"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

30/10/10

A lenda do espelho!

Era uma vez uma feia princesa, que se achava a mais bonita e elegante daquele reino, para lá das montanhas! Estão admirados com o início da história? Ora pois, as princesas, afinal, não são todas bonitas!
Nesse reino ainda não se tinham descoberto os espelhos e as pessoas viam o seu rosto apenas no reflexo da água, não distinguindo a beleza, da fealdade.
Um dia um lindo e elegante príncipe foi obrigado a casar com a horrorosa princesa.
No reino do príncipe já se usavam espelhos, por isso, antes de ver o rosto da princesa, o príncipe ofereceu-lhe um espelho.
Quando o príncipe viu o rosto da princesa, fugiu a sete pés, gritando aos sete ventos que a princesa era horrorosa!
A princesa, apaixonada, ficou destroçada, de coração partido e prometeu a si própria que daí em diante iria procurar o espelho mágico da beleza, de que tanto se falava nas famosas lendas do grande livro das lendas...
Passou dias e noites a andar sem parar pela montanha da maldição da beleza, com a tentação de encontrar o espelho. Encontrou finalmente a gruta, onde segundo o famoso livro se encontrava o espelho! Mas como todos os sítios valiosos têm uma armadilha, este tinha um grande e forte touro, que guardava a entrada da gruta.
Mas eis que acontece o inesperado: o touro desatou a fugir a sete pés, tal como o príncipe, ao olhar para a pobre princesa!
Esta sentiu-se desolada, mas esperançosa caminhou até à grandiosa sala do espelho e gritou:
-Espelho, espelho meu, a partir de agora não haverá ninguém mais belo do que eu!
Então, em segundos, transformou-se numa maravilhosa e linda princesa, voltando maravilhada consigo mesmo, para junto do seu amado príncipe.
Gonçalo Cavaco, a partir do jogo "Arca dos Contos"

Se eu fosse...

Se eu fosse "stôr" do 6ºG
Era o vosso pior pesadelo
Ao "mínimo"... era castigo!
Sem piedade, iria fazê-lo!

Se eu fosse médico
Tratava da saúde de toda a gente
Cada doença era curada
E punha toda a gente contente!

Existem mil profissões
Mas há uma profissão especial
Ser aluno é tão fixe
Pois ler e escrever não tem nenhum mal!

Rúben, 6ºG

Para ler no fim-de-semana...

