"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

31/07/09

O Mistério da Estrelinha Curiosa!

A minha vida, como a de toda a gente, é povoada de fadas e bruxas; momentos bons e maus...Acho que devemos sempre aprender com os maus e escondê-los no mais fundo da gaveta das memórias e...lembrar os bons momentos, pois esses sim dão cor aos nossos sonhos!
Falando de sonhos...Logo cedo, fui aos correios buscar uma encomenda: o livro da minha amiga Leonor Lourenço.
Corri para o sofá e antes de o mostrar às meninas li-o, em segundos!
É lindo o mistério que a nossa estrelinha curiosa encerra! Só no final se descobre...Adorei a estrelinha lutadora que vai ao encontro dos sonhos, que ajudada por amigos, os realiza...é um livro delicioso que se lê de um fôlego só!
Depois vi uma e outra vez as ilustrações! Que maravilha...como esta página das nuvens, que tentam impedir a estrelinha de ir ao encontro do sol, vigiando-a dia e noite...Folheei o livro várias vezes, vendo os pormenores destas imagens, que me deixaram fascinadas!
Uma voz, acordou-me:
-Mãe, afinal o livro da tua amiga não era para nós? Deixa ver a dedicatória!
Agora é a Sara que o está a ler à irmã, sentadas no sofá.
Quando falava dos momentos bons...referia-me a momentos destes, por exemplo, em que o destino nos faz conhecer pessoas lindas, como a .
Se quiserem descobrir o "Mistério da estrelinha Curiosa" leiam o livro, pois a descoberta é fabulosa...e se quiserem conhecer a autora, visitem o seu blog:

Anterozoide!

Retirado de http://antero.wordpress.com/ onde me delicio com as críticas, sobretudo por se tratar de criticar, através da imagem também!

Escola de Pintura!



Na KidZania há uma cidade inteirinha a descobrir e a Escola da Pintura situa-se no Bairro Das Belas Artes!
É uma delícia ver aquela gente pequenita a pintar na tela ou no papel! Eu sempre fui pouco dotada para o desenho...no entanto, sempre fascinada por essa arte de "pintar com imagens"!
A tal ponto que, no primeiro ciclo, trocava chocolates por desenhos! O meu pai tinha uma pequena mercearia e eu dava chocolates, a quem me fizesse desenhos! Agora, adulta, adoro quando os alunos recontam histórias com imagens ou fazem bandas desenhadas...ou os desenhos das minhas princesinhas...
Voltando à "Escola de Pintura", enquanto as minhas filhas pintavam, fui lendo o que havia escrito nas paredes e achei giro...aqui fica o que li:
" Todos nós queremos compreender a pintura,
Por que não existe o desejo de compreender o canto dos pássaros?"
" Eu tentei aplicar cores
como palavras formam poemas
Como notas que criam música!"
" A arte é uma mentira
Que conta a verdade..."
" Não penses demasiado
Quando desenhas..."

30/07/09

Ser "gente grande" por um dia!







A Sara e a Sofia tiveram hoje um dia diferente e fantástico! Fomos à KidZania...uma verdadeira cidade com hospital, correios, caixa, hipermercado, pista de corridas de automóveis, bombeiros...um mundo de gente grande, feito para gente pequena! Até eu fiquei deslumbrada! Ali não falta nada! Polícia, tribunal, restaurantes, escola de pintura e de condução...até Universidade!
Trata-se de um espaço fantástico, onde a brincar, aprendem!

Top 10!

