"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

30/09/10

Um poema ilustrado para a Teresa!

Revisão dos assuntos, para a turma G

E cá ficam os actores...




Um diálogo da turma A...

-Ai, Amélia, Amélia...Bons olhos te vejam, mulher. Nem calculas o que me aconteceu...
-Conta, conta depressa, desembucha, mulher...
-Então, não é que fui visitar os meus netinhos e resolvi ir pela serra, por ser mais perto...
-Tu és mas é uma doida varrida! Então não sabes que por aí é muito perigoso?!
-E eu lá sou mulher de ter medos?! Eram mesmo os lobos que me faziam ir dar uma grande volta! Não, não, que eu cá sou muito radical!
-E se um lobo te comia, hein?
-Pois é, mas eu cá enganei-os bem enganados!
-Ai é? Então como é que fizeste?
-Disse-lhes que na volta viria mais gordinha e ainda lhes trazia arroz-doce...
-Só tu para teres ideias dessas! Então e como é que fizeste na volta?
-Ora, muito fácil, enfiei-me dentro de uma cabaça e passei por eles a cantar!
-A cantar?!
-A cantar: "roda, roda, cabacinha, não vi velha, nem velhinha, roda, roda cabação, não vi velha, nem velhão!"
-Mas que história mais mirabolante! Mas deixa-me cá ir à minha vida, que ainda vou à fisioterapia...ai, ai, esta dor nas cruzes, que não passa!
-Até à vista, Amélia...e quando quiseres, podemos tomar um chazinho.

29/09/10

Kitty vai à escola!

Hoje, a nossa gatinha foi ao colégio da Sofia. Ela está num colégio novo e quis mostrar a gatinha aos amiguinhos! A educadora, que é um doce, está a fazer tudo para que a Sofia se adapte bem.
Pediu aos meninos que fizessem uma filinha e todos vieram fazer festinhas à Kitty, meio assustada, no meio de tanta criança, mas a Sofia ficou super feliz, por mostrar o seu tesouro.

28/09/10

E o 6ºG?

Bem...é a minha Direcção de Turma, como já referi. São engraçados e muito meigos...Logo, pela manhã, sou recebida ao portão pelo Claudino, que tem um sorriso que me ilumina o dia!
As aulas estão a correr mais ou menos como gosto, apesar das interrupções do Artur e das muitas distracções...É que muitos voam para outro espaço e "perdem-se da aula"! Vou ter de os fazer descer à terra, para poderem ter melhores resultados...acabar com as conversas entre eles, não vai ser fácil, mas adoro-os e sei que vamos conseguir.
Já houve desentendimentos entre alguns, o Gonçalo Carreira já voltou à rotina do ano anterior, a faltar, porque lhe apetece como referiu hoje ao professor de Ciências...e também não veio à minha aula à tarde... Há alguns que parece que nunca aprendem e insistem nos maus hábitos! Mas não vou desistir de nenhum...Afinal, são "os meus meninos" e quero orgulhar-me deles.
Felizmente, também os tenho lá atinados, que me vão ajudando a voltar atrás nos assuntos, com mais frequência do que o desejável, pois aqueles "sonhadores e visitantes do espaço" estão sempre a precisar das repetições!

E por falar em boas surpresas...

Também na turma A tive uma agradável surpresa...A partir do conto tradicional:" A velha e a cabaça", inventámos um diálogo e descobri dois actores: o Miguel e o Tomás!
É que no final, dramatizámos o diálogo e o Miguel imitou uma velhinha com pronúncia alentejana e o Tomás fazia uma cara tão expressiva, que até dava gosto!
Já combinámos que vão trazer adereços para fazer um teatro mesmo a sério, vestidas de velhinhas a contar o que aconteceu na serra, com os lobos. Até inventaram uns nomes a condizer e tudo...Agora o Miguel quando passa por mim, fala-me num sotaque alentejano.
Que delícia!

Sabe bem receber um trabalho, que não foi pedido...

