"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

29/06/11

A alegria nasce de pequenos gestos...

A felicidade é feita de pequenos momentos...Hoje tive um dia desses, que vou guardar no coração para sempre: foi feito de poesia, sorrisos e partilhas.
Estive com algumas das pessoas que mais adoro, no momento...e é isso que vale a pena viver.
Obrigada...a três pessoas muito especiais.

27/06/11

Quem nos quer adoptar?

Somos três gatinhos bebés: dois meninos e uma menina...e precisamos de donos. A minha amiga Sofia já arranjou um lar, para o gatinho branco...Que bom!

26/06/11

Vamos lá mentir?

A professora zangada
Deu-me um beijinho
Portei-me mal
Ganhei um rebuçadinho.

Vi um lobo a beber vinho
E um homem a uivar
Fui a ladrar pedir ajuda
E vi um cão a chamar.

Vi uma lareira a rugir
E um leão a queimar
Mas que coisa mais feia
Desta vez não vou ajudar.

Vou tentar não mentir
Pois isto já me está a enervar!
Mas vi um galo a rosnar
E um homem a cacarejar.

Olha ali uma libelinha
E um porco a nadar
Fui dar milho aos pombos
E vi um macaco a sonhar!

Vi um peixe na terra
E um boi no mar
Uma vaca a voar
Com uma ovelha a tocar.

Vi uma lebre albina
Dentro de uma garrafa
E um burro nas costas
De uma soberba girafa.

Um dia vi um boi a lavrar
Um grilo a pastar
Uma raposa namorando
E um camaleão a dançar.

5ºA

25/06/11

Onde andam as férias?


Não me lembro de desejar tanto as férias, como este ano! Também não me recordo de sentir tal cansaço...de escrever e redigir e sentir que a papelada não se acaba!
Viajando no tempo, quando terminou o ano lectivo anterior, lembro-me dos alunos do 6ºE e das suas festas de despedida, de muitos abraços sinceros, de os ver a chorar, agarrados uns aos outros e aos professores...Ainda consigo ver os alunos dos Percursos Alternativos, felizes a ver um filme, na última aula, a oferecerem-me desenhos e dedicatórias, a despedirem-se, um por um. Nem um só se foi embora, sem uma frase carinhosa, um beijinho, um sorriso triste...Este ano, foi diferente.
Mas não vou falar disso, para não me decepcionar. Ontem, foi um dia bom. Senti-me valorizada e recompensada, como ainda não me tinha sentido este ano...E contudo, acho que trabalhei mais ainda...e nunca mais acabo as tarefas! Quero terminar tudo, para sentir o gosto das férias...que estou mesmo a precisar.
Onde andam as férias? Parece que nunca mais chegam!
As aulas terminaram há poucos dias, mas parece que foi há muito tempo! E que as reuniões parecem mais longas e como se fossem mais...nem sei explicar, mas parece que nunca mais me saiu um lápis e uma caneta da mão ou o teclado do computador!
Dos últimos dias de aulas, recordo os miminhos do 5ºD...onde ouvi a frase mais deliciosa do ano:" Se mudar de escola, quero que saiba que, foi a professora mais maravilhosa que tive!" Lembro-me do Luís se agarrar a mim com força e que parecia não querer ir embora...Mas só senti esse carinho nessa turma. É estranho, mas nem me lembro se os outros se despediram de mim!

21/06/11

Fizemos "teatro"...



Alguns alunos do 6ºG apresentaram "As aventuras de Ulisses" aos colegas da escola e até a alguns familiares, pelo menos os que puderam comparecer, visto o horário não ser muito conveniente, para quem trabalha.
Deixo os meus agradecimentos à mãe da Mariana e do Rogério, que pintaram os meus ciclopes e fizeram as roupas e adereços. Sem elas, não teria sido possível levar a cabo mais esta tarefa, num ano que não me tem sido nada facilitado!
Os alunos estiveram muito comprometidos e empenhados, pareceu-me que se divertiram bastante e esse era o meu objectivo principal. Fiquei contente.
Olhem lá as nossas "roupas". O "Ulisses" tinha roupa de tecido, à maneira da época e os ciclopes tinham roupas feitas com sacos de lixo, mas estavam fabulosos.
Uma vez, disseram-me que a felicidade era a chave da vida...e é essa felicidade que tento transmitir aos meus alunos...Ontem, penso que se sentiram felizes e isso basta-me.

verão...


