"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

21/02/17

SE EU FOSSE...

   Se eu fosse um lápis, serviria para escrever mil poemas de encantar, mil desenhos de amor, cento e quatro histórias de aventuras e cento e quatro textos mágicos...Mas o melhor disso tudo é que a minha cor seria azul e eu seria cheio de brilhantes dourados e dez fitinhas amarelas de renda penduradas e chamar-me-ia "lazul"...
   O meu sonho seria ser uma grande poetisa de poemas infantis, iria doar os meus textos, poemas e histórias às crianças que precisassem de imaginação e magia no seu coração.
   E pintaria com muita magia desenhos de amor, para aqueles que não têm amor para dar e receber.



Bárbara, 6ºH 

   Se eu fosse uma borracha, seria feita de material reciclado, para não poluir o ambiente.Teria apenas uns centímetros, para ser arrumada em qualquer estojo, para ser de fácil acesso e fácil de utilizar.
   Apagaria todas as ideias que iam contra os direitos e valores humanos.
   Desta forma, os meus pensamentos seriam para perdurar, acabando com os maus conceitos da vida.
   Para concluir, eu seria a borracha que contribuísse para o bem da humanidade.

Rodrigo Semedo, 6ºH

   Se eu fosse um tubo de cola, seria feito de materiais reciclados, para não poluir o ambiente.
   Seria de todas as cores, como se fosse o arco-íris e transmitia, a quem me utilizasse, paz, alegria e felicidade.
   Seria de tamanho médio para ser transportado com facilidade dentro de um estojo.
   Como o próprio nome indica, eu serviria para reatar fragmentos isolados ou unir papel com papel.
   Desta forma, daria uma nova vida, uma nova essência a todos os "bocados" escolares.
   Para concluir, seria um objeto muito prático, essencial a cada aluno.

  
Adriana, 6ºH

   Se eu fosse um lápis, seria brilhante e colorido, da cor da imaginação. Seria da cor da imaginação, para poder escrever histórias criativas e fantásticas, que ficassem para sempre gravadas nos livros e bem guardadas nas cabeças de quem as lesse, pois,  só assim a imaginação iria reinar em todos.
   Por mais que me afiassem, eu não acabaria e a imaginação também não, afinal, é para isso que um lápis serve para escrevermos o que nos vai na cabeça, no coração, na alma.
   Neste momento, estou a escrever a caneta, mas acreditem que me apetecia escrever com um lápis colorido e mágico.

Beatriz, 6ºH


   

Orgulho...

Há um ano atrás, não imaginava que este aluno viesse a escrever assim. São estes progressos que me deixam feliz.
Este mesmo aluno levou o nosso caderno de escrita para casa. Vai apresentar o texto amanhã. Chegou à sala e disse:
- Professora, veja como me esforcei para escrever com letra bonita.
E realmente...fiquei surpreendida! O texto que vai ler à turma é Mar Salgado de Fernando Pessoa.
Quem diz que não se pode falar de Pessoa e de Camões a alunos de 2º ciclo?

Nunca tive tanto orgulho numa turma, em relação ao Projeto de escrita, como tenho no 6ºI. Esse caderno, que anda de casa em casa, é tratado como um tesouro. O Bruno, ontem, também disse:
- Vê professora, coloquei-lhe uma capa, para que não se estragasse...

Se eu fosse uma borracha, seria oval, vermelha e verde, mas não seria uma borracha qualquer...seria mágica, pois conseguiria apagar tudo o que estivesse mal no mundo, conseguiria apagar o ódio, a pobreza, as professoras más, o bullying, os ladrões...Tudo isso, conseguiria apagar, mas seria amigo de todos os que me usassem, gostaria de dar super poderes às crianças, para que não sofressem nem fome, nem maus tratos, nem solidão, nem dor.
Oh, quem me dera ser essa borracha!

Tomás, 6ºI

16/02/17

ESCRITA COM PALAVRAS-CHAVE

Era uma vez uma menina que se chamava Leonor.
Ela gostava muito de ir a uma praia onde havia  muitas palmeiras.
Numa bela tarde a praia estava vazia, viu que estava alguma coisa na areiaperto do mar, quando se aproximou viu que era uma caixa, então resolveu trazê-la para perto do seu cesto, e de repente ouviu barulhos vindos de dentro da caixa. Abriu a caixa e a primeira coisa que disse foi:
-Oh que fofo! É um gatinho!
Já estava a anoitecer e resolveu levar o gatinho para sua casa.
Quando Leonor chegou a casa deu-se conta que tinha deixado na praia o seu chapéu de sol e os seus brinquedos, mas Leonor foi dormir com o gatinho a olhar para a lua. E antes de adormecer disse: O melhor dia de praia de sempre.






Mariana Garcia, 6ºH

14/02/17

O Amor é um abraço!

O amor é...
O amor é doce como um abraço
Abraço que me aconchega
Aconchega o meu Coração
Coração que guarda todos os meus tesouros
Tesouros lindos como tu
Tu fazes-me sorrir
Sorrir só de pensar em ti


Rita e Daniela Coelho, 6ºI








O Amor é belo como o sol
O sol que brilha
Brilha como o teu olhar...
Olhar que me fascina
Fascina-me o teu sorriso
Sorriso encantador
Encantador como o teu beijar
Beijar como um beija-flor
Beija-flor que voa livre e feliz
Feliz é como eu me sinto
Sinto felicidade ao pé de ti!

Giovanna e Daniela, 6ºI

Desenhos de Bárbara, 6ºH, Tomás, 6ºI, Rafa, 6ºI, Rita, 6ºI, Daniela C, 6ºI, Beatriz, 6ºI

Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"