Sei que todos os anos, há algumas actividades que repito e devem estar fartos de as ver por aqui, mas se há actividades que correm bem, não vejo por que razão não as devemos repetir...Assim, em Projecto de Português, um espaço criado na nossa escola, para o 5ºano, onde brincámos com as palavras, voltámos ao "Abecedário sem juízo", mas só chegámos à letra F.
Uma semana depois, foi com agrado que ouvi o Pedro Ferreira, da turma D, dizer-me que concluiu o trabalho em casa, sem que lho tenha pedido!
Aqui fica:
A é a Alice, sempre a dizer que chatice!
B é a Beatriz, que é uma actriz!
C é a Catarina, que adora margarina!
D é o Daniel, com cara de papel!
E é o Eduardo, que é mau com o dado.
F é o Fernando, que é um grande malandro.
G é o Gabriel, estende roupa num cordel!
H é o Hugo, que já é graúdo!
I é a Isabel, doce como o mel...
J é o João, que viajou até ao Japão.
L é o Leonardo, com cara de leopardo.
M é a Marta, pálida como uma carta!
N é a Natália, amiga da Amália.
O é a Olga, que está sempre de folga.
P é a Paula, a correr para a aula.
Q é o Quim, com cheiro de jasmim.
R é a Rita, que tem uma fita.
S á a Sara, que é muito rara.
T é o Tiago, que se afogou no lago.
U é a Umbelina, que vai à piscina.
V é a Vitória, ai que se acabou a história!
X é o Xavier, que come sempre sem colher.
Z é o Zé, ai que perdeu um pé!
De certeza que o Pedro se divertiu a inventar rimas e que a escritora Luísa Ducla Soares ia ficar orgulhosa, como eu fiquei.
Parabéns, meu querido Pedro

25/09/10

Já cá estou há seis meses!







Pois é...sou a Kitty e cheguei a esta casa há seis meses! Vejam só como cresci! Enquanto a Isabel corrige fichas, eu passeio entre papéis e materiais, pois sou muito curiosa e gosto de me meter em tudo! Faço hoje seis meses...

24/09/10

Um retrato muito completo!

Sou o Pedro Vinhas e tenho 10 anos.
Ando na escola Pedro Eanes Lobato e, apesar de cá estar há pouco tempo, já estou a adorar as aulas.
Gosto muito de jogar futebol, gosto de ir à praia e até já fui à praia no Inverno. Gosto de piscinas, de fazer desporto, de andar de bicicleta e de ir acampar.
Gosto de todas as disciplinas.
Vivo com a minha mãe e com o meu cão Scary. Aos fins-de-semana, vou para casa do meu pai, que vive com a namorada.
Odeio couves de bruxelas e couves normais!
Tenho mau perder e gosto muito de jogar computador.
A minha mãe é simpática, mas quando acorda de mau humor, chateia-se com toda a gente.
O meu cão tem 16 meses e como tem as unhas grandes, está sempre a arranhar-me! Ele faz muitos disparates e também gosta muito de ir à praia, porque nós soltamo-lo e ele corre a praia toda...Ele gosta de comer areia!
Sou muito brincalhão e falador, sou chato e também sou sonhador...

5ºD

Sobre o Werdman...

Sou o Werdman e gosto de miúdas inteligentes e bonitas.
Não gosto de estar fechado em casa, prefiro sair com amigos ou andar a treinar futebol ou de skate...
Odeio que me acordem, mas adoro surpresas!
Gosto de ir à net, ao messenger ou hi5.
Gosto de comer massa com atum e gosto de roupas e sapatos de marca.
5ºD

Mais um retrato do 5ºD

Sou o Daniel Rocha e tenho dez anos.
Faço anos dia um de Junho.
Nasci no hospital de Setúbal, mas fui registado na Amora.
Agora vivo na Quinta do Conde.
Gosto de ajudar o meu pai...Na cozinha, já sei grelhar bifanas, bifes de peru, costeletas e hamburgueres.
Gosto muito de fazer bolos!
Tenho um irmão mais velho.
Também tenho dois gatos: o Tareco e o Lucky.
Nos meus tempos livres, gosto de ver televisão e brincar no computador.

22/09/10

Ser futebolista!

Olá...como estão? Para já, quero ser...esperem, ainda nem me apresentei. Sou o Rúben...Continuando, quando for grande, quero ser futebolista. Sabem como é, dar xutos na bola, marcar golos...a sério, é tipo trabalhar com o Mourinho e até posso vir a ser como o Ronaldo. Grande jogador, não é? Pois!
Adoro esta profissão, porque se ganha dinheiro e melhora a condição física.
Ainda estão aí? Espero que estejam, pois não quero "falar para o boneco"! Adorava tirar um curso daqueles para desportista, " à sério"; é "fixe"!
Experimentem, pode ser que funcione. Acreditem no vosso sonho...
Rúben Cavaleiro, 6ºG

"Quem sou eu?"

