"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

16/06/18

Histórias de Cá e de Lá


O Viajante do Tempo

Olá…Vou contar-vos a minha história, na verdade, a nossa história.
Eu sou do ano 2046 e sou um viajante no tempo. Viajei até 2018… tempos bárbaros! No meu tempo, temos mais tecnologias, somos muito mais avançados…Fiquei muito surpreendido com o que vi em 2018! Sabes, eu vi-te lá, estavas num sítio que… não me recordo!
Vamos começar…Eu viajei porque…porque…olha, não me lembro! Deve ser um efeito secundário…espero…
Quando era mais jovem, no auge da idade, era muito alegre. Só me lembro disso…Afinal, já foi há muito tempo…Credo, há muito tempo!
Sim… Agora estou a lembrar-me… De tanto andar de um lado para o outro fico confuso!
Quando viajei até 2018 soube que a minha mãe tinha acabado de morrer com um AVC. Tentei reanimá-la mas não consegui. Perante tal situação, como podem imaginar, fiquei muito triste e por isso viajei até 2046, para fazer uso de tecnologias impensáveis para o início de 2000.
Não conseguem perceber? Eu explico. Os homens, em 2018, construíam armas com a energia nuclear mas nós aqui, como somos mais inteligentes, usamos essa força para anular as doenças, isto é, colocamos uma cápsula nuclear na coluna e, automaticamente como se de um elixir da juventude se tratasse, deixamos de ter problemas de saúde.
Custa a creditar mas é verdade.
Como estava triste, os meus amigos tentaram animar-me e foi aí que me lembrei… Porque não retornar a 2018 e colocar na minha mãe a cápsula milagrosa dos vivos?
Regressei a 2018, um pouco antes da minha mãe morrer. Ela estava a ser assistida no hospital e foi aí que te encontrei.
Vieste ter comigo e, como enfermeiro, disseste-me que a minha mãe estava muito doente. Fiquei muito nervoso e comecei a chorar. Tirei a cápsula da mala e disse-te o que fazer sem que os médicos descobrissem.
Sem hesitares, confiaste em mim e graças a ti a minha mãe ainda está viva e de boa saúde.
Quando me contavas como a tua vida tinha sido difícil, a certa altura recebeste uma chamada telefónica, dizendo que o teu pai estava muito mal. Foi nessa altura que me pediste para eu ir buscar uma cápsula ao futuro.
Sem demora, resolvi regressar ao mundo da tecnologia mas a caminho a minha máquina do tempo avariou! Pensara que estava tudo normal, mas mal carreguei no botão que deveria levar-me até 2046, dei por mim num sítio completamente diferente…Fui parar a 1346, conforme a máquina do tempo informava! Senti-me tonto e com uma ligeira dor de cabeça e, quando ia sair da máquina, vi-me vestido com um traje de bobo da corte! Tratei logo de arranjar roupa decente, mas o pesadelo continuava…olhei para a máquina do tempo…Oh, céus! Estava toda destruída. Logo pensei que os engenheiros astrofísicos (não, não são astronautas) saberiam como a reconstruir ou, talvez, construir outra.
Tratei de procurar um abrigo e acabei na pocilga dos porcos! Não sei como, parece que me tinham atirado para ali!
Decidi elaborar um plano para construir peças para a minha máquina do tempo. Precisaria de três pneus, um garrafão de vinho (não me perguntem para quê), um pedaço de madeira, vidro e um martelo…Conseguiria encontrar tudo isto? E conseguiria chegar a tempo de salvar o pai do meu amigo?
          Comecei a ficar nervoso e foi aí que ouvi…
         -Olá! Eu sou um porco, mas posso ajudar-te se me abraçares.
         - O quê? Tu falas?
       - Sim, não me ouviste falar? Sou um porco que ficou aqui preso mas, tal como tu, sou um viajante do tempo.
       Eu abracei-o e ele tornou-se um viajante do tempo igual a mim. Ele disse-me que não me preocupasse a procurar os pneus porque aqueles homens estavam a gozar comigo.
        Então, para minha surpresa, o porco, que agora já era homem do futuro, destapou um monte de palha e vi aparecer uma máquina do tempo novinha em folha. Rapidamente entrámos dentro da máquina e, num abrir e fechar de olhos, chegámos a 2046, comprámos a cápsula milagrosa e fomos os dois até 2018 para ajudar o pai do enfermeiro.
      Quando chegámos junto do pai do meu amigo…deixei cair a cápsula do tempo e esta explodiu! Mas essa explosão foi especial, a sala encheu-se de um líquido flutuante com cores vibrantes…Cheirava tão bem…um pouco do líquido entrou na boca do pai do meu amigo e este acordou cheio de vida e alegria.
        O líquido continuou a subir, saindo do hospital e espalhando-se por todo o Planeta! Foi assim que nasceu a primeira cápsula curativa milagrosa!

5ºJ da Escola Dr. António Augusto Louro e 6ºH da Escola Pedro Eanes Lobato


Projeto de Escrita 5ºJ

Quando a professora Isabel no Projeto de Escrita, surgiram um milhão de ideias na minha cabeça...Fiquei ansiosa, aliás, nervosa, pois tantas ideias...
Foi feito um Caderno de Turma que passa de mão em mão, onde os meus colegas foram escrevendo textos.
No início estava cheia de medo, até que as ideias da minha cabeça, queriam saltar para o papel.
Ofereci-me para ser a próxima.
Hoje estás aqui à minha frente. Um caderno com uma folha pronta para receber a minha ideia.
E agora? Escrevo um texto inventado? Ou uma história conhecida? Faço um poema? Ou uma lenda?
Tenho a minha cabeça com um "montão" de ideias, não, um milhão, um bilião de ideias a querer saltar para o papel...
Resolvi não escrever nenhum texto, mas sim um pensamento:

"Podemos escrever sobre tudo!"


Leonor, 5ºJ

Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"