"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos"

22/05/09

Nasredin!


A minha melhor amiga tem ideias fantásticas! Há algum tempo deu-me um PowerPoint sobre um livro do Plano Nacional de Leitura: Nasredin, uma história fabulosa, muito parecida com a história tradicional: "O velho, o rapaz e o burro"...Nasredin tem um problema: faça o que fizer, as pessoas riem-se dele. A quem deve dar ouvidos? Ao grão-vizir? Às lavandeiras? Ao grupo de anciãos? Às crianças da aldeia? A menos que seja ao seu pai, o sábio Mustafá...
Ainda sem lhes ler a história, mostrei as imagens e pedi para inventarem uma história, que "encaixasse com as imagens". Gostei dos resultados! Alguns, conhecem a história do "velho, do rapaz e do burro", por isso aproximaram-se da verdadeira história; outros fizeram textos bem diferentes, mas lindos!
Deixo-vos com o texto do Bernardo Ribeiro e do João Pinheiro (6ºD):
Nasredin
"Era uma vez um rapaz chamado Nasredin, que vivia com seu pai Mustafá, numa pequena aldeia chamada Odile.
Todos os dias, um grupo de lavadeiras se levantava muito cedo, para ir lavar roupa no rio da aldeia, enquanto Nasredin acordava e levava o seu burrito Nerd à cidade, vender ráfia, que levava num saco castanho. A ráfia era para fazer cestos...Se a vendesse toda, teriam dinheiro por algum tempo.
Ao passar junto das lavadeiras, estas gozaram com ele por ir a pé...
No segundo dia, Mustafá tosquiou as ovelhas. Carregaram a lã no burrito e foram vendê-la à feira. Resolveram montar ambos no burro e, mais uma vez, foram gozados e criticados, por sobrecarregar o burrito! Apearam-se ambos, pois todos criticavam sempre, fizessem o que fizessem!
No terceiro dia, o burro cansadíssimo levou Mustafá e vinte melancias.
Voltando a casa, como tivessem vendido as melancias todas, semearam mais, muito mais que nos anos anteriores. Eram pobres, mas com esperança de melhorar de vida.
Um dia foram ver as melancias, que já estavam enormes e com bom aspecto!
Estavam tão apetitosas que Nasredin quis provar uma. Quando a abriu, em vez de sementes, encontrou moedas de ouro.
Abriram todas as melancias e cada uma vinha recheada de moedas!
Compraram a aldeia, mas os vizinhos eram invejosos e plantaram também cem sementes, mas quando abriram as melancias, passado algum tempo, apenas encontraram um bilhete que dizia:
Parem de ser gananciosos!

11 comentários:

Luz disse...

bela história, João e Bernardo!
Parabéns!!!
Luz e meninos da Brandoa

Isabel Preto disse...

Luz, já estava a sentir a tua falta! Beijos, gostei de ver as fotos de Varsóvia no teu blog.

Tenho 50 provas para ver(de aferição), mas já estou habituada!
Não vou deixar de vos dar atenção, garanto.

Xinha disse...

Olá Isabel
O meu filho Pedro, para além de uma imaginação e criatividade imensas,sempre foi um artista a desenhar e a escrever...
Para além de toda a gente, as professoras de desenho e de português, que foi tendo ao longo dos ciclos, simplesmente adoravam-no. Em Português ganhava sempre o concurso de contos entre os alunos de todas as turmas, por ciclos...o Pedro e o Alexandre que era o seu melhor amigo.Se um ficava em primeiro o outro ficava em segundo e vice versa.
Agora para O João e para o Bernardo parabéns!
Gostei muito da vossa história.
Beijinho da Xinha.

Isabel Preto disse...

Querida Xinha:
é tão bom termos filhos com criatividade e imaginação e vê-los ir bem na escola. Parabéns para o Pedro, por gostar de Português. Só por isso, já o adoro.
Agora o Bernardo e o João têm imensas dificuldades, mas por vezes surpreendem-me, assim!
Beijinhos.

sara disse...

Olá Isabel, gosto muito do teu blog, mas o que mais me entristece é que a minha filha nunca teve a sorte de ter uma professora como tu! Está a terminar agora o 5º ano e acho que tem um potencial enorme para a escrita, no entanto quem a motiva para a leitura somos nós cá em casa! Acredito que um dia ela encontrará uma professora "Isabel" que para além de amar a sua profissão potencia as capacidades dos seus alunos, sejam eles brilhantes ou não. Cada um tem sempre algo para dar à sociedade.
Muitos beijinhos
Sara

Isabel Preto disse...

Sara:
fico comovida com as tuas palavras...Eu não sou a melhor do mundo, mas adoro estar com crianças, nasci mesmo para ser professora e jamais quis ser outra coisa...Infelizmente, muitos professores, até bons, não têm a capacidade de transmitir o gosto pela leitura e pela escrita. Só quem ama ler e escrever, pode passar esse gosto aos alunos...e é preciso também estar feliz com a profissão. Eu posso estar muito "em baixo", mas chego à sala e...esqueço tudo. Transformo-me completamente noutra pessoa.
Nunca desisto de nenhum dos meus alunos...pois há que fazê-los acreditar. o pimeiro passo para o insucesso é deixarem de acreditar.
Espero que a tua filhota se cruze com uma professora que lhe transmita tudo aquilo que desejas.
Beijinhos.

Professorinha disse...

Sim senhor, belo texto para um rapaz do 6º ano!!!

beijos

Anónimo disse...

GANDA BERNARDO , nao desistas pá!!! :)

De Rodrigo :P

Isabel Preto disse...

Rodrigo:
Gostei de ler esta força, que dás aqui ao Bernardo, mostra que tens um coração lindo.

Anónimo disse...

Obrigado rodrigo ^^ ass: bernardo

Anónimo disse...

Stora nao desanime, voce pode nos perder de turmas mas nao perde do fundo do coraçao bjx bernardo

Enviar um comentário

Fascinante!

Fascinante!

Bons Sonhos!

Bons Sonhos!

"Poema em P"

"Poema em P"

Criar e imaginar

Criar e imaginar

Momentos...

Momentos...

" A Menina do Mar"

" A Menina do Mar"

"A viúva e o papagaio"

"A viúva e o papagaio"

"O meu amigo, o sono"

"O meu amigo, o sono"