Os melhores sites e blogues com histórias para crianças na Net estão no “TOP 10 Infantilidades”...É bom vermos que agradamos aos outros! Há dias que começam assim, de forma mágica e com descobertas maravilhosas...Quando entrei no Blog http://infantilidades.wordpress.com/2009/07/30/topinfantilidad descobri que estava entre os 10 melhores Blogues para crianças!
Estou sem palavras para agradecer semelhante distinção. O meu Blog, agora sem alunos, perdeu um pouco essa linha, mas em breve recomeçará outro ano, com novas crianças. Vou ter turmas de Percursos Alternativos e esses alunos precisam ainda de mais histórias e afectos...Contudo, lembrei-me do meu avô, a quem chamávamos "pai Merra", como outro dia referi. Quando eu era pequena, os meus pais estavam em França e eu vivi com os meus avós, numa aldeia do Norte, perto de Bragança. Ele não sabia ler, por isso, ninguém me lia histórias, mas vivi rodeada de histórias que ele me contava. Não sei como sabia tantas!
Deixo-vos com uma dessas histórias, uma versão do "João Pateta"...
Quando as galinhas tinham dentes, uma pobre viúva vivia com seu filho, meio pateta, mas de bom coração, lá para onde "Judas perdeu as botas"...
Já não podendo trabalhar, pediu ao filho que fosse pelo mundo adiante, pedir trabalho. E assim foi!
No primeiro dia, arranjou trabalho em casa de uns lavradores ricos, mas tanto disparate fez que, no final do dia, os agricultores não tiveram outro remédio senão dispensar os seus serviços...Pobre João! Novamente sem trabalho, recebeu uma moeda e foi a correr para mostrar à mãe, mas ao correr ia sempre a abrir e a fechar a mão, para contemplar a moeda...até que a perdeu!
Ao contar à mãe, lavado em lágrimas, esta disse:
- João, a moeda trazia-la na mão bem fechadinha, para não se perder!
-Para a próxima vez, farei.
No dia seguinte, em casa de uma senhora que quis ajudá-lo...trocou tudo, fez tudo ao contrário e chegou ao fim do dia...sem trabalho e com três ovos.
O bom do João apertou-os bem apertados na mão e chegou a casa só com as cascas e todo sujo!
-Filho, os ovos trazia-los no bolso, com cuidadinho, para não se partirem...
_Está bem, mãezinha. Para a próxima vez farei...
E...fez! Indo trabalhar em casa de uns leiteiros, mais um monte de trapalhadas e, quando lhe deram uma bilha de leite, como forma de pagamento, o nosso João despejou-o no bolso!
-Meu filho, não sei o que fazer, contigo! O leite trazia-lo dentro da bilha à cabeça, com jeitinho, para não o entornares...
_Minha mãe...para a próxima vez farei!
Recebeu, no dia seguinte, um gato, pois tanto disparate fez, que nada mais lhe deram!
Metendo o gato à cabeça...este arranhou-o todo e zás...ai pernas para que vos quero!
-Oh, meu filho...meu filho...Assim, estamos desgraçados! O gato trazia-lo preso com um cordel!
O rapaz aguentou-se uma semana na casa de um senhor rico que lhe deu um presunto e...vai de levar o presunto preso pelo cordel, a arrastar pelo chão! Chegou a casa com o presunto numa lástima! pobre mãe, que trabalheira para limpar o presunto!
-Meu filho, pensa...era melhor teres trazido o presunto às costas, para não se sujar!
Acontece que...naquelas terras, havia um rei muito triste, porque tinha uma filha que perdera o sorriso, por altura da morte da mãe...O rei, desesperado, prometera dar a mão de sua filha em casamento a quem a fizesse rir...Até agora, ninguém o conseguira.
Quanto ao nosso João, voltou à casa do senhor rico que lhe disse:
-João, vou ajudar-te. Toma este burro e cultiva as tuas coisas. Assim, podes ter sempre o que comer...
Saiu radiante, mas, mal se viu na rua, vai de fazer o que a mãe lhe recomendara, pondo o burro às costas!
Passando em frente à janela do quarto da princesa, esta riu a "bandeiras despregadas"! E como palavra de rei, não volta atrás...o João Pateta acabou casadinho com a princesa. Há quem diga que sua mãe também se casou com o rei!
Bendito e louvado, meu conto acabado.
Esta foi uma das muitas versões desta história que o meu avô me ensinou...pois arranjava muitas opções hilariantes para a história, tornando-a sempre divertida! As noites, com o meu avô, eram sempre povoadas de histórias...umas assim, outras reais...Sabe-se lá onde desencantava tanta sabedoria!

29/07/09

Gostaria de começar com uma pergunta
ou então com o simples facto
das rosas que daqui se vêem
entrarem no poema.


O que é então o poema?
um tecido de orifícios por onde entra o corpo
sentado à mesa e o modo
como as rosas me espreitam da janela?


Lá fora um jardineiro trabalha,
uma criança corre, uma gota de orvalho
acaba de evaporar-se e a humidade do ar
não entra no poema.


Amanhã estará murcha aquela rosa:
poderá escolher o epitáfio, a mão que a sepulte
e depois entrar num canteiro do poema,
enquanto um botão abre em verso livre
lá fora onde pulsa o rumor do dia.


O que são as rosas dentro e fora
do poema? Onde estou eu no verso em que
a criança se atirou ao chão cansada de correr?
E são horas do almoço do jardineiro!
Como se fosse indiferente a gota de orvalho
ter ou não entrado no poema!
Rosa Alice Branco, in Soletrar o Dia

Não bata, eduque!

Ontem recebi a visita do Bernardo e resolvi ir descobri-lo, ficando maravilhada com "O voo do ovo"...descobri um menino e um avô muito sensíveis, que ensinam tanta coisa valiosa! Fiquei encantada! Além disso descobri lá imensos sites, que me ajudarão com os alunos...
Obrigada, Bernardo. não deixem de visitar o cantinho do Bernardo:http://soliletras.wordpress.com/

"O meu avô diz que é mais fácil criar os filhos com palavras erradas e palmadas, do que educá-los com palavras certas."