Sou o Nelson, um rapaz de coração africano, pois sou oriundo desse lindo continente do sol.
Nasci em Angola, mas já estou cá há 8 anos.
Sou um rapaz muito feliz, por ter os meus pais comigo. Eu adoro-os.
O meu pai chama-se Bernardo e a minha mãe Nilda. Eles fazem-me o filho mais feliz do mundo.
Sou asseado e bem-educado.
Gosto da escola, de aprender coisas novas, mas tenho algumas dificuldades, aqui e ali, especialmente nas disciplinas de História e Matemática.
Sou carinhoso e, por isso, "engato" muitas miúdas.
Gosto muito de mim e de todos aqueles que gostam de mim.

6ºG

20/09/10

Eu e o tesouro !!!!

Um dia fui passear e encontrei um tesouro.
A caixa era dourada e estava recheada de jóias.
Quando a encontrei, levei - a para casa e mostrei -a à minha mãe.
Ela ficou pasmada a olhar até que eu lhe disse que podia ficar com algumas.
Nós brincámos muito aos reis e rainhas e a outras piadinhas.
Assim foi a minha aventura com o tesouro que encontrei enquanto passeava na rua.

Pedro Dionísio, 5ºD

Se eu encontrasse um tesouro...

Muitos pessoas
são gananciosas
só querem dinheiro
para se tornarem valiosas.

Se eu encontrasse o tesouro
distribuía pelos mendigos
para comprarem roupas e comida
e também muitos figos.

Se o encontrasse...
seria profundo
com o dinheiro
acabava com a fome no mundo.


João Mateus 10 anos 5ºD

19/09/10

Frases do dia...

" Quando crescer, quero ser Educadora de Infância, porque as crianças são alegria!"

Diana, 6ºG
" Eu quero ser cabeleireira, porque gosto de arranjar os cabelos das pessoas e inventar penteados lindos e cheios de estilo..."
Nanetchu, 6ºG
(Frases retiradas das fichas de avaliação diagnóstica)

17/09/10

Poema "roubado"!

"Sem inspiração
estou agora.
Tento atiçar a imaginação
mas ela demora.
Não consigo pensar em algo
que faça rimas.
É como querer acertar o alvo
com a flecha apontada para cima.
Não acho um bom assunto
que se organize bem em versos.
Mesmo sabendo que no mundo
há mil assuntos diversos.
Que coisa chata,
não consigo imaginar.
Isso quase me mata,
porque é horrível não poder pensar.

Mas espere um momento,
mesmo não tendo um tema,
se estas frases vou relendo,
vejo que é um poema!"
6ºG

Este poema foi retirado de um blog, criado pela "minha turma" e não resisti a publicá-lo.
Visitem o blog, eles valem a pena! http://goncalocavaco.blogspot.com/

A minha Direcção de Turma!

Vou contar-vos um segredo:
estou completamente encantada, com os "meus" meninos. Parece que os conheço há muito tempo! Sinto-me bem, quando estou com eles nas aulas...São simplesmente fabulosos e já me conquistaram! Sinto que vamos viver uma grande aventura e estou a descobrir alunos fantásticos! Uns muito dotados, outros com dificuldades, mas todos empenhados e motivados.
O Gonçalo Cavaco é um menino de ouro, aquele filho que todas gostaríamos de ter; o Fábio Fouto vai ser o meu "braço-direito", pois foi eleito novamente delegado de turma, seguido da doce Mariana. O Nelson, brincalhão, conquistou uma aliada...Já não passo sem as brincadeiras do Artur, bom aluno, mas "malandreco".
O Claudino, com tantas dificuldades, mas com tanta força de vontade, é um menino delicado.
Tenho a Nanetchu e o Nico, uma delícia...são tantas as coisas lindas, que já poderia dizer...simplesmente fantástica...a minha Direcção de Turma!
Juntos vamos mostrar que o 6ºG é uma turma fabulosa, de meninos interessados, aplicados e muito educados...Obrigada.

16/09/10

Recomeçar...

Recomeçar a escola
Escola nova
Cadernos novos...
Ouvir os professores
Mochila a estrear!
Experiências novas...
Canetas prontas, para escrever!
Apresentação dos professores e...
Reencontro de AMIGOS.
Patrícia, 5ºA

Recomeçar...

Rita catita batata frita!
Estudo na banheira...
Canto debaixo de água.
Oiço música nas aulas!
Macacos a comerem morangos!
Estudar é brincar!
Como bananas, com casca!
Apago os riscos das paredes...
Rio, a lavar os dentes!


