudou
Mais feliz me tornou
Embora um pouco chato
Isso não me transtornou.


João Caeiro, 5ºD

11/02/11

Lavadeiras!

"Três corpetes e um avental...que a freguesa deu ao rol..."

Profissões antigas!

Conhecem esta? Esquecemos a letra U!


Conhecem a história do asno que se farta de trabalhar para o dono? Longos anos trabalhara para o moleiro, transportando pesados sacos de grão! Mas agora estava velho e cansado e o dono jamais lhe voltara a dar de comer, pois pensara que o asno não lhe serviria para mais nada!
Porém, o asno não tencionava morrer à fome e pensara escapar.
"Irei para Bremen, a cidade dos bateristas, dos cantores...Já não posso trabalhar, mas posso tocar!"
Ao longo do caminho, dera de caras com o cão desanimado e cansadíssimo!
-Conta lá...Tanto desânimo...Diz-me depressa, a razão.
-O patrão acha-me velho, para a caça. Ambiciona matar-me!
-"Irei para Bremen, irei ser actor", disse-lhe o asno, "vem daí comigo e assim formaremos a grande banda!"
-A ideia é linda - disse o cão. E os dois lá vão a caminho de Bremen. Três horas depois, encontraram o gato com os olhos cheios de lágrimas.
-"Conta lá a razão dessa tristeza!"
-A dona acha-me velho e já não consigo apanhar ratos, por isso a minha dona quer afogar-me!"
-"Vem para Bremen connosco"- propôs o asno.
-" Tocarei gaita-de-foles, o cão tocará tambor e o gato estará nas maracas!"
O gato adorara a ideia. Mais adiante, viram o galo , ele estava a gritar em cima da cerca.
-"Ora diz-me o motivo de tanta aflição?"
-Eles acham-me velho e, no domingo, vão assar-me no forno"- disse o galo, aflito.
-"Vem para Bremen connosco"- propôs-lhe o asno. "Tens bela voz e nós sabemos tocar. Formaremos a grande banda!"
O galo adorara a ideia.
Mas a cidade ainda era distante e a noite já começara a cair.
Cansados e esfomeados, resolveram abrigar-se. Ao lado da estrada, havia a tal casa, certamente abandonada, mas tinha a janela do canto a brilhar!
O asno devagar aproximara-se da janela e… Estava lá o bando de ladrões, “o Assaltante”, sentados à volta da cama cheia de comida.
Resolveram inventar o grande plano.
O cão trepara para o dorso do asno, o gato para o pescoço do cão e o galo saltara para cima do gato.
Com o asno a comandar, começaram todos a cantar e, com apenas a táctica do salto, entraram na casa, partindo a janela.
Apercebendo-se do terrível estrondo, os ladrões pensaram tratar-se do monstro das lendas. Escaparam apavorados, deixando para trás a mesa com tantos doces!
Os amigos pregaram-lhes boa partida. O plano realizara-se na perfeição!
Comeram tanto… pensar na viagem para Bremen, nem pensar… e permaneceram felizes e contentes na casa abandonada à beira da estrada o resto das vidas!


Gonçalo Cavaco, 6ºG

O cágado ganha à lebre!


A lebre já tinha avisado o cágado e iriam correr desde a casa do cágado até à casa da lebre, todos pensavam e mal sobre o vitorioso: a lebre iria ganhar ao cágado. E na tarde mais bonita do ano, foi a corrida entre a lebre e o cágado.
O coelho dera a partida da corrida:
- Atenção… preparar… partida!!!!!!
E começaram os dois a correr, melhor dizendo, a lebre corria e o cágado andava devagaríssimo.
A meio da corrida, a lebre pára a descansar e adormece!

Aproveitando-se disso, o cágado passa à frente, e sem a lebre se aperceber já o cágado tinha passado a meta. Foi uma decepção para todos.



Fábio Fouto, 6ºG

Um cenário para uma obra...







6ºG

Mais um trabalho do Gonçalo Cavaco!

Texto com preposições!

Ricardo ia nascer...
Estavam todos inquietos,
Perante o acontecimento!
E até os mais sossegados,
Com o pai estavam preocupados!

Quando cresceu, era muito namoradeiro
Pois desde pequeno era muito bonito!
E após algum tempo
Começou a ser barbeiro
Ante o filho, o pai ficou muito orgulhoso!