28/07/09

Amor é...versão nº2

E para quem gosta de grandes pintores, boas músicas e poemas à mistura...aqui fica outra versão de: "Amor é fogo..."

Amor é...

Dedico este Poema de Camões, musicado pelos Pólo Norte a todos os amigos, em especial à Isilda e ao Manuel Afonso de http://cogitarlamego.blogspot.com/

27/07/09

Uma amiga querida!

A vida não é fácil de viver, vivemos tantas vezes ignorando o que se passa à nossa volta, cheios de pose e orgulho...sem vermos quem precisa de nós!
Descobri que uma das amigas, que conheci neste mundo de Blogues, perdeu um filho! Não sei como pode ser uma pessoa tão linda, tão batalhadora e...tão especial para todos os que têm a sorte de a conhecer!
Ela mantém a fé em Deus, dá todo o seu amor a tantas crianças, enche-nos de mimos!
Só consigo pensar que tantas vezes haverá pessoas à nossa volta a sofrer, a precisar de um sorriso, de uma palavra amiga, de um carinho...e não vemos! Passamos por elas como se fossem invisíveis!
A partir de agora, seja gentil com todas as pessoas, faça amigos, ajude, apoie...todos precisamos uns dos outros!
Mesmo que não saiba de nada...seja amigo...pois nunca se sabe quando estamos a ajudar sem saber. por vezes, basta um simples olhar.
Que Deus te abençoe, minha amiga.

Que prazer, não cumprir um dever!

Assim começa uma guerra!

O pássaro e a guerra

Nesta fábula dos Legas (do Zaire), um pássaro explica-nos como são absurdas as guerras dos homens.
Ai se os homens lhe dessem ouvidos…

Kansisi é um pássaro branco com as asas negras e faz o ninho nos bananais em redor das aldeias. Testemunha da vida quotidiana das pessoas, sabe muita coisa sobre o comportamento dos homens.
Por isso, um dia, o seu amigo Monkonia, pássaro que frequenta pouco estes sítios, veio colocar-lhe um problema que há muito o apoquentava:
— Porque é que os homens fazem a guerra?
Kansisi deu uma gargalhada. Mas o amigo voltou a insistir:
— Os homens dizem que são inteligentes e racionais; como é que não conseguem, então, estar de acordo? Não há ninguém que cometa tantas asneiras como eles.
— Por diversos motivos — respondeu Kansisi. — A avidez, a inveja, a vingança levam-‑nos a pegar em armas uns contra os outros. Guerreiam-se até por coisas banais, sem pensar nas consequências. Anda comigo, que eu mostro-te um exemplo concreto.
Voaram juntos até à aldeia vizinha. Monkonia poisou numa folha de bananeira, de onde podia observar tudo o que acontecia.
Era meio-dia, e o sol queimava. A aldeia estava deserta, parecia adormecida. Só uma criança pequena brincava no meio do pó, junto de alguns potes de barro ainda frescos, a secar ao sol antes de serem cozidos no forno.
Kansisi poisou num desses potes. A criança viu-o e correu para o espantar com um pau. O pássaro voou para mais longe e a criança acabou por bater no pote, que rolou no chão, com uma pequena mossa. Ao ouvir o barulho, a dona dos potes saiu cá para fora e deu duas valentes chapadas na criança. Ouvindo a criança a chorar, a mãe agarrou num ramo de árvore e deu com ele na mulher, que gritou por socorro. O marido dela saiu de casa com uma faca, e a mãe da criança fugiu chamando pelo marido. Ouvindo esta barulheira toda, mais homens e mulheres saíram de casa gritando e brandindo bastões, sachos e facas. Voavam insultos e ameaças de todos os lados. Dez minutos mais tarde, a aldeia estava em pé de guerra: o clã da dona dos potes contra o clã da outra mulher. Ninguém fazia ideia do motivo que causara esta situação e nem queria saber nem pensar nas consequências do conflito. A briga durou o tempo suficiente para provocar danos irreparáveis; houve mesmo mortos e feridos.
Entretanto, Kansisi, regressando para junto do amigo, contemplava com satisfação o desenvolvimento da peleja.
— Aí tens! — disse ao amigo. — É assim que nascem as guerras entre os homens. A conclusão podes tirá-la tu mesmo!
Ela está bem expressa em dois provérbios dos Lega:
O pássaro Kansisi provoca a guerra, mas fica em paz pousado na sua folha.
O estulto entra na rixa sem medir as causas nem os efeitos
.
Este conto foi retirado de http://contadoresdestorias.wordpress.com/ , onde se podem descobrir maravilhosas histórias, para contar aos nossos alunos.