Catarina, 5ºA


Regresso às aulas
Estou tão nervoso
Começo a perceber...
Olha, perdi-me na Escola!
Mas que emoção
Estou pronto para começar as aulas...
Começou uma nova aventura...
Aprender é mesmo divertido
Recreio? Cá vou eu, cheio de pressa!
Miguel, 5ºA

A apresentação do Miguel...

Sou o Miguel, tenho 10 anos e nasci dia 23 de Abril.
Durante as férias, gosto de ir a Espanha e estas férias fui lá. estive em Sevilha e fui à "Isla Mágica".
Eu tenho um defeito muito grande, pois não gosto de muitas das coisas que faço.
O meu sonho é fazer teatro e vou participar agora numa peça, mas é segredo.
Tenho um irmão mais novo e adoro brincar com ele.
Tenho muitos animais: dois cães dois pássaros e um gato!
Sou amigo de muita gente e gosto de conviver com esses amigos.

Primeiras aulas no 5ºA...

Sou o Vitor e adoro miúdas!
O meu desporto favorito é futsal, mas também gosto de futebol.
Gosto de fazer surf e de ir à praia...Acho que sou um desportista muito giro!

Olá, eu sou a Patrícia e tenho 10 anos.
Tenho um irmão mais velho, com 17 anos.
Gosto das aulas de Português e EVT.
Quando crescer, quero ser veterinária.

Sou a Raquel e gosto muito de rir e brincar!
Adoro andar de trotinete.
Também gosto de ir para as aulas, de conhecer pessoas novas e de aprender.
Tenho apenas 9 anos e sou a mais pequena lá de casa.

Chamo-me Catarina e tenho nove anos.
Na escola, a minha disciplina preferida é Língua Portuguesa, mas a professora do 1ºciclo diz que sou melhor a Matemática.
Gosto muito da escola e de ler.
Sou teimosa, mas bem-educada.
Sou amiga e não me importo de não ter tudo, que os outros têm.
Ainda não sei o que quero ser, quando for grande.

Chamo-me Ana Catarina e tenho 10 anos.
Tenho um irmão que tem três.
Gosto de "picar" o cartão na escola.
Tenho o defeito de ser gulosa e teimosa.
A minha disciplina favorita é Língua Portuguesa.
Quando for grande, quero ser educadora de infância.

Apresentações...

Chamo-me Pedro e tenho nove anos.
Gosto muito de jogar futebol.
Gosto muito da Joana, por ela ser amiga de todas as pessoas, mas, às vezes, torna-se "chatinha"...mas gosto dela na mesma.
O João é um pouco convencido e isso irrita-me um pouco.
Gosto de todas as disciplinas, principalmente de Língua Portuguesa e Matemática.
Gosto muito das professoras cá da escola.
Estou a conhecer novos amigos, dos quais já gosto muito.
Assim sou eu e gosto muito de ser assim.

Apresentação em verso...

O meu nome é Patrick
Tenho uma irmã chamada Thais,
O meu grande, grande sonho
É ir a Paris!

Eu só tenho 10 anos
Eu nasci no Brasil
Da minha família sou...
O único que come happy-meal!

A minha mãe diz
Que o meu grande dom é a poesia
Eu e a minha família
Vivemos em alegria.

5ºD-Patrick

A Turma D: Quem somos nós?

Quem sou eu?
Ainda perguntam?
Bem ...sou uma pessoa livre, chamada JOANA
com 10 anos de idade
e vivo para aprender.
Aprender, sim
porque agora comecei
uma nova etapa.
Gosto da escola
brincar
cantar
e saltar.
Mas esperem... não pensem que
estou a rimar.
Gosto dos meus amigos,
mas não gosto de discutir.
Agora que contei algo sobre mim
não venham perguntar:
"QUEM SOU EU?".

Joana

Vou falar de mim
Vou fazer este poema
Quero apresentar-me
Não vai ser problema!

Sou inteligente
Um menino irresponsável
Tento ser o melhor possível
Para ser favorável...

Ainda sou criança
Tenho muito para aprender
Quando crescer
Vou saber o que quero ser.

Sou uma pessoa
Contudo, sem dor
Tenham fé...nisso
Sou um sonhador.

Tenho defeitos
Sou chato e sou João
Mas sei que no fundo...
Tenho bom Coração!

João Mateus

Quem sou Eu?

