"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

30/01/12

Uma aula que...correu bem

Por vezes, damos mil voltas à cabeça, à procura de ideias para cativar os nossos alunos, mas, por vezes, as ideias mais simples, são as que correm melhor! Confesso que tenho de agradecer, em parte, a outras colegas, nomeadamente uma que descobri na "reportagem Sic", de quem já falei. Trata-se de Eduarda Abreu, que teve a gentileza de me enviar alguns contos muito especiais, visitem o blog dela:"Contos para Crescer". De certeza, não se arrependerão, pois há lá imensos contos lindos, que vale a pena ler aos nossos alunos e...que, de facto, cativam e trazem grandes lições de vida.
Mas voltemos à aula...Estava no 5ºA e peguei num dos títulos desses contos: "Palavras cor de rosa e Palavras cinzentas"...Perguntei o que lhes fazia lembrar, sem dizer que era o título de um conto. Coloquei duas colunas no quadro e, então, foi vê-los participar: de um lado surgiam sentimentos bons (amor, amizade, simpatia), surgiam coisas de que gostam (gomas, bolos, beijinhos...de pintar, de flores...), surgiram depois palavras (obrigado, estás bem?...), do outro, iam surgindo opostos: ódio, lágrimas, asneiras...A partir daqui, falámos de sentimentos, de como devemos ser fortes, se tentam "rebaixar-nos"...A Raquel disse que não nos devemos deixar "afectar" ou ir abaixo, a Catarina disse que essas pessoas só têm maldade e não veem que todos têm defeitos...Então, dificultei a tarefa:"Imaginem que em apenas 15 minutos, têm de escrever algo sobre as palavras cor de rosa e cinzentas...uma quadra, que seja, uma história curta..." E, em trabalho de pares, começaram logo a escrever, com tanto entusiasmo, como há muito tempo, não via! Ainda mais, numa turma, onde a concentração é reduzida e, quando alguns leram, nem queria acreditar! Em quinze minutos surgiram coisas lindas, a meu ver. Ora comprovem:
"Era uma vez dois irmãos. A irmã chamava-se palavra cor-de-rosa e o irmão chamava-se palavra cinzenta.
A irmã adorava dizer palavras simpáticas:
-És bonita;
-Que engraçada;
-Amo-te;
-Queres ser meu amigo?
-Boa noite; (...)
Enquanto o irmão se divertia a insultar as pessoas:
-Feio;
-Gordo;
-Estúpido;
-Odeio-te!
-Má-noite; (...)
Com o seu riso maléfico "Ah! Ah! Ah!", divertia-se à custa dos outros, magoava só por magoar!
Certo dia, os dois irmãos estavam a ir para a escola e cruzaram-se com um grupo de rapazes, mais velhos, que começaram a insultá-los, sem razão! O irmão, Palavra Cinzenta, ficou tão triste, que, finalmente, compreendeu e sentiu o que as outras pessoas sentiam, quando ele as tratava mal...Mas a irmã consolou-o:
-Não fiques triste, pensa em arco-íris, em gomas...
O rapaz nunca mais voltou a gozar com ninguém e sentia-se um irmão "cor de rosa"!"
Fábio e Inês, 5ºA
Mas a surpresa da aula não ficou por aqui, quando depois lhes li o conto...o silêncio soube-me bem! Obrigada, Eduarda Abreu

1 comentário:

lalage disse...

São aulas assim que nos fazem continuar e enfrentar os tempos deprimentes que vivemos :)

Enviar um comentário

Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"