26/07/09

Avós: tesouros que devemos mimar!


A Leonor do "Era uma vez, conta outra vez..."lembrou-me que hoje é dia dos avós...esses maravilhosos seres que nos mimaram, acarinharam, educaram, que nos aconselharam, que sempre nos ajudaram...Ainda tenho a minha avó Francisca, com quem vivi quando era pequenina , por os meus pais estarem em França...a minha "mãe Chica", como todos os netos lhe chamaram, depois de mim, pois eu, a mais velha baptizei-a assim. Agora, até as bisnetas lho chamam. Mil beijos, minha querida mãe Chica.
Quando era pequenina, recordo que o meu avô Manuel, a quem chamava "pai Merra", uma alcunha pela qual era conhecido, me contava muitas histórias à lareira, ou cantava, para eu dançar! Recordo que fazia sons com as tenazes do lume! Que lindas músicas!
A minha avó Francisca, a sua esposa, ainda vive...e gosto dela como se fosse minha mãe...Da parte do pai, não conheci nenhum, mas o meu pai conta que a minha avó Evangelina morreu com uma foto minha no peito. Era eu bebé...
Deixo-vos uma lenda, para que nunca ninguém se esqueça dos pais, dos avós, quando estes ficam velhinhos...
"No tempo do bisavô do meu tetravô havia uma tradição que dizia que, quando um senhor ficava velho de mais para trabalhar, os filhos levavam-no às costas pela serra acima até um casebre e deixavam-no lá abandonado para falecer longe de casa e da família, em paz, julgavam eles. Nessa altura, havia lobos na serra e alguns dos idosos eram devorados pelos animais.
Certo dia, um homem levava o seu velho pai às costas, subindo a serra, para o largar. Quando chegou ao alto, deitou o pai e, com pena, tapou-o com uma manta que levava, despedindo-se e afastando-se, a pé. De repente, o pai chamou-o. O filho voltou para junto dele. Então, rasgando a manta ao meio, o triste e resignado velhinho disse-lhe:
- Toma, filho, só preciso de metade.
- Mas... pai, assim vai ter frio! Fique com a manta inteira.
- Não, filho, leva esta metade; chega-me meia. Guarda a outra parte para quando os teus filhos te vierem cá abandonar.
O filho pegou na metade da capa e desceu a serra, angustiado. Sentou-se e pensou : " O meu pai tem razão: quando eu tiver a idade dele, os meus filhos também me abandonarão na serra e, acima de tudo, ele é meu pai." Arrependido, voltou a subir a serra, pôs o pai às costas e levou-o de novo para casa.
A partir desse dia, nunca mais nenhum filho abandonou o seu pai na serra e foi proibida aquela absurda tradição por todas as terras do mundo."

Nas férias...
















...é assim...um dia no Pavilhão da Ciência Viva, no Parque das Nações; outro dia no Aqua Show-Quarteira...outro dia, deitadas no sofá, "partidas" das brincadeiras e do sol!

24/07/09

Somos lindas!

Para Pensar um pouco...

"Deficiente" é aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino.

"Louco" é quem não procura ser feliz com o que possui.

"Cego" é aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria. E só tem olhos para seus míseros problemas e pequenas dores.

"Surdo" é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou o apelo de um irmão. Pois está sempre apressado para o trabalho e quer garantir seus tostões no fim do mês.

"Mudo" é aquele que não consegue falar o que sente e se esconde por trás da máscara da hipocrisia.

"Paralítico" é quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda.

"Diabético" é quem não consegue ser doce.

"Anão" é quem não sabe deixar o amor crescer.

E, finalmente, a pior das deficiências é ser miserável, pois

"Miseráveis" são todos que não conseguem falar com Deus.

"A amizade é um amor que nunca morre."

(Mário Quintana)

O meu Aniversário!


Obrigada a todos os que se lembraram de mim, ontem, dia do meu aniversário.

22/07/09

Aventuras e desventuras em Maiorca: 5º dia














Decidimos visitar Magaluf...ver a casa de Katmandu, uma casa ao estilo do Tibete...assombrada por dentro...assustadora, mas que nos provocou mais uns momentos de diversão. A Sofia teve de percorrer o interior da casa ao colo, porque se assustou com os sons assustadores, com caras horrendas a falar, com animais horripilantes! Adorou assistir a um momento de cinema a 4 dimensões no final.
O interior da casa começa com um labirinto de espelhos...para encontrar o caminho só às apalpadelas! Depois há uma biblioteca, onde a ilusão se mistura com os livros...aparecem e desaparecem imagens no tecto e nas paredes, com sons tenebrosos à mistura! Depois há exposições sobre as "maravilhas do mundo" e quadros de ilusão, onde de flores, se descobrem caras...de caras, animais...um mundo fantástico a descobrir, feito de ilusões, cenas e sons assustadores, chãos que se movem...delirante!