Eu sou o Tomás , tenho 11 anos .
Gosto de séries científicas , gosto de jogar à bola e gosto de ir à praia.
Gostava um dia de ir a Paris e gostava de ser cientista .
Eu sou muito teimoso , às vezes sou guloso e gosto de nadar.


5ºA

Quem sou eu?

Olá, sou o Francisco e tenho 11 anos.
Eu tenho uma irmã mais nova.
E gosto de animais e também sou amigo de todas as pessoas.
E gosto da escola e de passar o cartão da escola.
Eu gosto de Evt.
E eu gostava de ser veterinário.
O meu defeito é ser guloso e também sou teimoso.


(5ºA)

12/09/10

O Ladrão de Palavras!

Há muitos anos, havia um homem que roubava palavras. As nossas melhores palavras. Metia-as, cuidadosamente, num saco de linho e desaparecia. Para ser sincero, na nossa aldeia, que uma sebe de montes abraça, nunca ninguém viu o rosto do homem e ninguém lhe sabia o nome. Mas, pela manhã, as pessoas acordavam pobres. Pobres, sempre mais pobres e tristes.

As palavras, nesse tempo, eram de ouro.

O homem introduzia uma palhinha invisível no nosso silêncio e apartava as palavras. Da mesma arte se servia para desencaminhar palavras dos livros e dos jornais. Não as roubava todas, porque isso daria muito nas vistas. Ele aprisionava as palavras alegres, as mais luminosas, as nossas melhores palavras — e nós sobrevivíamos no meio de palavras sem sabor.

Palavra insípida é como fruto desconhecido do sol.

Cada dia vivido, menos palavras havia para agasalhar a tristeza. Era como se a mãe quisesse fazer um pão-de- e não houvesse açúcar; como se nós fôssemos abelhas proibidas de produzir mel.

Impedidos das palavras luminosas, emagrecia a imaginação: e assim seria impossível pedalar até ao fim dos sonhos. O sonho, na nossa aldeia, era veludo que enxugava a melancolia.

Nós conhecíamos o local onde o homem abrigava o saco da alegria. Ficava num bosque cerrado, nem o sol podia furar a copa das árvores. O bosque estava povoado de cogumelos: engordavam de sombra e de humidade. Alguns cogumelos atingiam a grandeza das árvores!

Nenhum de nós podia ir ao bosque. Entre outras palavras, ele roubou-nos a coragem. Também correu a notícia de que os cogumelos seriam venenosos. Todos os cogumelos, os pequenos — do tamanho de guarda-chuva aberto — e os grandes. Bastaria olhá-los e perderíamos a vida!

Com o andar do tempo, a nossa tristeza transformou-se em nuvem. E essa nuvem, de um momento para o outro, rasurou o sol em quase metade da aldeia: essa parte do povoado ficou sombria como o bosque.

Todos os dias, porque o silêncio era tecido de palavras sem sabor, a nuvem estendia o domínio. Temeu-se uma praga venenosa de cogumelos! Para afastar a maldição, pela manhã, queimávamos rama verde de pinheiro em redor das casas.

Os cogumelos, enfim, não levantaram a cabeça. Mas a nuvem, que medrava com o fumo da rama verde, tinha fome, imensa fome de claridade. Grande parte da aldeia, a dada altura, era noite. A calamidade! A calamidade, provocada pelo musgo verde, muito verde deu o primeiro sinal.

«Estranha doença!», disseram os velhos.

No rosto das crianças da aldeia despontou estranha barba, muito verde e húmida.

Testámos todos os xaropes caseiros e outras mezinhas da imaginação do povo Nada. Nada estorvava o avanço do musgo no rosto das crianças. E também de pouco valia ir ao barbeiro. Ele, com a costas da navalha, limpava a nossa cara, mas, na manhã seguinte, a barba irrompia com mais fulgor.

Os velhos disseram: «Ninguém pode ser homem antes do tempo, é contra as leis da natureza!»

Mandaram chamar o médico.

Não escondeu o espanto, o médico que veio de longe. Primeiro, por ver o dia e a noite no mesmo sítio e à mesma hora. Depois a surpresa multiplicou-se à medida que lhe surgiam meninos barbados e tristes. Apenas observou, com minúcia, uma criança, e achou remédio para rebater o mal de todas as outras. Abriu a pasta de couro, retirou um caderno e a caneta. Escreveu rápido. Entregou a receita, não aceitou o dinheiro da consulta. E partiu a toda a velocidade, como se a nossa doença alastrasse por contágio.