O Ricardo, para o pai ficar ainda mais orgulhoso,
Fez um corte à maneira
Sob uma grande tensão nervosa, o pai a custo se acalmou!
Sem medo, o Ricardo lembrou-se de fazer um bolo em forma de coração.

Fábio Fouto, 6ºG

10/02/11

O meu serão...hoje!


Materiais: Cartolina e pacote de leite.
Depois de muitas tentativas e de imprimir várias maçãs...conseguimos isto e tivemos de eliminar parte dos membros! É que não cabiam na árvore!

Para sorrir...ou talvez, não!

09/02/11

Os três leitões!

Sim...não é a história dos três porquinhos, pois tenho de escrever a história sem a letra U!
Então cá vai:
António, João e Pedro eram três leitões. Resolveram fazer as respectivas casas. O António ia fazer a dele com palha, mas o João disse:
-Vamos fazer as casas com madeira! É melhor!
-Não!
-SIM!
-NÃO!
-SIM!
Pedro ao ver os dois irmãos gritar, disse:
-Grande ideia! E se vocês os dois fizessem casas diferentes? António, fazes a casa de palha e o João, fá-la de madeira!
-Ok-gritaram os dois ao mesmo tempo.
Passadas três semanas, a casa do António, do João a do Pedro estavam prontas! A do João, era de madeira, a do António, era de palha, mas a do Pedro era de tijolos.
De repente, na casa do António aparece o lobo Dionísio e diz:
-António, abre a porta!
-Não, Dionísio, és o lobo mais feio, gordo e malvado do planeta!
O lobo irritado com essas palavras, sopra e a casa foi pelos ares.
António corre para casa do irmão:
-O lobo Dionísio vem aí, para nos comer.
-João, António, abram a porta! Se não...Ah, Ah, Ah, irão para a minha barriga!
Dionísio sopra e a casa vai pelos ares! Ambos os leitões correm agora para casa de Pedro:
-Abre a porta, se não vão direitinho para a panela!
-Nem penses, nós não vamos abrir a porta!
Então Dionísio sopra três vezes, mas a casa nem se move!
-Entro pela chaminé!-afirma convencido o lobo!
Nisso, António põe a panela a ferver e Dionísio aterra em cima e é a vez dele voar pelos ares!
Patrick, 5ºD

Só tu!

Só tu...
Desde então
Nunca mais
Saíste daí
Sozinha a ver televisão!


Até que um dia...
Trás! De tanto ver televisão,
Até caíste para o chão!


Depois só ouvi
Tinoni, tinoni
Era a ambulância
A chegar
Tu ainda no chão
A dormir e a ressonar!


E aí foste para o hospital,
Entre dois doentes,
Eu fui contigo e fiquei
Mesmo à tua frente!


Algum tempo depois
Tu e eu, só nós os dois...
Em casa finalmente,
E tu como sempre
A ver televisão novamente!

Rogério, 6ºG

08/02/11

O vento sem horário!

A que horas passa o vento?
Das 9:00, até às 10:00
Que parvoíce!
Na escola eu estou, nesse momento.
xxxxxxxxxx
Agora, perante o vento
Vou dizer-te...neste momento
Após esta hora, não vais ter horário,
Vais estar sempre em movimento!
xxxxxxxxxxx

Estou contra ti
Vou estar muito cansado!
Olha para ti,
Estás aí parado!
xxxxxxxxxxxxxxxxx

Ao contrário de mim
Não tens horários a cumprir
De vez em quando penso coisas sobre ti
Uma delas é que só te sabes divertir!
xxxxxxxxxxxxxxxx

Isso é mentira!
Agora tenho de ir...
Já não quero falar contigo, tenho deveres para cumprir
Ou sem a PSP posso ficar!

xxxxxxxxxxxx

Agora vai mal-educado
Desde que te vi, estou mal-humorado
Entre as árvores, já ali,
Vou fazer o meu trabalho...sem ti!

xxxxxxxxxxxx

Para não te esqueceres de mim
Em tua casa vou deixar
Um jarro com jasmim
Para a tua casa decorar!

xxxxxxxxxxxxx

Sob o móvel da entrada
Uma rosa vou deixar
Para a tua linda mãe
Para ela se animar!
xxxxxxxxxxxxxx

Muito obrigado, senhor vento
Em todo o sítio que passar
Incluindo este momento
O vou sempre abraçar!

xxxxxxxxxxxx

Sem problemas, sem dilemas
Agora o vou deixar
Amanhã nos veremos,
Por aí vou andar.

xxxxxxxxxx

Em vez de me abraçar
Começa a saudar-me,
Adeus até amanhã...
Com alegria te vou deixar!

