"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

16/05/12

A Gruta misteriosa

Há muitos, muitos anos, havia uma aldeia perto de uma montanha que tinha uma gruta muito escura, onde se dizia que apareciam e desapareciam pessoas. Todos tinham muito medo de se aproximar da gruta.
Certo dia, três rapazes irmãos resolveram ir até lá e resolver o mistério da gruta. Combinaram, então, enfrentar todos juntos e não dizer nada a ninguém o que estavam a pensar fazer. Na data combinada, saíram de casa com canivetes suíços, lanternas, mochilas com mantas, comida, bebidas e uma máquina fotográfica.
Quando chegaram bem perto da gruta começaram a ouvir uns barulhos estranhos, que pareciam o barulho de correntes metálicas e umas vozes que não pareciam humanas. O mais velho dos irmãos encheu-se de coragem e avançou com cuidado até perto da gruta. Os outros ficaram do lado de fora à espera de um sinal para entrarem também e tirarem fotografias da gruta.
Passado uns minutos, o mais velho dos irmãos acenou-lhes e juntaram-se os três e avançaram encostados às paredes da gruta. Um deles deu um grande grito:
- AiiiiiiiiEstão a prender-me o pé! Socorro!
Os olhos apontaram a luz da lanterna para a perna do irmão e ficaram aterrorizados com o que viram: uma enorme serpente enroscada na perna dele!!!O mais velho tirou o canivete suíço do bolso e preparava-se para a ferir, quando a serpente falou com eles e lhes disse que ela estava encantada à espera de um príncipe que lhe quebrasse o feitiço.
Os três irmãos ficaram a olhar una para os outros muito espantados e, depois de lhe fazerem algumas perguntas, ficaram a saber que havia um livro mágico que continha uma fórmula que podia quebrar o feitiço, mas era preciso que um deles lhe desse um beijo ao mesmo tempo que lia a fórmula em voz alta. Nenhum deles queria fazer isso, de maneira que deitaram uma moeda ao ar, a cara ou a coroa, e calhou ao mais novo dos irmãos.
Começaram, então, a procurar o livro enquanto a serpente olhava para os rapazes com uns olhos muito fixos e brilhantes. Debaixo de uma pedra, encontraram uma caixa de madeira, depois uma chave ferrugenta num recanto do tecto e, depois de abrirem a caixa, lá estava o livro. Tiraram-no e repararam que, debaixo, havia muitas barras de ouro!
O mais novo pegou então no livro, procurou onde estava a fórmula e começou a ler em voz alta. Eram palavras muito estranhas:
-Ratatumichamburicabi ratimvivuretrilo ratedominuvico...
Fechou os olhos e deu o beijo à serpente e, quando os abriu, os irmãos ficaram cheios de inveja, porque a serpente se tinha transformado numa beldade cheia de curvas!
Pegaram no dinheiro e foram os quatro para a aldeia contar a aventura que tinham vivido.

6ºA, trabalho de grupo


E dizem que viveram felizes para sempre....

Cartas utilizadas: serpente, carta à escolha, três irmãs(colocaram no masculino), gruta, ousar, medo, livro e tesouro.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"