A chave Mágica da Palavra-Chave
Era uma vez uma bruxa, que era muito teimosa e maldosa! Vivia num poço, muito fundo, que servia para aprisionar coelhos daquela zona, na tentativa de descobrir uma coisa, que ela queria: uma chave mágica e uma palavra-chave, para dominar o mundo! Ela nem imaginava que essa palavra é medo.
Um dia, a bruxa viu cair ao poço, um coelho chamado Plufi. Ele era o coelho mais corajoso daquela zona. Como era muito respeitado, ela desconfiava que ele fosse o guardião da chave...Por isso, prendeu-o e fez-lhe um longo e pesado interrogatório, mas ele apenas confessou uma coisa: a chave tem a palavra-chave! Como não disse mais nada, a bruxa quase matou o pobre Plufi, mas ele sobreviveu, pois só podia morrer de velhice.
Mais tarde, Plufi viu-se numa floresta cheia de monstros. Era a floresta do poço da bruxa! O coelho também procurava a chave, mas tinha uma vantagem sobre a bruxa, ele conhecia a palavra-chave. Mas não sabia o que significava!
No meio da floresta, atreveu-se a perguntar a um monstro:
-Ei, tu aí...Sabes dizer-me onde fica a terra dos zombies?
-Não!-respondeu secamente o monstro.
-Está bem, vou perguntar a outro monstro.
-Eu sei quem sabe!
-Quem?
-O velho trolle! Ele sabe tudo. Ele até sabe quando vai acabar o mundo.
-Onde é que ele mora?
-Daqui a sete passos!
-Mas não vive cá ninguém!
-São sete passos de gigante!Eu levo-te lá.
Quando chegaram, o gigante bateu à porta e abriu um trollezinho pequeno da altura do coelho. Normalmente, os velhos trolles são muito pequenos...
- Então, meu jovem coelho, que desejas saber?
- Gostava de saber onde é a terra dos zombies.
-Procuras alguma coisa de lá?
- Sim, procuro a chave mágica.
-Oh, mas vais ter de passar pelo castelo do eclipse. Se lá passares no tempo do eclipse, poderás ser amaldiçoado pelos teus antepassados! Mas se é esse o teu desejo, eu mostro-te onde fica.
Entraram em casa e o velho tirou de uma gaveta um mapa e pousou-o na mesa.
-Aqui fica a terra dos zombies e aqui o castelo do eclipse. Mas há um senão nessa história toda. O castelo fica a mil e sessenta e cinco passos daqui! E ainda há outro...
-Qual é?-o coelho estava ansioso por saber.
-Lá estão afixadas muitas chaves...Caso tires do castelo a chave errada, o castelo sugar-te-á e ficas lá para sempre!
-Está bem! Obrigada pelos avisos, mas vou já começar a viagem.
O coelho foi ter com um ogre e perguntou:
-Como te chamas?
-Ogre de Azkalibur.
-Nasceste em Azkalibur?
Sim...
-Podes levar-me até à terra dos zombies?
-Posso, se me indicares o caminho.
E começaram a viagem. A cada passo que o ogre dava, a floresta ficava mais distante e o Monte Cião cada vez mais nítido...
-Já sei o que significa a palavra-chave. É o medo que vou enfrentar na terra dos zombies.
O ogre não sabia do que ele estava a falar e ignorou-o.
-Ai-disse o ogre-Temos de fugir! A bruxa malvada está a atacar-nos!
O ogre começou a correr tão depressa, que fez a bruxa cair ao chão, partindo a vassoura!
Num instante chegaram à fronteira da terra dos zombies.
-É a minha deixa. Já não posso avançar mais. São as regras do pacto entre os zombies e os ogres.
-Está bem. O castelo é aqui perto. Adeus e obrigado.
Plufi continuou a sua viagem. Entretanto começou a chover e, quando chove, os zombies invadem as ruas da terra dos ogres. O coelho enfiou-se numa gruta. Nessa gruta estava outro coelho.
-Quem és tu?
-Sou Belindro.
-Procuras alguma coisa?
-Procuro a minha mãe, a velha coelhita.
-Ela está em casa dela.
-A sério? Vou agora para casa.
-Não vás! Olha os zombies...
-Tens medo?
Mal o Belindro disse a palavra medo, ambos foram parar ao castelo. Entraram na primeira porta e viram muito ouro amontoado! Flupi viu um brilho estranho no meio do ouro e foi lá ver. Viu muitas chaves, mas uma destacou-se mais: tinha mais brilho! Flupi pegou na chave e saiu do castelo. Nada aconteceu, por isso era certamente aquela a chave mágica. Levantou a chave e pediu três desejos: destruir a bruxa, voltar para casa com Belindro e ressuscitar os coelhos que a bruxa matara. A chave, depois, desapareceu, mas os desejos tinham-se concretizado. Plufi e Belindro ficaram amigos para sempre. Quanto à bruxa, deve ter ficado fechada no castelo para sempre.
Rúben Cavaleiro, 6ºG, a partir de um jogo de cartas:"Arca dos contos"

Uma cena de arrasar!

O Outono é
Uma cena de arrasar,
Caiem as folhas das árvores
E as castanhas estão a assar!

A temperatura está a baixar
Temos de nos agasalhar
Pois está...
Um frio de rachar!

As folhas caiem uma a uma
E castanhas boas e saborosas...
Mas há outras comidas e bebidas
Que também são gostosas!

É o Outono
De que estou a falar...
Esta estação,
Acabou de começar!
Rúben, 6ºG

29/10/10

Um lanche especial...

A Sofia vinha radiante do colégio, porque a pintaram e...fizeram doce de abóbora! Foi o nosso lanche, só das duas, pois a Sara nunca quis comer doce de nada, nem para agradar à irmã...Mas as duas tiveram um dia muito especial, que tão cedo não esquecem.

Abóboras para todos os gostos!





Na Escola, comemorou-se o Halloween...Houve um concurso de abóboras e alguns alunos, vestidos a rigor, foram com a professora Paula Couto assustar e oferecer doces aos outros alunos, professores e técnicos de acção educativa.
A Sara sentiu-se muito feliz, por fazer parte desse grupo. Resta-me agradecer à minha colega de Inglês, por fazer a minha filha sentir-se especial.

Ainda o Outono, no 6ºG...






Em cima, o trabalho é do João Pedro...em baixo, um trabalho de grupo, do Cris, da Bruninha e do Fábio Tavares.

Um menino surpreendente...

O Claudino chegou há pouco de Cabo Verde e já todos o conhecem na escola, pela sua simpatia e delicadeza.
Ainda ontem a dona Edite me disse:
-"Oh, professora Isabel, este menino é seu? É um doce! Que educadinho!"
E...como sou Directora de Turma dele, fico toda derretida, porque é bom ouvir falar bem dos alunos da nossa Direcção de Turma.
Hoje trouxe-me um texto, que mostra o quanto se esforça por escrever. Tinha alguns erros, mas fiquei tão satisfeita com ele!