Aventuras e desventuras em Maiorca: 1º dia






Cheguei ontem de Maiorca...uma semana de sonho, de paraíso. Acordar cedo, para nada perder destas férias, um duche rápido e ir tomar o pequeno-almoço no restaurante do hotel, sem sequer me preocupar em fazer a cama! Depois, partir à aventura, conhecer tudo, quanto pude, almoçar num sítio qualquer, mergulhar numa praia qualquer, pois o fato-de-banho ia sempre vestido! Regressar ao hotel, ao fim da tarde, mergulhar na piscina, até à hora do jantar...à noite, passear à beira-mar, tomar qualquer coisa no bar do hotel e dormir, com a cabeça cheia de azul do mar, de descobertas, de bem-estar...Assim foi durante uma semana, que gostaria de ver prolongada, mas também sabe bem regressar a casa e ter aventuras para contar.
Dia catorze, às sete já estávamos no aeroporto e as meninas mal aguentaram aquele tempo de espera, para entrar no avião...Mil perguntas da Sofia que agora, cada vez que vê um avião, diz que é Portugal...e em Palma de Maiorca, quando queria regressar ao Hotel, dizia "vamos para Palma de Maiorca, porque já estou cansada mamã!" Ou então, chamava-lhe casa, fazendo a Sara desatar a rir! Logo eu explicava que não deixava de ser a nossa casa, durante uma semana!
Chegámos às 14.30 ao hotel, largámos a mala no quarto e fomos para a piscina até às 19.30. Depois, fomos preparar-nos para jantar e logo saímos para descobrir um pouco do lugar, onde nos encontrávamos, Can Pastilla. Percorremos a zona num comboio turístico e adorámos ver tanto movimento, tanta vida, tanta cor, na noite! Bares repletos de gente, gentes de todo o lado, ouve-se falar português, espanhol, italiano, francês, alemão...que bom sentir-me turista!
Às dez da noite, ainda se viam pessoas na praia, dentro de água! Pintores nas ruas fazem retratos e caricaturas, mulheres fazem tranças e tatuagens, com henna...há aqueles que se disfarçam de estátuas para ganhar umas moedas...os que passam com bebidas para a praia...há de tudo! Uns alugam bicicletas e percorrem as ruas, outros passeiam nos coches de cavalos...muita gente a comer petiscos nas esplanadas e música no ar... As meninas estavam fascinadas! Experimentámos fazer o percurso no comboio, ainda de dia e repetimos à noite. Totalmente diferente! Vale a pena ver a diferença.

13/07/09

Amália Rodrigues!


O meu pai passou-me este gosto pelo fado...ultimamente, sinto vontade de ouvir...vozes assim!

Humor, a cantar!

Para se rirem um pouco...

Muda de Vida!

Muda de vida se tu não viveres satisfeito
Muda de vida, estás sempre a tempo de mudar
Muda de vida, não deves viver contrafeito
Muda de vida se há vida em ti a latejar

Ver-te sorrir eu nunca te vi
E a cantar, eu nunca te ouvi
Será de ti ou pensas que tens... que ser assim

Muda de vida se tu não viveres satisfeito
Muda de vida, estás sempre a tempo de mudar
Muda de vida, não deves viver contrafeito
Muda de vida se há vida em ti a latejar

Ver-te sorrir eu nunca te vi
E a cantar, eu nunca te ouvi
Será de ti ou pensas que tens... que ser assim

Olha que a vida não, não é nem deve ser
Como um castigo que tu terás que viver

Muda de vida se tu não viveres satisfeito
Muda de vida, estás sempre a tempo de mudar
Muda de vida, não deves viver contrafeito
Muda de vida se há vida em ti a latejar

12/07/09

Preparativos da Viagem!

