"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

10/07/17

Acróstico desenhado


Era uma vez um professor muito preguiçoso, que costumava usar um fato muito peculiar, casaco amarelo e calças azuis.
Certo dia, quando este ilustre professor estava a ler um livro à sua turma adormeceu e, como por encanto, apareceu num mundo repleto de magia.
A sua primeira visão foi ver uma rapariga muito bonita chamada Rapunzel e dirigiu-se a ela perguntando:
- Olá Rapunzel, ao vivo ainda consegues ser mais bonita no que na televisão, quero dizer-te que te admiro muito, és uma princesa corajosa.
Sabes, às vezes não compreendo como existem várias histórias tuas, fico um pouco confuso e não sei ao certo qual é realmente a história original.
- Professor muito obrigado pelo elogio, sabe, quem conta um conto, acrescenta um ponto. – Respondeu Rapunzel. E continuou - A verdadeira história começou simplesmente com uma rainha que estava grávida, quando a criança nasceu foi raptada por uma velha má, esse rapto tinha um propósito, essa menina tinha um cabelo mágico, foi levada para uma torre alta, proibida de sair de lá, longe de tudo e de todos. E essa rapariga sou eu, felizmente um rapaz encontrou-me e levou-me à minha mãe verdadeira (rainha).
- Oh!!!! esplêndido – Disse o professor – Bem, gostei muito de falar contigo, mas não posso perder mais tempo, pois tenho muito mais para conhecer.
De seguida o professor viu um escadote mesmo à sua frente, e decidiu subir, entretanto começou a ouvir um sussurro, a cada degrau que subia o som era mais evidente, foi então que ouviu alguém dizendo:
- Socorro!!! Não me pises.
O professor ao ouvir estas palavras, parou e, ao olhar para debaixo do seu pé, reparou que quase ia pisando um pobre grilo.
Este gritou: - Está maluco, senhor professor!!?? Primeiro entra na minha propriedade e depois quase me mata?
O professor reparou que era o grilo falante, e disse-lhe:
- Desculpe senhor Grilo falante, não o vi, sabe, sou um pouco desastrado.
- Bem, não faz mal, eu sei que não fez de propósito.
Entretanto, o grilo bate com o seu chapéu de chuva no escadote e inesperadamente este abre-se fazendo o professor cair.
Ahahah !!!! – gritava o professor, enquanto caía.
Quando deu por si, estava na cozinha do Ratatouille dentro do filme que passava em 4D.
- Olá Ratatouille, sempre quis conhecer-te pessoalmente. Porque razão é que o filme é diferente do que eu costumo ver? – quis saber o professor.
- Sabe todos os contos têm uma história original, mas este filme está feito em 4D para dar a possibilidade a quem o assiste de sentir também as sensações do filme – respondeu Ratatouille.
O professor despediu-se do Ratatouille e, de seguida, foi ver outros contos tais como: O mocho que come ratos, O cego que adora fumar no seu cachimbo, O gato riscado, A boca aberta, O senhor bigodes e o malabarista sem bolas.
Depois de conhecer todas estas personagens maravilhosas, o seu sonho foi interrompido pelo toque intenso da campainha da escola, que tocara para a saída.
Nesse mesmo dia o professor escreveu no seu diário tudo o que viveu no mundo imaginário. E a partir de então o professor olhou com outros olhos para a vida e para os contos tradicionais e percebeu o quanto são importantes estes contos para todas as pessoas porque nos transmitem muitos ensinamentos e momentos deliciosos de imaginação.





Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"