...Chegou o verão, mas as férias, este ano, ainda me parecem tão longe!

20/06/11

Finalista do Pré-escolar!

...com cartola e tudo, parecia uma "menina grande" e eu toda vaidosa, claro!

19/06/11

Voleibol: Sara


E agora com três gatinhos?!

Cheguei agora da festa do Agrupamento...e descobrimos a Kitty, deitada na minha cama, com três bebés! Eu bem desconfiava que ela estava grávida!

17/06/11

Dia do Agrupamento...

É já amanhã...Vamos ter muitas surpresas na escola, o Miguel do 5ºA, a Joana e a Bea, do 5ºD, vão apresentar o sketch:"Bolo Refolhado" e...tenho a festa de encerramento da minha princesinha...Por isso, amanhã é outro dia...de muita correria, como eu gosto!

Piquenique...

Em jeito de despedida, a turma do 6ºG juntou-se toda a tarde no parque do Serrado, comigo, a professora de Matemática e o professor de Educação Física. Após um delicioso piquenique, jogaram futebol com o professor Alfama, brincaram e conversaram muito...na companhia da mãe da Mariana e da mãe do Rogério, que nos acompanham sempre nestas andanças. E...estamos mesmo a terminar...depois de um ano algo complicado, nesta turma, onde se falou ainda hoje na minha aula de Formação Cívica...de bulling.
O que me fica? Apenas e só as boas recordações, que também foram muitas e muitos alunos, que nunca esquecerei. Sou Directora de Turma deles, com muito orgulho, apesar de nem tudo ter sido perfeito. Vários alunos tiveram B, na Prova de Aferição e em 24, tivemos seis negativas...Acho que não nos portámos muito mal, dado que uma das negativas foi de um antigo aluno de Percursos e outra de PLNM.

16/06/11

Catarina e Guida apresentam...

Uma Sereia chegou um dia ao Algarve, não se sabe bem de onde. Instalou-se à beira-mar, descansando de uma jornada que deve ter sido longa e fatigante.
Um Pescador que por ali andava na sua faina viu-a, e admirado com aquela intrusão nos seus domínios, aproximou-se e disse:
- Não sei donde vieste, mas devo informar-te de que tudo isto que vês é meu. Foi o Mar que criou este sítio e eu sou filho do Mar!
Sorriu a Sereia de tal maneira que prendeu o Pescador, respondendo-lhe:
- Venho de longe, Pescador, de muito longe. Aportei aqui depois de muito procurar, e tanto sossego achou que quero ficar.
- Como te chamas? Quem és? - Quis saber o filho do Mar.
- Não tenho nome, Pescador. Sou apenas o que sou, Sereia.
- Bem-vinda sejas então, Sereia, a este local que já é teu!
Foi então que, de longe, se fez ouvir uma voz agreste e rude:
- Não dês o que não é teu, Pescador! Esta terra é minha, foi a montanha que a criou! Eu sou o filho da Serra e tudo o que vês me pertence!
– Assim sendo, Serrano – suspirou a sereia – talvez sejas tu o fim da minha jornada.
- Deixa-o falar, Sereia! Que pode ele e a sua Serra contra o poder de meu pai, contra as ondas sem dono!...
– Ah, ah, ah! - Riu o serrano – Tenta tu subir à Serra! Que poderão as tuas ondas contra a robustez que herdei da minha mãe. Mais poderoso sou eu, que quando quiser, posso criar montanhas dentro do Mar!
Parecia iminente a luta entre os dois gigantes; procurava o Mar acalmar as suas ondas, que cresciam e engrossavam; toldava-se a Serra, agitando as urzes e os pinheiros. Deleitava-se a Sereia com a violência do amor que neles via crescer, mas disse-lhes:
- Não se zanguem! Eu vou esperar aqui que me tragam provas das vossas forças. Mas agora ide, estou cansada e quero repousar!
Lentamente afastaram-se areal fora os dois rivais. Um entrou pelo Mar dentro, o outro subiu à Serra. Iam pensativos, procurando a melhor maneira de convencer a Sereia.
Ela, por seu lado, instalou-se como se em casa estivesse e esperou.
Chegou primeiro o Pescador. Trouxe-lhe o Mar e estendeu-o a seus pés, pintando-o verde suave à bordinha, e azul profundo lá ao longe, dizendo:
- Tudo isto é o meu Mar, e é teu, Sereia!
E a Sereia ficou a olhar o mar, deleitando-se com o seu ondular. Subitamente, ouviu o Serrano:
- Sereia, aqui está: dar-te-ei um trono de pedra lá no alto do mundo. Já pedi ao vento que te embalasse o sono, ao sol que te aquecesse os dias, e às fontes que te refrescassem as horas. Vem comigo e serás a rainha da Serra.
- Chegaste tarde, Serrano! Já me sinto a rainha do Mar - respondeu a Sereia.
Enfurecida por ser rejeitada, a Serra fez rolar enormes rochedos até ao Mar, rodeando a Sereia: se esta não subia à Serra, descia a Serra ao Mar.
O Mar zangou-se, e durante noites e dias, dias e noites, atirou-se contra as rochas, mas não conseguiu desfazê-las.
E assim continuaram até que a Sereia, não sendo capaz de se decidir, transformou-se numa areia tão fina como não há outra igual, recebendo o tributo eterno dos dois eternos gigantes enamorados, umas vezes rivais, outras inimigos, outras ainda grandes amigas. O lugar tem hoje o nome de Praia da Rocha.


