"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

22/05/17

A tempestade de...




Margarida, 6ºJ

Lenda do Galo de Barcelos...



Ângela, 6ºH

A Nossa História

Mais uma etapa superada
Mais um desafio a findar
No meu coração levo esperança
E lembranças que quero recordar...

Este ciclo da minha vida
Foi importante a valer
Conheci pessoas fascinantes
Que me ajudaram a crescer...

Fui criança outrora
Sou agora adolescente
Que ri, ama e chora
Não temendo o que sente.

Aos amigos que já conhecia
E aos novos que conheci
Agradeço a amizade
E tudo aquilo que aqui vivi...
Levo alguns no coração
Os mais especiais, talvez para a vida
Mas todos, por alguma razão,
Foram importantes nesta "corrida"...

Este capítulo da história não faria sentido
Nem sequer poderia acabar
Sem falar de um grupo de pessoas
Que se mostraram sempre disponíveis a ajudar...

Foram eles os mentores
De todos os mais especiais
Pois foram amigos e promotores
Transmitindo saberes e valores essenciais...
Aos meus queridos professores
O meu profundo agradecimento
Ficarão no meu pensamento
E, docemente, no meu coração.


Obrigada! 
Até Sempre...
Mariana, 6ºH, ano letivo 2016/17 



19/05/17

Pássaro Livre








Pássaro livre,
quem me dera ocupar
o teu lugar.
Estou preso nesta cela,
tanto desejaria estar
no meu lar.

Cometi um crime,
estou a pagar
por todo o mal que cometi.
Pássaro livre,
diz-me:
algum dia sairei daqui?
Acredito piamente que sim,
pois tenho uma família para abraçar,
Mas será a mesma capaz de me perdoar?
Dizem que o amor perdoa tudo:
será mesmo verdade?
Quem me dera caminhar
e dar o passo para a liberdade.
Voa, lindo passarinho,
espero ver-te amanhã.
Tu vais para o teu ninho,
tendo em conta que encontraste o teu caminho.
Não irei e nem quero aqui apodrecer.
Quero manter a minha fé,
pois, lá em casa,
tenho um filho que me espera,
o meu rebento,
fruto do meu ser
e chama-se André.
Ficaria mais descansado,
se fosses para minha casa
onde, outrora, fui tão amado
quem me dera sair daqui,
com apenas uma asa.
Chris Pinto, 09-05-2017




18/05/17

Poesia Visual 6ºH

 Melany, 6ºH
 Carolina, 6ºH
 Ângela, 6ºH
 Melany, 6ºH
 Melany, 6ºH
David, 6ºH

O Milagre das Rosas





Matilde, 6ºH

05/05/17

Monstrinhos do 6ºJ

Book titled ''Os Monstrinhos' do 6ºJ'Read this free book made on StoryJumper

03/05/17

LIBERDADE




A Liberdade

                       A palavra Liberdade
            É como gritar no cimo de um monte
            É poder expressar-se, manifestar-se
    Como se a nossa voz e opinião tivesse força,
     Sem ninguém nos proibir de dizermos aquilo
Que nos incomoda, que nos entristece, que nos enche de
                                   descontentamento.


No dia 25 de Abril, foi como se as portas da repressão se abrissem,
Como uma lufada de ar fresco entrasse pelo nosso corpo e enchesse
             O nosso coração, rumo à Liberdade.

   Viva este dia!!! Onde o peso das balas e munições foram substituídas
Por lindos cravos como sinal de respeito, liberdade de
                        expressão e igualdade entre a população.

             E que bela música representou este dia especial
                                   “ Grândola Vila Morena”
                   Que teve um papel importante
           Porque foi a senha utilizada pelas tropas
Para iniciarem a sua marcha rumo a Lisboa.

                               Dia emblemático este!
                     Que fez de cada português
       Uma nova história, um novo futuro
E uma nova esperança para um Portugal melhor!


Rodrigo Aguiar, 6ºH, Clube de Jornalismo


26/04/17

O sonho

Numa terra longínqua vivia uma rapariga, numa aldeia muito pequenina.
Essa aldeia era pobre, com casas muito velhas, mas todos os aldeões eram muito felizes. Na realidade, havia um bairro muito estranho, nem dava para entender nem para explicar bem como era. Era frio, era escuro. E neste bairro vivia uma menina muito pequenina e muito triste chamada Isabel.
Um dia uma menina chamada Ana passou por lá e decidiu atravessar a estrada para ir ver o que lá havia. Encontrou Isabel no bairro e perguntou-lhe porque estava tão triste.
Isabel respondeu:
- Nunca saí daqui, nunca fui ver o que há para lá desta estrada.
Ana, ao ouvir aquilo, disse:
- Acabei de ter uma grande ideia! Ontem comprei dois bilhetes para um musical. Queres vir comigo?
Isabel aceitou logo.
Quando o Musical acabou, Ana foi deixá-la em casa e, quando ia a sair daquele bairro obscuro, até se arrepiou, ao ver tanta gente triste e até fingiu que era míope, só para não ver tanta tristeza!
Voltou para casa e foi deitar-se e, no dia seguinte, quando acordou, percebeu que tudo não tinha passado de um sonho.
E ainda bem, porque não queremos histórias tristes nem bairros obscuros!

Marta, 6ºJ

O tesouro do fundo do mar

No fundo do mar
um tesouro para desvendar,
dentro de um navio afundado...
que, na realidade, pertenceu a um pirata! 