" No meu primeiro dia, entrei na escola e senti-me estranho, mas depois conheci a minha Directora de Turma e vi que era boa pessoa e senti-me melhor.
Mais tarde conheci o Nico e ele ajudou-me a conhecer os cantos todos da nossa escola e ficámos amigos. Quando entrei na sala de aula, já me sentia bem, embora com algum medo.
Jogo com o Nico, vamos ao GAAF, à Biblioteca. Depois apareceu o Roberto e arranjei um novo amigo. Era bom se nos ajudassemos uns aos outros.
Gosto da minha escola, dos meus amigos, dos professores, mas não gosto daqueles colegas que se destacam dos outros, pelo mau comportamento."

28/10/10

Uma abóbora...enfeitada a três mãos!








Mais um trabalho bem original...



...do Rogério, 6ºG

Uma casa rodeada de Outono...




As portas abrem e fecham! É uma casa de verdade, um presente do Artur e do Fábio Fouto, 6ºG.
A minha Direcção de Turma é mesmo muito especial...

O Trabalho da Ana...

O Trabalho do Tomás...


O trabalho da Patrícia...


O Ouriço mais fofinho do mundo...e não só!











O Gonçalo Cavaco é um dos meus melhores alunos. Hoje surpreendeu-me com um trabalho fantástico, para a exposição que vamos fazer na escola, sobre o Outono.
O poema, publicado abaixo, é da sua autoria, o que cada vez se torna mais raro, encontrar alunos com o dom da escrita...quanto ao cartaz não há palavras... Eu fiquei maravilhada...Tirei algumas fotos, na aula, mas amanhã vou tirar mais, pois é daqueles trabalhos que vou guardar na memória.

O Outono, visto pelo Gonçalo...

Da minha janela
vi o Outono chegar
era um grande rodopio
as folhas voavam no ar

Das árvores caíam uma a uma
e cobriam todo o chão
as folhas do Outono
são o ícone da estação

São quentes as cores do Outono
vermelho,castanho e amarelo
serão estas as cores da moda
que me vão tornar mais belo?

No Outono os animais
hibernam e fazem ninho
outros voam p´ra bem longe
À procura do quentinho

Não é a minha estação preferida
o Outono vai passar
o Inverno e a Primavera
até o verão chegar

Gonçalo Cavaco, 6ºG

O Trabalho do Nuno...


Retratos: vejam lá se adivinham!

É um senhor baixo, gordinho, que usa suspensórios.
Tem o rosto redondo, cabelo curto e sorriso brincalhão e é um apresentador de TV.
Tem talento, para fazer rir as pessoas, é gentil, inteligente, humilde, amigável e bondoso.
Quem será?
André, 5ºD

26/10/10

Tão simples, mas tão bonito!


Recebi hoje o primeiro trabalho da minha Direcção de Turma, sobre as tradições de Outono. Foi a minha doce Mariana, a primeira a cumprir e, se gostei muito do trabalho da irmã, do 5ºano, o da Mariana deixou-me encantada. O texto é da sua autoria e a ilustração...linda!
Parabéns, Mariana, a ti e à mãe, que sei que vos apoia muito.

Mais trabalhos do 5ºA







Miguel e Catarina

O Outono, visto pela Mariana...

Para muitos, o Outono é uma estação...
Triste e cinzenta...Para mim, não!
Quando o frio começa a apertar
Posso casacos, luvas e cachecóis usar,
Vê-se folhas secas nas ruas
E as árvores ficam nuas
Também é a altura das castanhas
Tão boas e quentinhas...
Poderia continuar, o Outono elogiar
Mas por aqui vou permanecer
No meu cantinho a ler...

Mariana, 6ºG

Adaptação da lenda de São Martinho!

O céu estava escuro
O céu estava cinzento
Mas por debaixo dele
Estava um mendigo ao relento.
Ele não tinha comida,
Nem dinheiro...
Nem uma alma amiga
Por isso, estava só debaixo do pinheiro!
A uns metros de distância
Ele avistou um cavaleiro
Aproximou-se um bocadinho
Pois pensou pedir-lhe dinheiro.
-Ajudai-me nobre cavaleiro
Dai-me algo de comer,
Vivo só naquele pinheiro
E ninguém de mim
Quer saber.
Comovido com tal história
Saiu de sua montada,
São Martinho sabia o que era aquilo
Por isso, fez a coisa acertada...
Pegou na faca que tinha à mão,
Cortou a sua capa,
Deu alento a um coração
Acabou com a fome, que mata.
O Sol brilhou
As nuvens desapareceram
Um novo dia começou
Uma nova esperança nasceu.


Miguel, 5ºA

25/10/10

Muito criativo....

E agora...o Outono, visto pela Sara...


O Outono, também no 5ºA!

Catarina e Ana, 5ºA

O Outono, visto pela Margarida...

O Outono, visto pelo David...




O Outono, visto pela Beatriz...


E lá dentro da Moldura, havia mais imagens e poemas!

O Outono, visto pela Alice...

Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"