14/06/11

Uma exposição de História e Geografia...





Se...

Se o amor e a amizade falassem...
O amor perguntava?
-Para que é que tu serves?
E a amizade respondia:
-Sirvo para limpar as lágrimas, que tu deixas cair.
João Machado, Percursos Alternativos, meu antigo aluno do 6ºD, actualmente aluno da professora Dora.

O Cego e o Moço...

Um cego andava pedindo esmola pela mão de um moço; a uma porta deram-lhe um naco de pão e um bocado de linguiça. O moço pegou no pão e deu-o ao cego para metê-lo na sacola, e ia comendo a linguiça muito à sorrelfa. O cego, desconfiado, pelo caminho começa a bradar com o moço:

– Ó grande tratante, cheira-me a linguiça! Acolá deram-me linguiça e tu só me entregaste o pão.

– Pela minha salvação, que não deram senão pão.

– Mas cheira-me a linguiça, refinado larápio!

E começou a bater com o bordão no moço pancadas de criar bicho. O moço era ladino e disse lá para si que o cego lhas havia de pagar. Quando iam por uns campos onde estavam uns sobreiros, o moço embicou o cego para um tronco, e grita-lhe:

– Salta, que é rego. O cego vai para saltar e bate com os focinhos no sobreiro. Grita ele:

– Ó rapaz do diabo! Que te racho.

Diz-lhe ele:

-Pois cheira-lhe o pão a linguiça,

E não lhe cheira o sobreiro à cortiça?






Mariana, 5ºA

Lenda do Rio Ave!

