"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

30/07/09

Top 10!

Os melhores sites e blogues com histórias para crianças na Net estão no “TOP 10 Infantilidades”...É bom vermos que agradamos aos outros! Há dias que começam assim, de forma mágica e com descobertas maravilhosas...Quando entrei no Blog http://infantilidades.wordpress.com/2009/07/30/topinfantilidad descobri que estava entre os 10 melhores Blogues para crianças!
Estou sem palavras para agradecer semelhante distinção. O meu Blog, agora sem alunos, perdeu um pouco essa linha, mas em breve recomeçará outro ano, com novas crianças. Vou ter turmas de Percursos Alternativos e esses alunos precisam ainda de mais histórias e afectos...Contudo, lembrei-me do meu avô, a quem chamávamos "pai Merra", como outro dia referi. Quando eu era pequena, os meus pais estavam em França e eu vivi com os meus avós, numa aldeia do Norte, perto de Bragança. Ele não sabia ler, por isso, ninguém me lia histórias, mas vivi rodeada de histórias que ele me contava. Não sei como sabia tantas!
Deixo-vos com uma dessas histórias, uma versão do "João Pateta"...
Quando as galinhas tinham dentes, uma pobre viúva vivia com seu filho, meio pateta, mas de bom coração, lá para onde "Judas perdeu as botas"...
Já não podendo trabalhar, pediu ao filho que fosse pelo mundo adiante, pedir trabalho. E assim foi!
No primeiro dia, arranjou trabalho em casa de uns lavradores ricos, mas tanto disparate fez que, no final do dia, os agricultores não tiveram outro remédio senão dispensar os seus serviços...Pobre João! Novamente sem trabalho, recebeu uma moeda e foi a correr para mostrar à mãe, mas ao correr ia sempre a abrir e a fechar a mão, para contemplar a moeda...até que a perdeu!
Ao contar à mãe, lavado em lágrimas, esta disse:
- João, a moeda trazia-la na mão bem fechadinha, para não se perder!
-Para a próxima vez, farei.
No dia seguinte, em casa de uma senhora que quis ajudá-lo...trocou tudo, fez tudo ao contrário e chegou ao fim do dia...sem trabalho e com três ovos.
O bom do João apertou-os bem apertados na mão e chegou a casa só com as cascas e todo sujo!
-Filho, os ovos trazia-los no bolso, com cuidadinho, para não se partirem...
_Está bem, mãezinha. Para a próxima vez farei...
E...fez! Indo trabalhar em casa de uns leiteiros, mais um monte de trapalhadas e, quando lhe deram uma bilha de leite, como forma de pagamento, o nosso João despejou-o no bolso!
-Meu filho, não sei o que fazer, contigo! O leite trazia-lo dentro da bilha à cabeça, com jeitinho, para não o entornares...
_Minha mãe...para a próxima vez farei!
Recebeu, no dia seguinte, um gato, pois tanto disparate fez, que nada mais lhe deram!
Metendo o gato à cabeça...este arranhou-o todo e zás...ai pernas para que vos quero!
-Oh, meu filho...meu filho...Assim, estamos desgraçados! O gato trazia-lo preso com um cordel!
O rapaz aguentou-se uma semana na casa de um senhor rico que lhe deu um presunto e...vai de levar o presunto preso pelo cordel, a arrastar pelo chão! Chegou a casa com o presunto numa lástima! pobre mãe, que trabalheira para limpar o presunto!
-Meu filho, pensa...era melhor teres trazido o presunto às costas, para não se sujar!
Acontece que...naquelas terras, havia um rei muito triste, porque tinha uma filha que perdera o sorriso, por altura da morte da mãe...O rei, desesperado, prometera dar a mão de sua filha em casamento a quem a fizesse rir...Até agora, ninguém o conseguira.
Quanto ao nosso João, voltou à casa do senhor rico que lhe disse:
-João, vou ajudar-te. Toma este burro e cultiva as tuas coisas. Assim, podes ter sempre o que comer...
Saiu radiante, mas, mal se viu na rua, vai de fazer o que a mãe lhe recomendara, pondo o burro às costas!
Passando em frente à janela do quarto da princesa, esta riu a "bandeiras despregadas"! E como palavra de rei, não volta atrás...o João Pateta acabou casadinho com a princesa. Há quem diga que sua mãe também se casou com o rei!
Bendito e louvado, meu conto acabado.
Esta foi uma das muitas versões desta história que o meu avô me ensinou...pois arranjava muitas opções hilariantes para a história, tornando-a sempre divertida! As noites, com o meu avô, eram sempre povoadas de histórias...umas assim, outras reais...Sabe-se lá onde desencantava tanta sabedoria!

4 comentários:

Alegria disse...

Passei para deixar um oi e tenha um excelente dia.

Beijinhos.

Xinha disse...

Isabelinha
Estas recordações de momentos tão doces que guardamos para sempre na nossa memória e no nosso coração fazem de nós aquilo que nós somos.
Muitos beijinhos da Xinha

Isabel Preto disse...

Como tens razão, Xinha!
O meu avô tem muito a ver com a pessoa que hoje sou. Além dos valores, transmitiu-me este gosto por histórias, por fadas e bruxas...por mundos misteriosos...Foi muito duro, quando faleceu...mas a dor foi ficando mais suportável, com o tempo.
Beijos grandes.

aurea disse...

É verdade e recordo
Essa boa tradição
Quando junto da lareira
Aprendi muita canção

Mas eram canções diferentes
Que ficavam na memória
Todas elas tinham sempre
Uma bela, ou terrível história

Lembro-me da "Laura linda"
Da "Estrelinha do Norte"
Do "Sábio e do Barqueiro"
Que terminou com pouca sorte.

Do "Certo Preto a Passear"
Do "Capitão da Armada"
Da "Esmola ao Pobrezinho"
Nesta terra abençoada

Muitas estão publicadas
No livro "Lembranças D´outrora"
Que saíu em 2008
A rodar p´lo país fora

Foi publicado pela Câmara
E Está ligado às tradições
Que devemos ir passando
Para outras gerações.

Com um grande abraço

Enviar um comentário

Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"