O ladrão de palavras estava junto de nós. Ninguém o viu, mas ele esteve sempre no meio de nós. Adivinhámos a sua presença pelas palavras que a palhinha invisível havia sorvido da receita:

«A sombra misturou-se com a tristeza. Só um , colher vezes dia

, , silêncio.»

A nuvem, nesse instante, cresceu largos metros: porque todos nós, velhos e novos, sem saber o que o médico nos havia indicado, ficámos ainda mais tristes. Mas a última palavra da receita (que o Ladrão terá achado de pouco valor para guardar no saco de linho), abria uma pista. Se descobríssemos o verbo que precedia silêncio, seria desvendado o mistério.

O automóvel do médico havia já dobrado o monte, e foi então, de forma inesperada, que se ouviu o grito:

«É preciso prender o ladrão de palavras!»

O grito atravessou a aldeia, acordou os cães do lado onde era noite, assustou as galinhas da parte onde era dia.

Uma mulher ergueu a voz e os braços na direcção da nuvem: afrontou (afrontar, o verbo que procurávamos) o silêncio. De repente, outros habitantes resgataram a coragem, a palavra coragem, adormecida no bosque dos cogumelos!

A nuvem estremeceu, depois, como bicho do monte, fugiu espavorida. Num instante, o céu ficou leve, azul, imensamente azul. E sol, generoso, bebeu a nossa melancolia.

Em grande festa, o povo partiu à descoberta do bosque. Primeira surpresa: não havia cogumelos gigantes, muito menos venenosos. Mas o saco de linho estava lá, ao pé de um velho medronheiro. Abrimos o saco e o saco nada tinha!

Nesse dia luminoso, verdadeiramente luminoso, no saco de linho vazio prendemos o ladrão da alegria. Ele, afinal, era uma palavra — a palavra medo.


Francisco Duarte Mangas
O ladrão de palavras
Lisboa, Editorial Caminho, 2006

09/09/10

O que para aí vem!

"Herdei" uma Direcção de Turma de 6ºano e, ontem, ao ler os Processos, ao ver os resultados escolares do 5ºano (ou do 6º, pois a turma tem 5 repetentes!), só pensava:"Ai, o que nos aguarda!"
Fazer turmas não é tarefa fácil, mas precisavam de juntar aqui 5 alunos (todos rapazes) repetentes?!
Só 3 alunos foram aprovados sem níveis inferiores a três, há vários com problemas de comportamento, que tiveram direito a estar suspensos, 2 alunos vêm de um Percurso Curricular Alternativo...Resta "arregaçar" as mangas e, desde o início, procurar caminhos para esta turma.
Motivá-los para aprender e levá-los a obter algum sucesso, fazendo-os acreditar nas suas capacidades, parece-me o mais importante.
Claro que preciso de um Conselho de Turma que pense positivo, mas só hoje vou conhecer quem fará parte desta turma.
Ontem falei com alguns colegas que foram professores de alguns da turma: " Eram uns coitadinhos, que ninguém gostava deles!"; " Os piores já saíram, porque reprovaram..."; " Eu até gostava deles..."
Bem, a turma tem 7 elementos novos, vamos ver as mudanças, que provocam...e, "se ninguém gostava deles", vou tentar gostar eu...sempre foi assim que os conquistei.

06/09/10

O Primeiro Dia!




Era uma vez uma escola e eu

e um mar enorme para navegar



Páginas e ondas, palavras e flores

e livros e bolas, lápis e cores

amigos antigos, novos a chegar.





Era uma vez a escola e eu

e um céu imenso para voar.



As respostas aguardam

por entre as estrelas

só é preciso saber perguntar.



Era uma vez esta escola e eu

e o dia de hoje para começar...


Texto de Teresa Martinho Marques, com que vou iniciar o meu primeiro dia de aulas.

01/09/10

A aventura recomeça!


No meu mundo, as histórias reais e o mundo da fantasia andam de mãos dadas.

A realidade caminha ao lado de uma menina com asas, a que chamo imaginação...Sem essa menina, a vida torna-se muito escura, sem cor...e não podemos viver sem o arco-íris!

Em cada recomeço de ano lectivo, sinto-me uma criança inquieta, pronta a receber os meus novos alunos, de braços abertos, com o coração cheio de sonhos...Ainda não vos conheço, mas já vos quero muito...E sei que vamos crescer muito, todos juntos, pois há um "mar de aventuras" para descobrirmos.

Bom recomeço a todos: alunos e professores.

Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"