"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

05/12/11

Viagens no tempo...

Estava muito bem a passear na floresta, quando encontrei um centauro! Fiquei arrepiada, pois nunca tinha visto tal bicho!
O centauro perguntou-me:
-És a visitante número...quê?
-Não sei!
-Vou perguntar ao chorão, pode ser que ele saiba! Não! É melhor perguntar ao eucalipto, pois o chorão está sempre a choramingar.
-Mas por que razão é assim tão importante?-perguntei eu.
-Porque há um prémio para o visitante número 200.000...
Mas eu estava a pensar em ir embora...
-Não queres receber o prémio?-interrogou o centauro.
-Quero, quero!
Entretanto, fomos falar com o eucalipto, que por sua vez, respondeu:
-Segundo os meus cálculos, ela é a visitante número....impossível, ela é a visitante número 200.000!
-Isso quer dizer que ganhei o prémio!- exclamei eu.
-Exato, segue-me.-afirmou o centauro.
O centauro levou-me a um sítio mesmo secreto: debaixo das raízes do eucalipto, o centauro entregou-me uma poção que permitia viajar no tempo.
-Esta poção dá até ao resto da tua vida!- disse o centauro.
-Uau!!!-exclamei eu.
Tinha de ir para casa, por isso, despedi-me do centauro, do eucalipto e do chorão, que primeiro fungou e depois, como habitualmente, desatou a chorar.
Cheguei a casa e bebi a poção, logo de seguida senti cócegas na garganta, abri a boca e saiu de lá um génio. Espantada, comecei a rir e disse:
-Quem és tu, o génio da lâmpada?
-Não! Neste caso, sou o génio da poção, mas podes chamar-me Azambujo.
-Gostava de viajar até à época dos dinossauros.
-O teu desejo vai ser "concretibujo".
-Que palavra mais engraçada!
Num instante, estava rodeada de dinossauros. Depois de observar vários dinossauros, deparei-me com o tiranossauro Rex. Pedi ajuda ao génio, pois a criatura achou-me boa para a cova do dente dele!
-Vamos embora daqui bem "rapidujo"-disse o génio Azambujo.
Para que saibam, "rapidujo", na linguagem do génio, quer dizer velocidade super-sónica.
Pouco depois, pedi ao génio para me levar até ao ano da descoberta da cura contra o cancro, chegamos assim a 20035. Quando voltámos ao presente, transmiti todas as informações aos cientistas da minha época. Foi muito bom, pois senti-me útil e levei a cura a muitas pessoas.
Viajei para vários locais e diferentes épocas: época medieval, época dos romanos...até viajei para o futuro, onde observei carros voadores, que flutuavam, maravilhas da tecnologia, nunca antes imaginadas.
Foi difícil manter segredo, mas tinha a cumplicidade do meu velho amigo Azambujo.
Fim
Prestem atenção: no futuro, esqueçam o Acordo Ortográfico, pois é a linguagem do Azambujo que vai PREVALECER: FIMBUJO!
Rita Nunes, 6ºA

1 comentário:

Maria da Luz Borges disse...

Parabéns Rita. Gostei muito do teu texto!
Bjs Isabelinha!

Enviar um comentário

Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"