Gonçalo Cavaco, 6ºG
Quando eu me encantei,
Com aquela menina gira...
Apreciei a sua beleza,
Sem parar de olhar para ela!


Fui falar com ela e
Dizer que a amava,
Ela aceitou com
Uma voz encantada!

Assim que aceitou,
deu-me um beijo na boca...
Com todo o seu AMOR!

Leonardo, 6ºG

Escrever com Preposições!

Estou perante a minha fofa directora de turma...
E estou sobre o chão!
Sem asas estou voando...
Contra a minha tristeza batalhei.

Estou ante o mar...
Desde que cheguei.
Após o pôr do sol,
Aqui com a minha alma fiquei!

Fascinado com o brilho do teu cabelo
De cordões de cor de milho cozido
Trás! Tive que levar uma velinha
para acordar para a tua beleza!


Cristiano, 6ºG

07/02/11

" A Menina do Mar"

Era uma vez um menino que vivia numa casa branca e o seu maior passatempo era ir brincar na praia.
Uma vez viu uma coisa extraordinária, belíssima e até bastante engraçada! Viu uma menina a dançar com os seus três amigos: o peixe, o polvo e o caranguejo. A partir desse dia criou-se uma grande amizade.
O menino começou por lhe trazer uns objectos, para lhe explicar os sabores da terra: uma rosa, fósforos e vinho. O rapazinho da casa branca também lhe ensinou o que era a saudade.
Um dia a Menina do Mar, era assim que chamavam à menina, quis ir com o menino conhecer a terra.
Mas os grandes búzios contaram tudo à Raia e ela teve de se separar do menino.
Ele ficou triste. Mas um dia recebeu uma mensagem e um golfinho levou-o para junto dela, com a ajuda de uma poção, que permitiu ao rapazinho poder viver na água como um peixe.
A Raia foi castigada pelo rei do mar, Neptuno, e todos viveram felizes.
Rita Nunes, 5ºA

A minha vida é um milhão de emoções!

Perguntam-me qual a pessoa mais importante para mim...Isso é muito fácil. Nenhuma, porque é toda a gente que está ao meu redor.
Devem estar a pensar...como é possível ser tanta gente?!
Simples, essa gente toda ajuda-me a melhorar os meus comportamentos, a minha forma de ser, digamos...ajudam-me em tudo!
E eu consigo ser feliz, ter toda esta gente ao meu redor, faz-me sentir feliz e sonhadora...voar como um pássaro, nas asas da imaginação!
É um sonho viver assim, em comunhão com os outros...Mas depois há os grupos de amigos, o grupo turma, o grupo família. Esses grupos também são importantes para mim...Mas se querem saber...ao fim desta escrita toda...a pessoa mais importante da minha vida é a minha MÃE! Essa sim, ajuda-me em tudo e muito mais...e principalmente porque sei que eu sou a pessoa mais importante do coração dela.
Adoro-te Mãe!
Joana, 5ºD

Agradeço por ter uns pais tão bons...

As pessoas mais importantes da minha vida são a minha mãe e o meu pai. Os meus pais são as pessoas mais importantes, porque estão sempre comigo e só por isso já são as pessoas mais importantes para mim, em todo o mundo.
Foi com eles que aprendi quase tudo o que sei e, sem eles, a vida não seria tão alegre e colorida.
Não tenho irmãos e, por isso, tenho sempre toda a atenção e carinhos.
O meu pai é simpático e alegre e, quando estou com ele, sinto-me sempre protegido.
A minha mãe é alegre e divertida...tão carinhosa, que devia receber um prémio Nobel por me tratar tão bem.
Os meus pais fazem-me sentir a pessoa mais feliz do Universo e, mesmo que existam extraterrestres, nenhum deve ser tão feliz como eu.
E por tudo isso, agradeço pelos pais que tenho e por ter uma vida tão alegre.
André, 5ºD

Família do Coração!

