"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

09/10/12

Memórias de um cão vadio.

                                                  
   Era uma vez, um cão vadio chamado Snoopy. O Snoopy era um cão ainda jovem.                        
  Um dia, quando ele ia a passar no bairro onde crescera, ouviu umas pessoas na paragem de autocarro a conversar, e uma delas disse:
 -Olha só o que diz este panfleto:"Caça ao tesouro: vida ou morte? Descubra você mesmo! Para participar encontre-se na rua número sete de Lisboa, dia vinte e oito de setembro às nove em ponto." Achas que deva participar?
 -Não! Isso é ridículo!-respondeu a outra pessoa.
 Quando o Snoopy ouviu aquilo pensou:"Esta é a oportunidade de ter uma grande aventura! Vou participar!"
 No dia vinte e oito de setembro, lá estava o Snoopy na rua número sete de Lisboa às nove horas.
 Os funcionários começaram a sussurrar um para o outro, e um deles disse:
 -Vamos deixá-lo entrar. Já que não está aqui mais ninguém, dizemos-lhe as pistas em vez de estarem escritas em papéis.
  -Tens razão!-respondeu o outro funcionário.
  O Snoopy começou a caça ao tesouro.
  O primeiro desafio era passar uma ponte velha, quer dizer, super velha! A estratégia do Snoopy foi correr o mais depressa possível como se não houvesse amanhã. Mas, resultou mesmo!
  O segundo desafio era um labirinto de desafios. O Snoopy foi andando, e andando, e andando, até que, viu o primeiro desafio do labirinto era escolher qual a melhor passagem do rio para a outra margem. O Snoopy tinha de escolher saltar por cima dos barris ou das caixas. O Snoopy saltou da seguinte maneira: barril, caixa, barril, caixa, barril, caixa e assim consecutivamente. E, resultou.
   O segundo desafio do labirinto era um pouco estranha, pois era comer duzentos cachorros quentes em cinco minutos. O Snoopy gostou imenso do desafio. Em dois minutos concluiu o desafio, sem problemas.
   O Snoopy saiu do labirinto e foi direto ao local do desafio final, que era encontrar uma agulha num palheiro sem o desmanchar. O Snoopy recordou-se do cheiro de uma agulha. Cheirou durante vinte segundos e encontrou-a. Retirou-a cuidadosamente e completou todos os desafios.
   Chegou finalmente a tão aguardada hora do prémio. Um dos funcionários disse:
   -A tua recompensa vai ser deixares de ser um cão vadio. Vais passar a morar comigo e com a minha família.
    Dito isto, o Snoopy pensou: "É a minha melhor memória e o melhor prémio que podia ter."

                                                                                                                            Inês Capelinha 5º D

Sem comentários:

Enviar um comentário

Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"