"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

10/12/15

Fábula inventada

    Era uma vez um corvo muito maldisposto e rabugento.  Todos tinham má opinião sobre ele, por isso, era também bastante solitário.
     Um certo dia decidiu sobrevoar uns arbustos, mas ouviu um chilrear de um pardal bebé e foi-se aproximando. Quando chegou lá perguntou:
   - Por que razão estás aí no chão, não sabes que corres perigo?
   - Sim, só que a minha mãe foi à procura de comida.
   O corvo, nesse momento, sentiu o seu coração bater descompassadamente como se fosse um relógio acelerado e disse:
   - Se não te importares, sobes para as minhas penas e eu levo-te para o teu ninho.
   O pardal bebé sentia-se tão alegre como quando se vê um fogo de artifício e subiu para as penas do corvo, animado por alguém tomar conta dele na ausência da mãe.
   Já no ninho do corvo, sentiu-se em segurança.
 Moralidade: Nunca julgues ninguém pela sua aparência, mas pelos seus atos

Rodrigo Aguiar, 5ºH, in ficha de avaliação

Sem comentários:

Enviar um comentário

Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"