As pessoas mais importantes da minha vida, quem são? Hoje, as pessoas mais importantes da minha vida são umas, amanhã, podem ser outras. Hoje, as pessoas mais importantes da minha vida são a minha família. A minha família inteira. Pois, porque a minha família não são só os meus parentes. São os meus amigos do coração. É a minha turma. São os meus professores. São as pessoas da minha antiga escola, da qual tenho muitas saudades.
Dos parentes, tenho saudades da minha prima, da mesma idade que eu.
Tenho saudades da minha bisavó, que morreu, quando eu era pequena. Tenho saudades de Évora e Serpa, onde estão alguns dos meus tios e primos. Sobretudo, tenho saudades das pessoas imaginárias e até das coisas, com que sonhava em pequena.
E tenho um mar de saudades do meu avô, que está a trabalhar em São Tomé e Príncipe.
Beatriz Calado, 5ºD

06/02/11

Mais uma história sem U, mas não a da lebre!

Estava o dia mais maravilhoso de todo o verão e o coelho foi à colheita semanal de ervas e coisas rijas. Foi à colheita e cabeça no ar como ele é, deixa a porta aberta.
Por ali passara a cabra, que aproveitara a porta aberta para tomar posse do terreno.
Depois do coelho voltar da colheita, observara a porta e esta, estava fechada e vira algo lá dentro a mover-se!
O Coelho, então, tenta falar com a coisa má, mas recebera como resposta:
- Nobre nome recebi, Cabra maltês! Se entrares, faço-te em três!
Desesperado, o coelho foi pedir socorro ao boi, que depois de atento à história, dissera:
-Nem pensar! Isso é perigoso demais!
Então o coelho, experimentara o cão e o gato, mas também eles disseram não!
Triste, o coelho sentara-se em certa pedra e chorava, mas a formiga seria a salvação!
A formiga decide apoiar o coelho e tirá-lo do problema. Foi até casa do coelho e falara com a cabra, mas esta dissera a mesma lengalenga! A formiga entra por debaixo da porta e picara a cabra com tamanha garra e a cabra desaparece a sete pés!
O coelho e a formiga rabiga tornaram-se grandes amigos e acabaram com a algazarra da cabra, festejando na melhor festa de chá do dia.
Joana, 5ºD
Além de ser um óptimo exercício de treino e atenção, de criatividade e escrita, a história da Joana é excelente para rever o Pretérito mais-que -perfeito!
A mim, parece-me não haver a letra U...mas se nos escapou algum U...avisem, como um leitor atento descobriu há dias.

Sem U!

Certo dia de Fevereiro, ela, a lebre dizia:
-O cágado não anda nada, corro mais!
O cágado dizia:
-Achas? Estás é convencido!
-Vamos correr amanhã?
-Está bem, veremos afinal se és o maior!
Na hora da corrida, a lebre gozava:
-Vais perder, vais perder!
A corrida vai começar...Atenção, 3, 2 e...já!
A lebre já ia a meio e aproveita para descansar...Não contava era adormecer!
O cágado passa devagar pela lebre e já na meta diz:
-Ganhei! Ganhei! Mandem vir o champagne, rápido, rápido!

João Santos, 5ºD

A lebre e o cágado...sem U!

Sinceramente toda a gente esperava a mesma coisa, na corrida da lebre e do cágado, mas...
A lebre e o cágado iam fazer três assaltos:
-Preparados?
-Prontos!
A lebre corre a sete pés, já o cágado corre a dez dedos...
A liderar a corrida, via-se a lebre já sem folêgo...
-"É melhor ver onde está o cágado...Ah...ainda está longe! Aproveito para descansar!"
Perdendo a noção do tempo, a lebre dormia...e passara demasiado tempo, por isso, o cágado passa a liderar a corrida.
Cinco dedos, cinco dedos...mais vinte dedos e o cágado alcança a meta final!
Afinal, nem sempre é como se pensa!

Beatriz Folgado

04/02/11

Parabéns, Gonçalo!

O Gonçalo Cavaco foi o primeiro a apresentar o seu trabalho, na aula de Formação Cívica e creio que iniciámos hoje uma nova dinâmica nas aulas, que irão ser mais ricas, mais diversificadas e produtivas, porque o trabalho é deles e...todos querem fazê-lo bem.
Além da música :"Somos iguais, diferentes", que há alguns dias publiquei no blog, o Gonçalo apresentou um PowerPoint sobre o que é ser voluntário...e saiu-se muito bem. Espero que a mensagem lhes tenha chegado, pois no que diz respeito a valores a minha Direcção de Turma anda a desiludir-me muito.
Parabéns, Gonçalo.