Diz-se que certo dia, chegou à Serra da Agra uma moça vinda dos lados da Espanha. Desenvolta, jovem e bonita chegou à fronteira, que praticamente não existia, deixou-se ficar com o seu rebanho de cabras, na bela paisagem que a encantava. Diz a lenda que um cavaleiro muito elegante, numa manhã de Sol quando caçava com outros caçadores pelas redondezas ficou como que maravilhado diante da moça pastora. Cumprimentou-a ternamente:
-Bom Dia, linda Cabreira...Tens a luz do Sol no teu olhar.
Ela sorriu, envergonhada e respondeu com voz trémula:
-É dos vossos olhos, Senhor... Eu não valho o vosso cumprimento...
Então o cavalheiro fez sinal aos seus companheiros para se afastarem e desmontou devagar do cavalo, com um sorriso de promessas:
-Ouve, linda Cabreira... por ti, e só por ti, vou abandonar a caça e ficar neste local... para te adorar!
Assim começou mais um romance de Amor, que durou horas, dias, talvez semanas... Cavaleiro e Donzela trocaram as suas juras, como se só eles existissem no Mundo ali os dois sozinhos, recolhidos num recanto paradisíaco da Serra da Agra.
Mas tudo tem um fim, diz o Povo e é Verdade... Em certo momento o Cavaleiro lembrou-se que tinha de partir.
Obrigações importantes esperavam-no decerto:
-Escuta, minha bem amada...
Eu vou, mas voltarei o mais rapidamente possível. Já não posso viver sem ti.
Triste, suspirando, ela apenas confessou:
-Nem sequer sei quem sois... Como vos chamais...
Ele riu, dominador e feliz.
-Pouco importa... Sou o Homem que tu amas e te ama...
Mas se queres saber mais, digo-te que sou o Conde de uma vila próxima que virei buscar-te em breve para o meu palácio. Espera por mim!
-Esperarei até ao fim da minha vida.
E esperou, na verdade, até se secar quase morta de fome e de cansaço e de frio (e de desilusão, também!)
-Preciso de o encontrar, de o encontrar de novo... nem que para isso tenha de ser ave e voar...
E chorou. Chorou tanto, tanto, que o caudal das suas lágrimas se transformou depois num Rio e esse rio foi banhar a Terra daquele que a abandonou: "Vila do Conde".
E o bom Povo quis perpetuar para sempre, com toda a justiça, o amor desgostoso da moça pastora.
Por isso, deu à Serra onde ela vivera a sua grande paixão o nome de Serra da Cabreira e já que ela queria ser ave e voar passou a chamar ao Rio da Vila Conde Rio Ave...



Braima e Cleofas, 5ºA

13/06/11

Um Planeta às avessas!

No tempo dos dinossauros, num planeta muito distante, havia uma terra, que estava virada do avesso: as fadas eram más, em vez de serem boas; as bruxas eram simpáticas e até os dragões cuspiam bolas de sabão! Mas que grande confusão, naquele planeta!
Um dia apareceu uma fada boa de outro planeta, que reparou que aquele lugar estava uma confusão caótica!
Decidiu mudá-lo e ajudar os habitantes daquele lugar, mas as fadas más...tornaram-se um enorme obstáculo e...logo os seus feitiços, não estavam a resultar!

Este é o início de um texto, elaborado em grupo, no 5ºA. Conseguem imaginar a continuação? Então, fico à espera das vossas sugestões...

12/06/11

E chegamos à parte que gosto menos!

São tantos os relatórios a redigir, que já quase lhes perdi a conta! Avaliar, reflectir, preencher papeladas...A pior tarefa é o relatório de auto-avaliação e as evidências!
Estou a tentar não entrar em pânico e concentrar-me numa tarefa de cada vez. Para ter coragem, penso: as provas de aferição já estão, os testes dos alunos e as grelhas também...o relatório da Formação do Novo Programa de Português, também já fiz...Hoje, redigi os relatórios trimestrais das três turmas, com as actividades desenvolvidas...Mas ainda faltam, os relatórios de Formação Cívica, Estudo Acompanhado, Educação Sexual, Português Língua Não Materna (um por aluno!)...e a papelada da minha própria avaliação...Bem, não há-de ser nada! Mas que já estou pelos cabelos, lá isso, estou!

09/06/11

Ainda o Pata-Paper...

Pois...correu bem, melhor mesmo, é impossível. Passei a tarde com eles e a minha filhota, no Fórum Almada. Ainda tive a sorte de estar com a Sofia e a Lídia, mãe do Fábio e do Artur e, isso, foi muito importante, para mim...porque elas são fantásticas e lindas como os filhos!
Vimos velocidade furiosa 5 e comemos pizza...E não trocaria este dia, por nada.
Obrigada aos "meus quatro meninos" e às mães deles, que me deixam viver estes momentos.
Ainda consegui arranjar equipa para o Rogério e o Rúben e...O Roberto e o Fábio Tavares andaram toda a prova connosco...
Sexta vou estar com a turma toda, algumas mães e alguns colegas, no parque do Serrado...Já estou a sonhar com essa tarde:)))))))