Desde sábado que andámos a fazer a mala e parece que falta sempre qualquer coisa, acho que em vez de roupa para uma semana, levamos para um mês! As meninas vêm a toda a hora, com novas ideias: "Mamã e se levássemos o vestido cor-de-rosa? É fresquinho!" Isso disse a Sofia, ao final da tarde, quando já me preparava para finalmente fechar a mala!
Fizemos uma lista: toalhas, biquínis, calções, vestidos frescos, cremes, necessaire de toilette...fato de treino, máquina fotográfica, telemóvel, agenda para escrever e registar tudo, que formos descobrindo lá em Palma de Maiorca...Agenda essa que já tem escrito alguns lugares a visitar: a catedral, as grutas, nomes de praias...tanta coisa que queremos ver, numa semana tão curta...ainda por cima, encurtada numa manhã roubada pela Agência, ou pela companhia aérea, sei lá...mas nem vou pensar nisso. Vamos aproveitar cada segundo.
Até já disse às meninas que desta vez vão dormir tarde e levantar cedo...dormimos cá, quando regressarmos!
Depois a Sara lembrou que se calhar o pai ficava com pouca comida e amanhã ainda vamos às compras, para que nada falte ao pai, na nossa ausência!
A mim vai saber-me bem estar sozinha com as meninas...sem marido, nem casa, nem nada a incomodar a toda a hora!
E só falta um dia, como disse a Sofia, logo de manhã, pois anda há dias a contar o tempo que falta, com as mãos. Hoje fartei-me de rir, quando disse:
-Mãe, é só um e depois, nada. Vamos no avião!
E fechou a mãozinha, sem mostrar os dedos, como a Educadora lhe ensinou.
Até já escolheram cada uma o boneco preferido, para levar, com roupinhas para lhes vestir e até pente para os pentear!
-Será que os bonecos também pagam bilhete, mãe?- dizia a Sofia.
-Descansa, princesa, falta pouco e os bonecos não pagam nada de nada, vão no colinho.

11/07/09

A Mariquinhas!

Katia Guerreiro

Um comentador recente do meu blog disse que gostou do fado, que publiquei, mas que das fadistas mais novas, Katia Guerreiro era a melhor...Fui ouvir e gostei. Cá fica, com os cumprimentos ao Carlos Pires, que fez a sugestão:

10/07/09

Ser Mãe: que ternura!

Paris!






Paris é a mais linda cidade do mundo! Talvez para mim, que nunca viajei muito, ou talvez porque seja mesmo.
Nasci em Tours e logo meus pais foram viver para Paris, onde iniciei o meu percurso escolar.
Não foi muito fácil, admito. Eu era a "portuguesita" que aparecia com nódoas negras nos joelhos, porque não entendia os colegas. E a comida? Outro castigo, para mim...comer certos legumes na cantina, era uma tarefa interminável!
Depois vim morar com os avós em Bragança, numa pequena aldeia próxima...acabei por fazer dois anos num e saltei rapidamente para o 5ºano! Aí também não foi fácil...o ter passado a voar pelo primeiro ciclo, levou-me a ter algumas dificuldades, ou seria o facto de ter ficado num colégio de freiras?
De mudança em mudança, acabei por ter sempre sucesso, a nível escolar. Não sendo uma aluna brilhante, ia conseguindo avançar, embora brilhasse nas línguas. A Francês, Inglês e Português ninguém, em nenhuma turma foi meu rival, era sempre a melhor...as outras lá ia andando.
Mais tarde gostei muito de psicologia e filosofia...acabando por me tornar professora.
Mas, voltando a Paris, a cidade dos meus encantos. Além de viver lá alguns anos, após vir para Portugal, tornou-se o meu destino de férias. Ia com minha mãe substituir a mina tia no trabalho, que consistia em limpar as escadas, distribuir o correio do prédio, duas vezes por dia e pôr os contentores de lixo na rua à noite e recolhê-los de madrugada. Os emigrantes conhecem esta realidade...O resto do tempo eram as minhas férias.
A minha mãe é muito parecida comigo. Fazíamos sandes e lá íamos nós à aventura. Visitei tudo e conheço bem Paris...fui muito feliz aí, chegando ao ponto de me inscrever na Universidade para voltar de vez para lá, mas o destino quis que ficasse por cá.
Já a leccionar, levei várias turmas de alunos a Paris, em visitas de estudo, quer quando fui professora em Vila Real, quer no Barreiro. Assim, oferecia sonhos aos alunos e eu...matava saudades.
Ainda tenho família lá. Por vezes ia tomar conta do meu primo, no Verão. Era maravilhoso.
Eurodisney...foi a minha última viagem com alunos, há dez anos atrás!
Que saudades...da cidade dos sonhos, da magia...de tudo que lá vivi.

09/07/09

Viagens passadas: Marrocos-3ªparte!