Cientistas e mergulhadores tentando entender 
Onde poderia o grande tesouro estar escondido.
Certo dia descobriram
Uma pista que poderia ajudar, mas, para isso,
o mar negro teriam de atravessar

Morrendo de frio e sem conseguir pensar...
apenas no frio que estavam a passar,
os mergulhadores atravessaram o mar negro
para o tesouro encontrar. 

Durante o caminho encontraram
muitos objetos perdidos no ma...
uma caixa musical, chinelos e garrafas,
mas do tesouro nem sinal!

Cada vez que iam mais ao fundo do mar,
o caminho ficava mais obscuro, as botijas de oxigénio começavam a escassear...
Foi então que perceberam que, afinal, aquela pista 
Não passava de uma armadilha,
 Mas de quem, não se sabia! 

O preço a pagar 
por terem caído na armadilha, 
foi ficarem míopes!
Assim o tesouro
nunca foi encontrado nem desvendado,
continuando a ficar perdido no fundo do mar!

Íris, 6ºJ

Gosto de imaginar...

Gosto de imaginar
palavras e histórias
sem parar:
Um homem que amava cantar e dançar,
uma baleia que corria
com um cavalo bem marado.
Uma menina
que papel comia,
uma orca
bem, bem pequenina,
uma égua
que apenas acreditava
na realidade
uma abelha voava
para entender o que fazer,
uma foca que só pensava
o que há de comer ou fazer
para dar ao seu par,
com esta história sem fim,
um pinguim
que não tinha frio!
Para conseguir descansar
dois limões
que queriam conversar
mas boca não tinham!
E para o rio atravessar
tiveram que nadar
um queria ir pela esquerda,
outro pela direita
mas como não tinham boca para falar
não conseguiram explicar um ao outro
para que lado nadar!
É assim que eu gosto de imaginar:
uma árvore musical
que tocava todo o dia
para os animais animar.
Tinha pássaros
esquilos, ratos,
raposas e peixes...
todos os animais de que te possas lembrar!
Um pirata entrou numa gruta obscura
e lá dentro estava um dragão a ressonar,
com um peluche que estava a segurar...
era um urso bem fofinho
e atrás tinha um peixinho que nadava
mas o problema é que era míope
então não via nada bem!
Ia sempre contra o vidro
e, por isso, um dia caiu!
Na gruta apareceu um tesouro
e o pirata rico e feliz ficou!


Sílvia, 6ºJ

Palavras intrusas na escrita criativa

Eu sou um cavaleiro
e chamo-me "Queiro"
luto o dia inteiro
e tenho um bom cheiro

Salvo o reino de verdade
e faço com que tudo se torne realidade 
os maus não consigo entender
porque é que fazem o mundo doer?

Às vezes vou ao rio
mesmo quando sinto frio
combater os maus
tento os problemas atravessar
mas sem nunca me magoar

Gosto muito de um som musical
mas nunca o som do mal
não gosto do mundo obscuro
porque as feridas nunca curo

Também tenho um amigo míope
mas não gosto que ele lute
gosto de o proteger
e sempre consigo vencer!

Vasco, 6ºJ

É escrever sem parar,
então vou-me expressar...
de uma pessoa vou falar,
que me faz sempre sonhar.

É professora
e encantadora,
é professora de Português,
mas também é de Francês.

Às vezes não parece realidade,
pois é uma raridade.
Não consigo entender tanto amor,
e carinho que ela dá.

Frio não existe na aula de Português,
só um amor quente.
Não é famosa por correr, mas atravessar o mundo todo, ela consegue,
para salvar um coração!

É um mundo musical,
que nos encanta...
Estar nas aulas de Português nunca é obscuro,
mas muito brilhante
portanto nada, nada escuro!

E quem é míope?
Até um cego vê,
a beleza dela,
de uma professora chamada Isabel.

Miriam, 6ºJ

Palavras intrusas

Partilho convosco outra técnica de escrita, pois levar os alunos a escrever com prazer nem sempre é fácil. Chamemos-lhe "escrever com palavras intrusas". Experimentei no 6ºH e correu muito bem. Comecei por dizer que iríamos fazer um jogo. Nesta fase, a palavra jogo funciona sempre. Sugeri que começassem a escrever sem parar sobre o que quisessem, mas havia uma regra: introduzir no texto algumas palavras que eu iria dizer de repente. As palavras sublinhadas foram as que disse em voz alta, no meio da escrita. Aqui fica um modelo:



Quem me dera poder dizer-te, mas é difícil explicar o que sinto por ti…Tristeza, alegria, raiva…são sentimentos que dificilmente conseguimos explicar! Os sentimentos, nenhum deles percebemos ou sabemos traduzir por palavras… E o amor? Será que nós o percebemos? Quer na imaginação de cada um de nós, quer na realidade, talvez não, mas sentimo-lo! Sem esse sentimento nobre, não conseguiríamos viver nem entender a vida!
Do amor vêm flores, das flores nascem frutos e, se isso não acontecer, temos um mundo frio e triste!
O amor é como o paraíso, mas, na verdade, também há dores e corações partidos.
Para alguns, o amor é como um concerto musical, que lhes enche a alma, que lhes diz que algo mágico vai acontecer…Talvez algo obscuro, que nem sempre é seguro, mas nos faz vibrar.
Sabem…devemos voltar sempre aos bons sentimentos, esquecer os males, fingindo que somos míopes e nem vemos a maldade. Apaixonem-se e sejam felizes!


Beatriz, 6ºH
 

Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"