08/06/11

Pata-Paper 2011

Se pudesse ir com todos os alunos, que me pedem...fá-lo-ia com prazer, por isso, é sempre difícil recusar ser a professora da equipa.
No ano anterior, senti-me lisonjeada, porque a primeira pessoa que me convidou, foi o "Edu", um dos alunos, que nunca, nunca esquecerei...Tinha sido professora dele nos 5ºe 6ºanos...e agora já está no 8ºano. Fico feliz, quando alguns alunos continuam próximos, mesmo depois de já não ser professora deles. No ano anterior, foi bom estar com o Edu, o Ricardo e a Inês, do meu querido antigo 6ºD. Escolheram o nome de Sotabol, para a equipa...Adivinhem, porquê.
Este ano, disse logo a todos os meus alunos que iria na equipa do Fábio, porque ele merece tudo. Foi o aluno que mais me apoiou, durante o ano lectivo e, por motivos que nem vêm ao caso, sinto-me muito próxima dele. Por isso, somos "Os Kalibrados" e só espero conseguir que o Pata-Paper nunca mais se lhes apague da memória. No próximo ano...já prometi que iria com uma equipa do 5ºD e...promessas, são promessas.

Kalibrados...

Kalibrados? Não...não são aqueles, que estão a pensar...Refiro-me a uns Kalibrados muito mais especiais e importantes para mim. Estou a falar da minha equipa do Pata-Paper, que se realiza já na 5ªfeira. Estou ansiosa, por esse dia, pois estar com estes meninos é realmente um presente, para mim. O 6ºG, aliás, tem essa capacidade, fazer-me sentir bem...e vamos todos vestir nesse dia, uma t-shirt assim...esta é a minha. Quem desenhou? Fácil, a minha amiga Sofia...que é uma artista, tal como a minha doce Mariana.

03/06/11

A Kitty voltou para casa!

Encontrei-a, deitada nas escadas, toda suja, mas bem. Parece assustada, mas estou tão contente, tão contente, porque as meninas vão ficar radiantes à noite, quando voltarem.

Mais uma perda...difícil.

Esqueci-me de deixar a janela da cozinha trancada e, ao chegarmos a casa, a Kitty tinha desaparecido! Já procurámos por todo o lado e nem sinal da nossa gatinha! As meninas não jantaram e, finalmente, adormeceram, depois de muito chorar...Eu nem consigo dormir...Que semana, esta! Tudo tem corrido mal, ultimamente! Estou cansada, desanimada e, quase, a perder a fé na vida!

02/06/11

Mais trabalhos do 5ºA





Uma aventura com...

animais...


Como vos vou contar, o meu animal preferido é o Golfinho...e tive um sonho muito especial.

Era de manhã, pedi à minha mãe que me levasse ao jardim zoológico, para ver os golfinhos...A minha mãe queria ir só de tarde, mas eu não a deixei em paz, porque tive um pressentimento: o golfinho estava a precisar de mim!

Mal cheguei ao Zoo, dirigi-me ao local onde estavam os golfinhos e reparei que ele estava aflitíssimo! Era um golfinho fêmea, prestes a ter o seu bebé e nenhum dos tratadores se apercebera ainda!

A minha mãe chamou o veterinário e juntos fizemos nascer o golfinho mais lindo do mundo...Eu ajudei num trabalho de parto!

No final, o veterinário observou a cria e a mãe, afirmando que ambos se encontravam bem.

Eu acabei por receber uma medalha de mérito, o que me deixou muito orgulhosa!

Pela primeira vez, salvei um animal, mas não foi um animal qualquer...foi o meu animal preferido!


6ºG

01/06/11

6ºG em Inglês e Formação Cívica...









Faltam alguns cartazes da turma, pois não houve tempo de os concluir...Mas esta é a nossa maneira de dizer:"Feliz Dia da Criança".

Esta é a da Sara e...



...e não resisti a comprar uma para mim, também! É que eu sou uma eterna criança! Talvez por isso, só me sinto feliz rodeada das minhas princesas, das duas sobrinhas, dos alunos ou de qualquer criança...Os únicos seres, que nunca me desiludiram na vida!

Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"