Há dois anos voltei a Marrocos, desta vez com o marido e as duas filhas, pois já tínhamos a Sofia.
Passei por Casablanca, voltei a Marrakech, onde a Sofia adorou passear na "carroça dos turistas", puxada pelos cavalinhos! Outra coisa que a deixou surpreendida, na viagem, foi ver as cabras penduradas em cima das árvores!
Comi caracóis pela primeira vez, pois sempre me causou impressão, mas gosto de experimentar tudo. Até uma bebida estranha, com uma mistura aromática, muito forte e da qual não recordo o nome, experimentei! Fiquei com o peito a arder!
Tirámos fotos com macacos, pois recusei-me a aproximar das cobras, que me arrepiam e deixei uma mulher ler-me a sina em francês!
Dormimos num hotel estranho e comi toda a espécie de pratos marroquinos! Mas continuo a preferir o peixe, o camarão e afins...o resto que vale a pena experimentar é a doçaria tradicional e o couscus...
Voltámos às montanhas, para as meninas andarem de camelo, desta vez com o meu marido...eu preferi ficar de fotógrafa!
E mais uma vez, senti que estava noutro mundo!
Ainda hei-de voltar, para conhecer Fez e outros recantos mais antigos, pois é isso que me fascina: o antigo, o tradicional, o que é muito diferente da nossa cultura!
Aliás, esse gosto pela diferença, por experimentar tudo, o encanto por outras culturas, já me trouxe algumas confusões, mas isso é outra história!

Marrakech!
















Viagens passadas: Marrocos- 2ªparte!

Por alturas do Natal, há uns anos atrás, fui a Marrakech, para grande desgosto da família, pois era a primeira vez que iam passar o Natal sem mim e sem a Sara!

Custou-me por isso, mas foi uma viagem inesquecível! Marrakech é uma mistura de cores e cheiros, um lugar mágico, que nos parece irreal e onde a vida parece ser mais intensa, o dia entra pela noite dentro e confundem-se, pois dá impressão que nunca se pára em Marrakech! Na praça central: Djemaa El-Fna, há de tudo! Mulheres que fazem hena, que lêem o futuro, imitadores de artistas de circo, encantadores de serpentes, barracas que vendem de tudo...uma mistura quase enigmática! À medida que a noite avança, tudo nesta praça ganha ritmos mais alucinantes!

Gostei imenso, pois parecia estar num outro mundo, mas desconfio que no Verão deve ser insuportável, devido ao calor e à mistura de cheiros!

Viagens passadas: Marrocos- 1ª parte!



Recordo as minhas viagens a Marrocos...quem me conhece mais intimamente sabe as aventuras e desventuras que aí passei, mas vou apenas contar sensações.Viajei por terras marroquinas três vezes, convivendo de perto com as tradições e costumes, pois da primeira vez fiquei numa casa familiar, durante um mês, numa terrinha perto de Agadir.Logo à chegada, fiquei tonta com a velocidade em que tudo acontece! Sair de um autocarro e voar para dentro de um táxi, partilhado por gente desconhecida e sair de noite em Anza...onde me esperava um tagine especial e chá, com que geralmente acompanham as refeições.Descalcei-me à entrada do salão, onde comi junto com a família árabe, todos sentados no chão, em volta de uma mesa redonda, onde comemos do mesmo prato, com as mãos e um pedaço de pão...Até o pão era tão diferente do nosso!Mais tarde, dormi no quarto do casal, que gentilmente me ofereceram, com a minha filha.Ainda bem, pois o resto da enorme família dormiu no chão: homens num salão,mulheres noutro, em cima de peles de ovelha e cobertores!O dia começa cedo! A filha mais velha começa a fazer pão!
Rotina diária! Após o pequeno-almoço, começam as limpezas. Tudo é esfregado diariamente! Eu, a convidada, não faço nada, nos primeiros dias! Até o cabelo da Sara penteiam e lembro-me de lavar a minha roupa interior às escondidas!
Aos poucos, fui pedindo para me deixarem colaborar, pois sentia-me incomodada, por me fazerem tudo! Mas apenas fiz pequenos gestos insignificantes, como ajudar a pôr a mesa...Todas as manhãs era um delírio ver a rapidez com que dobravam as mantas e as guardavam, transformando os "dormitórios improvisados em salas de visitas"!Quase todos os dias, íamos à praia em Agadir, um lugar moderno e limpo, diferente da maior parte das coisas que vi em Marrocos. Ia com as mulheres da casa, pois os homens pouco ou nada fazem em conjunto!Andei de camelo com a minha Sara. Senti algo estranho, quando o camelo ficou de pé. A primeira vez, foi na praia em Agadir. A segunda num monte, pois parece que retiraram os camelos das praias...Aí a sensação de altura foi maior! Quase senti medo, por estar nas alturas, num monte altíssimo, avistando a cidade cá em baixo.Nunca bebi tanto chá, pois servem chá a toda a hora, com montes de bolinhos, feitos pela filha mais velha. Ainda hoje me pergunto como é que ela aguenta? Nem imaginam o ritual da preparação do chá! E ainda as refeições a preparar, lavar a roupa de tanta gente, limpar a casa...ainda lhe sobrava tempo para ser meiga com a Sara e enfeitar-lhe os cabelos compridos!Até a mim, ela e a irmã se deliciavam a vestir-me vestidos árabes, a pintar-me, a fazer-me penteados, a transformar-me! Um dia chamaram uma mulher que me fez desenhos nas mãos e nos pés, uma das tradições deles! O Henna...Nos meus anos, a 23 de Julho, apesar de não fazer parte dos costumes deles, prepararam-me uma festa inesquecível. Vestiram-me e enfeitaram-me...Nem parecia eu! Fizeram bolos, pão, frango, que era das poucas coisas que a Sara comia! O resto era muito estranho, para ela! Bebemos Fanta, em vez de chá! Fomos a Essaouira, o lugar mais encantador que conheci!Terminamos a jantar à beira-mar, um banquete de peixes de todas as qualidades: a melhor refeição em Marrocos! E recebi presentes típicos: colares, um vestido, pulseiras, anéis, quadros e pratos...cada um deu-me uma coisa de lá!