Hoje... em Formação Cívica...

Quem é o escritor deste mês?


Tem três nomes o seu nome.
O do meio é uma flor...
Escreveu para crianças,
Dedicou-lhes muito amor.





Na sua obra há palhaços
Sol e estrelas a brilhar.
Há gatos e passarinhos
E meninas a cantar.


Texto da professora Eunice Marques

03/02/11

Que parva que eu sou!



Há dias em que nos sentimos assim! E hoje é um desses dias!

As pessoas mais importantes da minha vida...

As pessoas mais impotantes da minha vida são a minha mãe, o meu pai e a minha professora dos anos passados.
A minha mãe, porque é ela que me dá muito carinho, beijinhos e miminhos. Ela é o meu "panda fofinho". Gosto muito dela e ela de mim.
A minha mãe é muito feliz e adora-me.
O meu pai é muito querido para mim e ele faz-me todas as vontades, mas eu não lhe retribuo o carinho e a amizade que ele merece.
Ele é engraçado, mas ,às vezes, só tem piadas "secas". Por fim, a minha professora. Dizia sempre que quando viesse para esta escola, não ia ter saudades dela, mas agora tenho muitas saudades dos castigos e sorrisos dela.
João Mateus, 5ºD

Os Amores da minha Vida!

Uma das pessoas mais importantes da minha vida é a minha avó, Perdónia. Tem uma cor de chocolate, um sorriso de mel e tem estrelas, em vez de olhos...
É um espectáculo de amiga, penso nela quando estou nas nuvens! É mais doce que um caramelo, o ombro dela é o meu amparo.
Outra pessoa deveras importante, é a minha mãe cor de terra, com sorriso semelhante ao da minha avó. Uma mulher com M grande.
A minha mãe é a minha fonte de chocolate.
Márcia, 5ºD

02/02/11

Pessoas que marcaram a tua vida!

A minha bisavó Julieta foi uma pessoa muito especial na minha vida, nunca a vou esquecer: era muito parecida comigo psicologicamente, pois adorava animais, principalmente gatos! Tinha lá sempre um ou dois. Também adorava fazer quadros, pois tinha muito jeito para desenhar. Era muito carinhosa e gentil.
Para a minha mãe foi como uma mãe verdadeira, pois a minha avó estava sempre a viajar e não podia levar a minha mãe e os meus tios. Quem tomava conta deles, era a minha bisavó.
Adoro-a e jamais a esquecerei.
Mariana
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
A pessoa que me marcou mais, foi o meu avó, porque desde os meus três anos, todos os dias ia para casa dele, pois a casa dele era em frente à minha antiga escola.
Ele ficou na minha vida, porque ele me levava à escola e no final das aulas, íamos brincar e passear.
O mais fixe era que ele morava dentro das muralhas do Castelo de S.Jorge, em Lisboa.
O meu avô levava-me ao castelo, jogava à bola comigo...era mesmo simpático e meigo.
Era ele que me levava sempre à paragem de autocarro e, quando não podia, era a minha avó, mas eu começava a chorar, porque tinha uma grande ligação com o meu avô.
Essa ligação terminou com a morte dele, fiquei muito triste e chorei durante muitas noites!
Foi por isso que escolhi o meu avô, para escrever este texto, pois vou guardá-lo no coração, para sempre.
Pedro

01/02/11

As palavras mais necessárias...

Antes de ler o texto :"O País das cem palavras"...pedi-lhes que escrevessem nos cadernos as vinte palavras que consideram mais importantes e necessárias.
Surgiram muitas, aqui fica o registo de algumas:
Educação;
Se faz favor e obrigado;
União;
Obediência;
Alegria;
Família;
Amor;
Respeito;
Inteligência
Criatividade
Honestidade
País
Ideias
Milagre
Silêncio
Desculpa
Sentir
Esperança
Recordar
Sorrir
Exprimir
Ajudar
Solidariedade...
Mas também houve quem escrevesse palavras, que tive dificuldade em perceber, como horroroso, estranho e feio...A menina também não me soube explicar...disse apenas que sentia essas palavras dentro de si! Acrescentou que, por vezes, fazemos coisas horrorosas, que não gostamos de fazer.
E para ti, quais são as palavras mais importantes?

Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"