08/07/09

A Catedral de Palma de Maiorca!

Que linda! Foi a Sara que descobriu, pois ela e a irmã não se cansam de ver fotos de Maiorca! Já estou novamente animada! Temos visto coisas tão lindas na net...espero conseguir ver o máximo...e é já na terça-feira! Depois mostro-vos as nossas fotos da viagem...

Auto-avaliação!


Descobri este video no blog de uma amiga: http://cantinho-da-stora.blogspot.com/ e achei interessante partilhar. A colega que elaborou o video merece!

Alterações!

Ainda mal marquei a viagem e já começa a correr mal! A Agência já ligou com alterações! O voo de regresso foi cancelado e em vez de voltar ao final do dia, tenho de regressar às sete da manhã!
Realmente, nem as férias me correm bem...espero que seja só isso!
Minha irmã só fala dos riscos, por causa da Gripe A...espero que o sonho, afinal não corra mal...
Vou perder uma manhã, vou ganhar uma noite mal-dormida, pois terei de sair de madrugada do hotel! Só contrariedades!
Nem as férias, podem trazer um pouco de calma e paz?
Desde que não haja novas alterações! Só quero uma semana diferente na vida. Será pedir muito?

Palma de Maiorca!







Sempre quis ir a uma ilha...e finalmente vou! Já não vou a correr para casa dos meus pais, porque vou passar uma semana em Palma de Maiorca...Mal posso acreditar!
Uma semana num hotel, com piscina...a 100 metros da praia...para mim isso é um sonho.
Podem achar estranho, mas as minhas férias geralmente são em Bragança, em casa dos meus pais...fui a Marrocos e a Paris, sendo que a Paris ia normalmente em trabalho, fazendo "férias" ao mesmo tempo.
Férias assim, sem ter de preparar refeições, limpar, lavar...isso nunca tive! Por isso, estou tão entusiasmada!
Antes que mudasse de ideias, paguei logo a viagem e dia 14, lá vou eu e as meninas...a mim realmente parece um sonho!

07/07/09

Poesia para crianças







As borboletas


Brancas
Azuis
Amarelas
E pretas
Brincam
Na luz
As belas
Borboletas


Borboletas brancas
São alegres e francas.


Borboletas azuis
Gostam muito de luz.


As amarelinhas
São tão bonitinhas!


E as pretas, então . . .
Oh, que escuridão!





O leão
(inspirado em William Blake)


Leão! Leão! Leão!
Rugindo como um trovão
Deu um pulo, e era uma vez
Um cabritinho montês.


Leão! Leão! Leão!
És o rei da criação!


Tua goela é uma fornalha
Teu salto, uma labareda
Tua garra, uma navalha
Cortando a presa na queda.


Leão longe, leão perto
Nas areias do deserto.
Leão alto, sobranceiro
Junto do despenhadeiro.
Leão na caça diurna
Saindo a correr da furna.
Leão! Leão! Leão!
Foi Deus que te fez ou não?


O salto do tigre é rápido
Como o raio; mas não há
Tigre no mundo que escape
Do salto que o Leão dá.
Não conheço quem defronte
O feroz rinoceronte.
Pois bem, se ele vê o Leão
Foge como um furacão.


Leão se esgueirando, à espera
Da passagem de outra fera . . .
Vem o tigre; como um dardo
Cai-lhe em cima o leopardo
E enquanto brigam, tranqüilo
O leão fica olhando aquilo.
Quando se cansam, o Leão
Mata um com cada mão.




A casa


Era uma casa
Muito engraçada
Não tinha teto
Não tinha nada
Ninguém podia
Entrar nela não
Porque na casa
Não tinha chão
Ninguém podia
Dormir na rede
Porque na casa
Não tinha parede
Ninguém podia
Fazer pipi
Porque penico
Não tinha ali
Mas era feita
Com muito esmero
Na Rua dos Bobos
Número Zero.

Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"